Resumo lei de licitação 8666
120 pág.

Resumo lei de licitação 8666


DisciplinaDireito Administrativo I54.714 materiais993.992 seguidores
Pré-visualização29 páginas
E deverá ser feito ADITAMENTO caso seja prorrogado. 
E esse aditamento deve ser ANTES DE EXTINGUIR esse primeiro prazo de vigência. 
§ 3o  É vedado o contrato com prazo de vigência indeterminado.
Clausulas exorbitantes 
SÃO SÓ ESSAS 5 AQUI DE BAIXO
Q841790 CUIDADO a administração pode alterar o quantitativo dos objetos do contrato unilateralmente, mas NÃO PODE MUDAR O \u201cOBJETO\u201d do contrato não. 
O objeto é fixo.
Q839067 Essa outra questão fala da mesma coisa: Foi licitado um serviço X , a administração no meio do contrato queria adicionar um serviço Y : 
Viola o princípio da vinculação ao instrumento convocatório, pois caracterizaria alteração do objeto originalmente contratado por meio da licitação realizada\u201d
Art. 58.  O regime jurídico dos contratos administrativos instituído por esta Lei confere à Administração, em relação a eles, a prerrogativa de:
As prerrogativas conferidas pelo RJ dos contratos são:
1) A ADM pode modifica-los unilateralmente em alguns casos
2) A ADM pode rescindi-los unilateralmente em alguns casos
3) A ADM pode fiscalizar a execução dos contratos
4) A ADM pode aplicar sanções ao contratado
5) No caso de serviços essenciais, a ADM pode ocupar provisoriamente o objeto do contrato.
I - modificá-los, unilateralmente, para melhor adequação às finalidades de interesse público, respeitados os direitos do contratado;
§ 2o  Na hipótese do inciso I deste artigo, as cláusulas econômico-financeiras do contrato deverão ser revistas para que se mantenha o equilíbrio contratual.
As hipóteses que permite alteração unilateral são:
I - unilateralmente pela Administração:
a) quando houver modificação do projeto ou das especificações, para melhor adequação técnica aos seus objetivos;
b) quando necessária a modificação do valor contratual em decorrência de acréscimo ou diminuição quantitativa de seu objeto, nos limites permitidos por esta Lei;
II - rescindi-los, unilateralmente, nos casos especificados no inciso I do art. 79 desta Lei;
III - fiscalizar-lhes a execução;
IV - aplicar sanções motivadas pela inexecução total ou parcial do ajuste;
V - nos casos de serviços essenciais, ocupar provisoriamente bens móveis, imóveis, pessoal e serviços vinculados ao objeto do contrato, na hipótese da necessidade de acautelar apuração administrativa de faltas contratuais pelo contratado, bem como na hipótese de rescisão do contrato administrativo.
§ 1o  As cláusulas econômico-financeiras e monetárias dos contratos administrativos não poderão ser alteradas sem prévia concordância do contratado.
Nulidade do contrato
Art. 59.  A declaração de nulidade do contrato administrativo opera retroativamente impedindo os efeitos jurídicos que ele, ordinariamente, deveria produzir, além de desconstituir os já produzidos.
Opera EX TUNC.
Parágrafo único.  A nulidade não exonera a Administração do dever de indenizar o contratado pelo que este houver executado até a data em que ela for declarada e por outros prejuízos regularmente comprovados, contanto que não lhe seja imputável, promovendo-se a responsabilidade de quem lhe deu causa.
Contrato pequenas compras 
Parágrafo único.  É nulo e de nenhum efeito o contrato verbal com a Administração, salvo o de pequenas compras de pronto pagamento, assim entendidas aquelas de valor não superior a 5% do limite estabelecido no art. 23, inciso II, alínea "a" desta Lei, feitas em regime de adiantamento.
Pequena compra de pronto pagamento e feitas em regime de adiantamento.
5% de 80.000 = 4.000 (Agora é 5% DE 176K = 8.800)
Q560314 No âmbito dos contratos públicos, assim como ocorre na esfera civil, a contratação do particular poderá ser feita verbalmente, não havendo necessidade de se formalizar a relação por meio de contrato administrativo
FALSO. Aqui gerou polemica, pois o \u201cpoderá\u201d abre a margem para a exceção, mas pelo \u201cconjunta da assertiva\u201d dá a entender que a questão nos diz que seria AMPLAMENTE aceito o contrato verbal (fala que \u201cpoderá ser feita verbalmente, não havendo necessidade\u201d dá a entender que em QUALQUER CASO seria aceito).
Q544382 No âmbito da contratação pública, assim como ocorre na esfera civil, a contratação do particular poderá ocorrer verbalmente, sem a necessidade, em determinadas hipóteses, de formalizá-la por meio de contrato administrativo
CORRETO. Note que parece ser uma questão \u201cdo mesmo lote\u201d da anterior. E essa foi dada CORRETO, mas note a sutileza \u2013 aqui ele insere o \u201cem determinadas hipóteses\u201d para dar a impressão de que não é regra e sim exceção. 
I) De fato , em certas hipóteses , podemos ter contratos verbais.
Publicação do extrato e aditamentos
Parágrafo único. A publicação resumida do instrumento de contrato ou de seus aditamentos na imprensa oficial, que é condição indispensável para sua eficácia, será providenciada pela Administração até o 5º dia útil do mês seguinte ao de sua assinatura, para ocorrer no prazo de 20 dias daquela data, qualquer que seja o seu valor, ainda que sem ônus, ressalvado o disposto no art. 26 desta Lei.
FCC ama esse artigo, ela chama essa publicação resumida de \u201cpublicar o extrato do contrato no diário oficial\u201d
Note que TANTO o extrato do contrato (logo após ele ser celebrado) quanto seus aditamentos no curso de vigência, AMBOS serão obrigatoriamente publicados no diário oficial , como condição de EFICÁCIA.
- A publicação na imprensa oficial funciona como condição suspensiva da eficácia do contrato (enquanto não publicado, o contrato não produz efeitos, não é eficaz). 
CUIDADO: Essa publicação é condição de eficácia (E NÃO VALIDADE) e satisfazer o princípio da publicidade
A publicação resumida do contrato no diário oficial é condição de eficácia e expressão do princípio da publicidade, dando início à produção de efeitos, salvo, por exemplo, previsão de alguma condição suspensiva, permitindo a todos os administrados o conhecimento do negócio jurídico celebrado. 
CUIDADO: Não tem nada a ver com condição de VALIDADE. Validade é meramente jurídica, ou seja, se o negócio jurídico (contrato) é válido, ou seja , se foi celebrado corretamente , etc.
Art. 60.  Os contratos e seus aditamentos serão lavrados nas repartições interessadas, as quais manterão arquivo cronológico dos seus autógrafos e registro sistemático do seu extrato, salvo os relativos a direitos reais sobre imóveis, que se formalizam por instrumento lavrado em cartório de notas, de tudo juntando-se cópia no processo que lhe deu origem.
Instrumento de contrato 
Art. 62.  O instrumento de contrato é obrigatório nos casos de concorrência e de tomada de preços, bem como nas dispensas e inexigibilidades cujos preços estejam compreendidos nos limites destas duas modalidades de licitação, e facultativo nos demais em que a Administração puder substituí-lo por outros instrumentos hábeis, tais como carta-contrato, nota de empenho de despesa, autorização de compra ou ordem de execução de serviço.
Obrigatório sempre:
- Concorrência
- TP 
- dispensas e inexigibilidades dentro dos limites de concorrência e TP
Q650577 Na contratação direta de serviço de engenharia por dispensa ou inexigibilidade de licitação, se o valor da contratação for inferior a R$ 150.000,00, o instrumento de contrato não será obrigatório.
CORRETO. Note que a lei diz que instrumento de contrato é obrigatório em Concorrência / TP / Dispensas e inexigibilidades no limite das duas.
I) No caso de serviço de engenharia, o limite do CONVITE é 150k , logo , estamos fora da regra que é obrigatório , sendo , portanto , facultativo o instrumento do contrato.
§ 4º  É dispensável o "termo de contrato" e facultada a substituição prevista neste artigo, a critério da Administração e independentemente de seu valor, nos casos de compra com entrega imediata e integral dos bens adquiridos, dos quais não resultem obrigações futuras, inclusive assistência técnica.
Nessas compras, NÃO PRECISA MESMO ter termo de contrato, e a administração pode ou não substituir ele por outro instrumento.