Resumo Controle da Administração
28 pág.

Resumo Controle da Administração


DisciplinaDireito Administrativo I54.717 materiais994.029 seguidores
Pré-visualização6 páginas
é denominado representação. 
2) Reclamação: diferentemente da representação, na reclamação o recorrente é o interessado direto na revisão de ato que prejudica seu direito ou interesse.
É o ato pelo qual o administrado, seja particular ou servidor público, deduz uma pretensão perante a Administração Pública, visando obter o reconhecimento de um direito ou a correção de um ato que LHE cause lesão ou ameaça de lesão.
A CF Prevê modalidade de reclamação administrativa que pode ser proposta, perante o STF, depois de esgotadas as vias administrativas, quando a decisão proferida pela Administração Pública contrariar o enunciado de súmula vinculante. De acordo com o dispositivo constitucional, se a reclamação for julgada procedente, o Supremo Tribunal Federal anulará o ato administrativo ou cassará a decisão judicial impugnada determinando que outra seja proferida com ou sem aplicação da súmula, conforme o caso.
 
3) Pedido de Reconsideração: pode ser comparada a uma reclamação, com a diferença de ser dirigida à mesma autoridade que praticou o ato prejudicial ao interessado. 
É aquele pelo qual o interessado requer o reexame do ato à própria autoridade que o emitiu
Ele NÃO suspende o prazo para interpor recurso e NÃO tem efeito suspensivo.
4) Revisão: por esse instrumento, o recorrente pede a reavaliação de decisão proferida em processo administrativo já encerrado, da qual tenha resultado aplicação de sanção. 
É imprescindível que haja FATOS NOVOS que possam conduzir a uma decisão diferente da anterior. 
É o recurso de que se utiliza o servidor público, punido pela Administração, para reexame da decisão, em caso de surgirem fatos novos suscetíveis de demonstrar a sua inocência.
Lei 9784 Art. 65. Os processos administrativos de que RESULTEM SANÇÕES poderão ser revistos, a qualquer tempo, a pedido ou de ofício, quando surgirem fatos novos ou circunstâncias relevantes suscetíveis de justificar a inadequação da sanção aplicada.
Parágrafo único. Da revisão do processo não poderá resultar agravamento da sanção.
5) Recurso Hierárquico: É o pedido de reexame de decisão dirigida à autoridade superior a que proferiu a decisão recorrida. Divide-se em próprios e impróprios. 
CUIDADO: Recurso SOMENTE PROVOCADO, só a revisão que pode ser de oficio.
Lei 9784: Art. 56. Das decisões administrativas cabe recurso, em face de razões de LEGALIDADE e de MÉRITO.
§ 1º O recurso será dirigido à autoridade que proferiu a decisão, a qual, se não a reconsiderar no prazo de 5 dias, o encaminhará à autoridade superior. 
Q821224 Diante de razões de legalidade e de mérito, cabe recurso de decisões administrativas, o qual deverá ser dirigido à autoridade superior àquela que tiver proferido a decisão.
FALSO. O recurso é dirigido à autoridade que proferiu a decisão.
Q792474 O recurso administrativo ilustra o chamado controle provocado, que se opõe ao controle de ofício, por ser deflagrado por terceiro.
5.1) Recurso Hierárquico PRÓPRIO: é dirigido à autoridade imediatamente superior, dentro do mesmo órgão em que o ato foi praticado. Ele é uma decorrência da hierarquia e, por isso mesmo, INDEPENDE de previsão legal. 
De acordo com a 9784 é dirigido à autoridade que proferiu a decisão, a qual, se não a reconsiderar no prazo de 5 dias, o encaminhará à autoridade superior. (Prazo para recorrer seria de 10 dias).
5.2) Recurso Hierárquico IMPRÓPRIO: é dirigido a autoridade de outro ÓRGÃO não integrado na mesma hierarquia daquele que proferiu o ato. Precisamente por isso é chamado impróprio. 
Não decorrendo da hierarquia, ele só é cabível se previsto EXPRESSAMENTE em lei. 
MAS CUIDADO: O impróprio vai para outro órgão ou outra PJ mas DENTRO DO MESMO PODER. 
É VEDADO no Brasil você interpor recurso em matéria de um poder em outro poder distinto.
Q590115 O recurso hierárquico impróprio consiste naquele dirigido a autoridade pertencente a órgão estranho àquele de onde se originou o ato impugnado.
Controle legislativo / Parlamentar
CUIDADO: O controle sobre as nomeações de magistrados (Executivo nomeia gente para o Judiciário) é um controle externo PRÉVIO.
Embora seja depois da indicação, ele é prévio no que tange à nomeação (ou seja, o cara só vai ser nomeado se o Legislativo aprovar PREVIAMENTE o seu nome na sabatina.
PODE MÉRITO?
I) A rigor a doutrina admite sim que em algumas moda lides do controle parlamentar abranja o mérito dos atos, principalmente no controle financeiro (economicidade por exemplo). 
II) Mas cuidado como a questão pergunta, pois se afirmar SECO, de maneira que o controle de mérito fosse sempre aceito É FALSO.
Q868675 O controle parlamentar caracteriza-se como um controle de mérito que visa apreciar a oportunidade ou a conveniência dos atos praticados pelo Poder Executivo
 FALSO. Por mais que possa fazer controle de mérito, não é \u201ctão amplo assim\u201d quanto a questão diz. Ele diz que ele É CARACTERIZADO pelo controle de mérito. Não é isso que caracteriza o poder parlamentar. 
Q589555 A possibilidade de criação de comissões parlamentares de inquérito constitui exemplo de controle legislativo da administração pública, permitindo que a Câmara dos Deputados e o Senado Federal, de forma autônoma ou em conjunto, investiguem condutas e apliquem penalidades aos responsáveis por atos ilegais.
FALSO. Note que estava TUDO CORRETO até ele dizer que CPI aplicaria penalidade. Ela vai fazer todo o controle externo e vai representar ao MP para que ele promova a responsabilidade.
Q675824 Exercerá controle do tipo legislativo determinada casa legislativa que anular ato executado por uma de suas unidades gestoras.
FALSO. CUIDADO: Se algum órgão do Poder Legislativo anula ou revoga um ato administrativo por ele mesmo praticado, isso não é exemplo de controle parlamentar, mas sim de controle administrativo, pois além de ser interno, aqui o órgão legislativo atua na função atípica administrativa.
CONCEITO: O controle que o Poder Legislativo exerce sobre a Administração Pública tem que se limitar às hipóteses previstas na constituição federal.
NÃO PODEM as legislações complementar ou ordinária e as Constituições estaduais prever outras modalidades de controle que não as constantes da Constituição Federal, sob pena de ofensa ao princípio da separação de Poderes
Q558541 Os casos de controle legislativo sobre o Poder Executivo devem estar dispostos na Constituição Federal, pois constituem exceções ao princípio constitucional da separação de poderes, razão pela qual não se admite a sua ampliação por legislação infraconstitucional.
PODE SER direto ou indireto (CESPE já cobrou)
1- DIRETO: Aquele que o próprio Congresso nacional, quando executa DIRETAMENTE, por meio de seus órgãos 
CPI, pedido de informação aos Ministros de Estado.
2- INDIRETO: Aquele que o Congresso executa com auxílio do TCU, é aquele controle externo da administração pública.
O controle legislativo abrange 2 tipos: Político e Financeiro 
Q913501 Administração pública sofre controle político e financeiro do poder legislativo.
CORRETO. 
1- Controle Político: O controle abrange aspectos ORA DE LEGALIDADE, ORA DE MÉRITO, apresentando-se, por isso mesmo, como de natureza política, já que vai apreciar as decisões administrativas sob o aspecto inclusive da discricionariedade, ou seja, da oportunidade e conveniência diante do interesse público
Exemplos:
- Competência exclusiva do CN para fiscalizar e controlar, diretamente, ou por qualquer de suas Casas, os atos do Poder Executivo, incluídos os da administração indireta.
- Q558921 A possibilidade de convocação, por qualquer das casas do Congresso Nacional, de titulares de órgãos subordinados à Presidência da República ilustra o controle político da administração pública, que abrange tanto aspectos de legalidade quanto de mérito.
- Apuração de irregularidades pelas CPI.
- Competência do Senado para processar e julgar PR/VICE/ (Ministro de Estado+ comandantes armada) se crime conexo com PR por crime de responsabilidade.
- Competência