Resumo Controle da Administração
28 pág.

Resumo Controle da Administração


DisciplinaDireito Administrativo I54.717 materiais994.029 seguidores
Pré-visualização6 páginas
a compatibilidade formal do ato com a legislação infraconstitucional, pode ser exercido tanto no âmbito interno, por meio da autotutela administrativa, quanto externo, pelos órgãos do Poder Judiciário.
CORRETO. O controle externo do Judiciário é SOMENTE legalidade. O controle interno administrativo abrange legalidade e mérito. 
Q737945 O controle administrativo interno é cabível apenas em relação a atividades de natureza administrativa, mesmo quando exercido no âmbito dos Poderes Legislativo e Judiciário.
CORRETO. Lembrar que todos os 3 poderes podem exercer controle administrativo, desde que seja INTERNO e ligado a atividades administrativas. Ou seja, o legislativo, em funções ATÍPICAS administrativas pode exercer um controle interno administrativo próprio. 
CONCEITO:
CONTROLE ADMINISTRATIVO: decorre do poder de autotutela conferido à Administração Pública que deve efetivar a fiscalização e revisão dos seus atos, mediante provocação ou de ofício, com a finalidade de verificar os aspectos de ilegalidade que maculem o ato controlado, situações que ensejam a anulação do ato - e também ausência de interesse público na manutenção da conduta no ordenamento jurídico, podendo justificar sua revogação. 
1- Pode ser INTERNO: O controle sobre os órgãos da Administração Direta é um controle interno e decorre do poder de autotutela que permite à Administração Pública rever os próprios atos quando ilegais, inoportunos ou inconvenientes. 
O poder de AUTOTUTELA encontra fundamento nos princípios a que se submete a Administração Pública, em especial o da LEGALIDADE e o da PREDOMINÂNCIA DO INTERESSE PÚBLICO, dos quais decorrem todos os demais
Esse controle sobre os próprios atos pode ser exercido de ofício, quando a autoridade competente constatar a ilegalidade de seu próprio ato ou de ato de seus subordinados; e pode ser provocado pelos administrados por meio dos recursos administrativos.
Q557444 O controle interno deriva do poder de autotutela que a administração tem sobre seus próprios atos e agentes.
Q868534 O controle administrativo deriva do poder-dever de autotutela que a administração pública tem sobre seus próprios atos e agentes.
Q590115 O controle administrativo é exercido apenas por iniciativa da própria administração, para o fim de confirmar, rever ou alterar condutas internas.
FALSO. Não é \u201capenas por iniciativa da própria administração\u201d e sim de ofício OU provocada. 
I) É diferente do controle judicial que só ocorre mediante provocação.
2- Pode ser EXTERNO: O controle sobre as entidades da Administração Indireta, também chamado de tutela, é um controle externo que só pode ser exercido NOS LIMITES ESTABELECIDOS EM LEI, sob pena de ofender a autonomia que lhes é assegurada pela lei que as instituiu.
Pode ser chamado de:
- tutela
- supervisão ministerial
- controle finalístico
- tutela extraordinária 
- controle de resultados 
- controle de aderência.
3- Pode ser por SUBORDINAÇÃO/HIERARQUIA: Quando ocorre dentro da mesma pessoa jurídica 
Exemplo: Presidência da república controlando ato de ministérios
Q840682 O controle administrativo hierárquico pode ser de OFICIO também! 
4- Pode ser por VINCULAÇÃO/TUTELA/FINALÍSTICO: Quando a administração direta exerce o controle de aderência sobre a administração indireta. O controle finalístico depende de previsão expressa na lei, nela encontrando seus limites, e se destina a verificar se a entidade vem atuando de acordo com a finalidade para a qual foi criada, o que inclui a aferição de seu desempenho.
Q835083 A supervisão da administração direta sobre a indireta depende de expressa previsão legal.
CORRETO. 
RESUMO:
Interno: Decorre da AUTOTUTELA.
Externo: Decorre da TUTELA (devendo ser prevista em lei).
Hierárquico: dentro da mesma PJ
Vinculação: ADM direta sobre a indireta, depende de previsão em lei.
Recurso Administrativo (MSP) \u2013 Definição Ampla (pois existem diversas \u201cmodalidades\u201d
Recursos administrativos são todos os meios que podem utilizar os administrados para provocar o REEXAME DO ATO pela Administração Pública.
CUIDADO: Já vi pegadinha e prova dizendo que recurso seria o meio para provocar a administração sobre uma conduta/ato ilegal. A rigor NÃO É, pois se usa a representação/reclamação para provocar originalmente. O recurso é para REEXAME de alguma coisa.
Q589555 O recurso administrativo pode ser considerado um mecanismo de controle interno, por possibilitar à própria administração a revisão de seus atos, com o objetivo de atender ao interesse público e garantir a observância do princípio da legalidade.
DENTRO DO DIREITO DE PETIÇÃO estão agasalhadas inúmeras modalidades de recursos administrativo:
- Representação
- Reclamação administrativa
- Pedido de reconsideração
- Recursos hierárquicos próprios e impróprios 
- Revisão
EFEITO DOS RECURSOS:
O recurso administrativo SEM EFEITO SUSPENSIVO não tolhe a fluência da prescrição, nem impede o uso das vias judiciárias na pendência da decisão interna da Administração. O ato impugnado continua a operar seus efeitos, com a possibilidade sempre presente de lesar direitos individuais, o que justifica o amparo da Justiça antes mesmo do pronunciamento administrativo final. 
O recurso administrativo COM EFEITO SUSPENSIVO produz 2 consequências fundamentais: 
1) O impedimento da fluência do prazo prescricional 
2) A impossibilidade jurídica de utilização das vias judiciárias.
O VIA DE REGRA quando o recurso administrativo é recebido com efeito SUSPENSIVO É NÃO PODER acionar a via judicial até que seja resolvido o recurso (É justamente porque o efeito suspensivo vai suspender o ato lesivo até a decisão final , então não teria porque o administrado querer ativar a via judicial se a situação não está mais produzindo efeitos.
EXCEÇÃO: O mandado de segurança pode ser usado em alguns casos MESMO COM recurso com efeito suspensivo pendente.
 Súmula 429 do STF: A existência de recurso administrativo com efeito suspensivo NÃO IMPEDE o uso do mandado de segurança contra omissão da autoridade.
Q260644 A pendência de apreciação de recurso administrativo interposto e recebido com efeito suspensivo impede a utilização das vias judiciárias para contestação do ato administrativo pendente de decisão.
 CORRETO. Considerou o Via de regra, mas gerou POLÊMICA porque está totalmente generalizada (está no sentido de que a pendencia impede utilizar a via judicial em qualquer caso).
DIREITO DE PETIÇÃO
Q773706 O direito de petição previsto constitucionalmente é meio de controle e instrumento hábil para provocar a atuação do controle administrativo estatal. 
Q675698 O direito de petição configura instrumento de controle administrativo: por meio dele, assegura-se a qualquer pessoa a defesa de direitos, individuais ou coletivos, bem como o direito de peticionar contra ilegalidade ou abuso de poder, perante autoridade administrativa competente de qualquer dos poderes constituídos.
CORRETO. Só um cuidado para não confundir direito de petição com os remédios constitucionais:
- Remédio constitucional é controle judicial (Inclui ação popular e ação civil pública)
- Direito de petição é controle administrativo (Inclui direito de revisão , petição , etc.)
Q436572 Qualquer pessoa poderá interpor reclamação contra ato de servidor público, independentemente de haver interesse direto no ato ou outras vias recursais à disposição.
FALSO. Aqui entra a diferença de nomenclatura. Se é RECLAMAR é porque tem interesse direto. Quando independe de haver interesse ou não se chama REPRESENTAR.
1) Representação: meio utilizado para denunciar irregularidades perante a Administração Pública. Quem representa não é a pessoa diretamente interessada, mas sim QUALQUER pessoa que tenha interesse de denunciar na condição de cidadão.
Pode ser feita perante à própria administração ou então a órgãos de controle como TC ou MP.
Q882075 No que concerne ao controle administrativo, o meio utilizado para denunciar irregularidades feitas na própria administração