Resumo lei 8112
134 pág.

Resumo lei 8112


DisciplinaDireito Administrativo I54.724 materiais994.353 seguidores
Pré-visualização27 páginas
acumuláveis. 
I) É nomeado para um terceiro cargo em comissão 
II) Via de regra vai deixar os 2 cargos efetivos, salvo se tiver compatibilidade de HORÁRIO E LOCAL.
III) Ai vai poder acumular SOMENTE 1 efetivo e 1 em comissão.
Q555286 A acumulação lícita de um cargo efetivo com um cargo comissionado é possível, desde que declarada a compatibilidade de horário e local do exercício de ambos os cargos.
CORRETO. É possível acumular cargo efetivo + cargo em comissão!
I) Note que a lei não diz expressamente isso, mas esse artigo aqui permite que se acumule o cargo efetivo + cargo em comissão no caso de haver compatibilidade de local e horário entre eles.
Q621675 O servidor que acumular licitamente dois cargos efetivos poderá ser investido em um terceiro cargo, em comissão, se houver compatibilidade de horários.
FALSO. Embora ele possa ser nomeado para o terceiro sim, ser investido não poderá.
I) Ele no máximo pode permanecer investido em 1 cargo em comissão e 1 cargo efetivo , caso haja compatibilidade de horário e local entre eles.
Responsabilidades do servidor
Q377391 O servidor que, por descumprimento de seus deveres funcionais, causar dano ao erário, ficará obrigado ao ressarcimento, em ação regressiva. 
FALSO. Por mais que ele vá ressarcir SIM o dano, neste caos não existe ação regressiva , porque o Estado já vai cobrar direto dele (não tem um terceiro na jogada , naquele caso de o terceiro cobra o Estado , o Estado paga e depois cobra o Servidor regressivamente).
Q548098 Mesmo absolvido no processo administrativo disciplinar, a superveniente condenação de Marcos no processo criminal acarretará a perda de seu cargo público, independentemente da natureza da infração.
FALSO. Tem uma solução dessa questão pela própria lei: note que em nenhum momento a lei 8.112 condiciona uma possível condenação em processo penal a uma hipótese de demissão. Tem alguns ilícios que podem ser puníveis penalmente que ensejam demissão, como a corrupção, mas não podemos generalizar e dizer que todo processo penal ocasiona demissão.
Falaram que no código penal que normatiza isso, ele só perderá quando:
a) quando aplicada pena privativa de liberdade por tempo igual ou superior a um ano, nos crimes praticados com abuso de poder ou violação de dever para com a Administração Pública; 
b) quando for aplicada pena privativa de liberdade por tempo superior a 4 anos nos demais casos.
Q577419 Servidores públicos responderão pessoalmente por danos causados a terceiros em decorrência de ato comissivo doloso praticado no desempenho do cargo.
CORRETO. Aqui gerou polêmica pois a redação é ambígua. Dá a entender que só o servidor responde, e responde diretamente.
I) Mas de fato, após a responsabilização objetiva do Estado, o servidor responderá subjetivamente (pessoalmente) pelos danos causados. 
Art. 121.  O servidor responde civil, penal e administrativamente pelo exercício irregular de suas atribuições.
Q524299 O servidor deve responder em âmbito civil, penal e administrativo pelas irregularidades por ele cometidas durante o exercício de sua função.
FALSO. Não é que ele DEVE SEMPRE responder nas três esferas, mas ele pode responder nas três esferas pelo exercício de sua função. Mas nem sempre um ato que configura infração administrativa será um crime.
Q825682 Em TODAS as 3 esferas o servidor pode ser responsabilizado mesmo se o ato for comisso.
Art. 122.  A responsabilidade CIVIL decorre de ato omissivo ou comissivo, doloso ou culposo, que resulte em prejuízo ao erário ou a terceiros.
Responsabilidade Subjetiva já que depende de dolo ou culpa. 
§ 1o A indenização de prejuízo dolosamente causado ao erário somente será liquidada na forma prevista no art. 46, na falta de outros bens que assegurem a execução do débito pela via judicial.
§ 2o Tratando-se de dano causado a terceiros, responderá o servidor perante a Fazenda Pública, em ação regressiva.
§ 3o A obrigação de reparar o dano estende-se aos sucessores e contra eles será executada, até o limite do valor da herança recebida.
Art. 123.  A responsabilidade PENAL abrange os crimes e contravenções imputadas ao servidor, nessa qualidade.
PDF do estratégia: condenação PENAL enseja responsabilização civil e administrativa pelo mesmo fato.
É obrigatório se a PENAL julgar culpado.
Art. 124.  A Responsabilidade CIVIL-ADMINISTRATIVA resulta de ato omissivo ou comissivo praticado no desempenho do cargo ou função.
Note que na civil-administrativa NADA se fala de dolo ou culpa.
Art. 125.  As sanções civis, penais e administrativas poderão cumular-se, sendo independentes entre si.
Art. 126.  A responsabilidade administrativa do servidor será afastada no caso de absolvição criminal que negue a EXISTÊNCIA do fato ou sua AUTORIA.
SIMULADO do GRAN disse que afasta a civil também.
\u201d No entanto, a absolvição penal por negativa de autoria interfere nas esferas civil e administrativa, hipótese que serão afastadas\u201d
Q581689 O INVERSO NÃO VALE! Se absolver na administrativa, não vai vincular a penal não.
Q351627 Um dos efeitos da absolvição do servidor por negativa de autoria, em processo penal relativo a fato objeto também de processo administrativo, consiste na extinção do processo administrativo. 
CORRETO.
Q548099 A sentença penal absolutória que conclui que o fato imputado a Marcos não configura crime repercutirá, necessariamente, no processo administrativo disciplinar contra ele instaurado para, igualmente, absolvê-lo.
FALSO. O fato não configurar crime não é nenhuma das duas hipóteses de afastamento: negar a autoria ou negar o fato.
Q387978 A decisão absolutória na esfera penal repercute na esfera administrativa para isentar o servidor de responsabilização disciplinar
FALSO. Se falar SECO não repercute não, só se ele mencionar as exceções. 
Q456650 Caso servidora pública seja denunciada pela prática de determinado crime, mas seja reconhecida a atipicidade da conduta em sentença penal absolutória transitada em julgado, ainda assim, a administração pública, no uso do poder disciplinar, poderá punir a servidora na esfera administrativa, pelos mesmos fatos, se houver falta residual.
CORRETO. É justamente o caso da falta residual.
Súmula 18 STF: Pela falta residual, não compreendida na absolvição pelo juízo criminal, é admissível a punição administrativa do servidor público.
Q849285 A absolvição criminal fundada na inocorrência de crime impede a imposição de penalidade em sede do procedimento administrativo disciplinar. 
FALSA. Ela pedia EXPLICITAMENTE DE ACORDO COM A JURISPRUDÊNCIA dos tribunais, nesse caso , mesmo absolvido , pode haver falta residual e o servidor ser punido em sede de PAD).
Art. 126-A. NENHUM SERVIDOR PODERÁ ser responsabilizado CIVIL, PENAL OU ADMINISTRATIVAMENTE por dar ciência à autoridade superior ou, quando houver suspeita de envolvimento desta, a outra autoridade competente para apuração de informação concernente à prática de crimes ou improbidade de que tenha conhecimento, ainda que em decorrência do exercício de cargo, emprego ou função pública
Q622056 E mesmo que reste comprovado a inexistência de infração pela autoridade denunciada, ele NÃO SERÁ responsabilizado. 
Penalidades
Q853867 Situação hipotética: Em 2015, Mateus, servidor público, na presença de vários outros servidores, insubordinou-se gravemente em serviço. Assertiva: Nessa situação, Mateus poderá ser demitido do serviço público e a ação disciplinar relativa a esse fato prescreverá em 2020; no entanto, a instauração de processo disciplinar interromperá a prescrição daquela ação até a decisão final a ser proferida pela autoridade competente.
CORRETO. Note que ele diz \u201cpoderá ser demitido\u201d, abrindo margem para dupla interpretação.
I) Geralmente não precisa passar o pente fino na questão de a punição ser DEVER. Aqui o \u201cpoderá\u201d é no sentido de que ele está sujeito a penalidade de demissão, o que de fato está.
Contou uma historinha de que o cara apresentou diploma falso para tomar posse,
João Paulo
João Paulo fez um comentário
muito bom
0 aprovações
Carregar mais