Resumo Controle da Administração
28 pág.

Resumo Controle da Administração


DisciplinaDireito Administrativo I54.717 materiais994.029 seguidores
Pré-visualização6 páginas
Gerais
Questões
NOMENCLATURA DAS CLASSIFICAÇÕES (CESPE):
I) Natureza do Controlador: Administrativo / Legislativo / Judicial
II) Quanto à extensão: interno / Externo
Q387973 O controle exercido pela corregedoria do tribunal de justiça de um estado sobre os atos praticados por serventuários da justiça é classificado, quanto à natureza do controlador e à extensão, como controle administrativo e interno.
 CORRETO. Só para confirmar visão do CESPE. 
Q420995 O controle pode ser classificado como executivo ou legislativo, a depender do órgão que o exerça.
 FALSO. NÃO EXISTE CONTROLE EXECUTIVO e sim controle Administrativo.
CHECK AND BALANCE:
I) A dica é que sempre um poder sofrerá controle de outro, NÃO IMPORTA qual seja a atividade e qual seja o Poder, não existe qualquer atividade que esteja \u201clivre\u201d de controle.
Q711833 Na administração pública, uma forma de controle é o sistema de freios e contrapesos, cuja principal característica é a divisão e a independência dos poderes da União.
Q622601 A essência da teoria da separação dos poderes se sustenta na ideia de que nenhum poder do Estado deve assumir atribuições que não possam ser, de algum modo, controladas por outro poder.
FUNÇÕES DO EXECUTIVO (CESPE)
I) É errado dizer que o Executivo pode exercer função \u201cjurisdicional\u201d, ele pode apenas exercer função \u201cjudicante\u201d, que é o que ele exerce quando faz seus julgamentos.
José dos Santos Carvalho Filho: ao Poder Executivo não é dado o exercício da atividade jurisdicional, com o sentido que esta deve ser vista, ou seja, com força de definitividade. Ainda que o Executivo decida os processos administrativos de sua competência, as decisões não constituirão coisa julgada material ou definitiva, à semelhança das decisões provenientes do Poder Judiciário\u201d
Função jurisdicional e de julgamento são diferentes. O presidente tem função atípica de julgamento no âmbito do contencioso administrativo, quando julga um processo administrativo disciplinar, por exemplo. Contudo não tem função jurisdicional, já que seu julgamento não é definitivo e pode ir à apreciação pelo judiciário
Q472022 No Brasil, o Poder Executivo exerce a função jurisdicional de forma atípica quando julga seus próprios servidores por infrações cometidas no exercício do cargo. Esse exercício é possível graças ao sistema de pesos e contrapesos adotado no país.Parte superior do formulário
 FALSO. Função Jurisdicional não.
Q305278 De acordo com a doutrina majoritária, não existe exclusividade no exercício das funções pelos poderes da República. Assim, o Poder Executivo exerce função jurisdicional quando julga seus agentes por irregularidades cometidas no exercício do cargo.
 FALSO. (Era múltipla escolha). Se falar jurisdicional é para marcar FALSO = NÃO EXERCE.
Q90202 O Poder Executivo, além de administrar a coisa pública, também legisla e julga, e o seu chefe, eleito pelo povo, possui várias prerrogativas e garantias que lhe são outorgadas para o exercício, de forma independente e imparcial, da chefia da nação
 CORRETO. Note que aqui ele diz que o Executivo também \u201cJulga\u201d. O que de fato ele o faz, quando julga algum PAD, mas isso não é atividade jurisdicional!
Controle DA Administração
Controle DA Administração Pública
A administração pública está vinculada ao cumprimento da lei e ao atendimento do interesse público, objetivos maiores do Estado de direito. Para que isso aconteça, é necessário que o próprio Estado estabeleça mecanismos para impor e verificar o cumprimento de seus objetivos. 
 Surge daí a noção de CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA.
Uma função própria e uma prerrogativa dos Estados de direito, cuja finalidade é assegurar que a estrutura formal criada para concretizar os objetivos do Estado, no interesse do bem comum, atue de acordo com o conjunto de princípios e normas que compõem o ordenamento jurídico.
MSP: Pode-se definir o controle da administração pública como o poder de fiscalização e correção que sobre ela exercem os órgãos dos Poderes JUDICIÁRIO, LEGISLATIVO e EXECUTIVO, com o objetivo de garantir a conformidade de sua atuação com os princípios que lhe são impostos pelo ordenamento jurídico.
Controle da administração pública é o conjunto de instrumentos definidos pelo ordenamento jurídico, a fim de permitir a fiscalização da atuação estatal por órgãos e entidades do próprio poder público e também diretamente pelo povo.
Parte superior do formulário
O controle sobre a Administração Pública \u2013 (Poder Executivo): MSP diz que o órgão mais importante é o MP, pois suas competências, seus meios de atuação e independência funcional lhe conferem maior efetividade no controle da atividade da administração pública.
Um bom exemplo é a AÇÃO DE IMPROBIDADE ADM \u2013 que ou o MP ou a PJ interessada que movem a ação.
Também na AÇÃO CIVIL PÚBLICA (embora não seja privativa do MP), a autonomia e independência funcional do MP faz dele o órgão mais adequado para mover essas ações. 
SOBRE COISA JULGADA: 
No processo JUDICIAL, existe:
1) Coisa julgada formal: imutabilidade da sentença no mesmo processo em que foi proferida, por não caber mais recurso.
2) Coisa julgada material: imutabilidade mesmo fora do processo, porque a decisão transitada em julgado faz lei entre as partes, nos termos do art. 468 do CPC e art. 503 do novo CPC).
No processo ADMINISTRATIVO, só existe a coisa julgada FORMAL; 
Não existe coisa julgada material, porque a decisão proferida na esfera administrativa é passível de apreciação pelo Poder Judiciário. 
Portanto, a expressão coisa julgada, no Direito Administrativo, não tem o mesmo sentido que no Direito Judiciário. Ela significa apenas que a decisão se tornou irretratável pela própria Administração.
Por exemplo, as hipóteses que atos administrativos não podem ser revogados são \u201ccoisa julgada administrativa\u201d , pois são decisões que são irretratáveis pela própria administração..
Quanto a extensão:
Interno
Coisas de prova
DICA: Aqui é no sentido de que CADA PODER tem o seu controle interno, e o controle interno de cada poder abrange legalidade + mérito das SUAS decisões. 
Q587965 É um exemplo de controle interno da administração pública: Fiscalização realizada por órgão de controladoria da União sobre a execução de determinado programa de governo no âmbito da administração pública federal
(ESAF/ANAC/2016) O controle hierárquico é exemplo de controle interno e, nesse sentido, o superior hierárquico está autorizado a exercer controle de mérito sobre os atos e as atividades desenvolvidas pelos subordinados.
CORRETO. O controle hierárquico (interno) abrange também o mérito. Quem não pode entrar no mérito (via de regra) é o controle externo.
(CESPE/MPU/2018) Controle interno se refere, sempre, a atos de natureza administrativa
CORRETO. Guardar essa posição do CESPE.
Q361769 Conforme entendimento do STF, a Controladoria-Geral da União, órgão que realiza controle interno, pode fiscalizar a aplicação de verbas federais onde quer que elas estejam sendo aplicadas, mesmo que em outro ente federado às quais tenham sido destinadas
CORRETO. STF: A Controladoria-Geral da União (CGU) pode fiscalizar a aplicação de verbas federais onde quer que elas estejam sendo aplicadas, mesmo que em outro ente federado às quais foram destinadas. A fiscalização exercida pela CGU é interna, pois feita exclusivamente sobre verbas provenientes do orçamento do Executivo.
PROBLEMÁTICA DO CONTROLE DE TUTELA
I) O CESPE já deu como correto que o controle da ADM direta sobre a indireta seria dos dois tipos (duas provas diferentes, duas definições diferentes, e as duas vieram como correta).
II) NA PROVA: pode marcar correto qualquer um dos dois (interno / externo), pois as duas que caíram, as duas vieram verdadeiras, e as duas tem doutrina para sustentar.
III) MSP diz expressamente que a tutela seria externo.
Q360916 As formas de controle interno na administração pública incluem o controle ministerial, exercido pelos ministérios sobre os órgãos