Resumo lei processo administrativo federal 9784
45 pág.

Resumo lei processo administrativo federal 9784


DisciplinaDireito Administrativo I54.603 materiais991.853 seguidores
Pré-visualização8 páginas
desta Lei.
Q390759 Na ausência de legislação local específica, os demais entes da Federação devem aplicar as normas previstas na lei federal, que regula o processo administrativo no âmbito da administração pública federal direta e indireta.
Foi dada CORRETA. Mas é muito polemica, a decisão do STJ disse que os demais antes PODERIAM aplicar a lei federal sem problemas.
STJ: 10. A Lei 9.784/99 PODE SER APLICADA de forma subsidiária no âmbito dos demais Estados-Membros, se ausente lei própria regulando o processo administrativo no âmbito local. Precedentes do STJ.
Q605910 As normas da lei em apreço não podem ser aplicadas de forma subsidiária no âmbito dos estados-membros, porque disciplinam o processo administrativo apenas no âmbito da administração pública federal.
FALSO. STJ diz que elas podem se aplicar de maneira subsidiária sim , no caso de os entes não possuírem legislação sobre processo administrativo de âmbito local. 
Q544441 É obrigatório que os procedimentos administrativos que ocorrem no âmbito dos órgãos da administração direta e indireta dos poderes executivos da União, dos estados, do DF e dos municípios sejam regulados pela Lei Federal n.º 9.784/1999.
FALSO. Tem dois erros:
I) Primeiro que a obrigatoriedade é somente para a esfera FEDERAL. 
II) Segundo que os processos que já possuíam , ou vierem a possuir legislação especifica sobre o seu processo , já não precisarão adotar obrigatoriamente a 9.784.
Q353959 As disposições da referida lei aplicam-se aos órgãos e às entidades que integram o Poder Executivo federal, mas não aos órgãos dos poderes Legislativo e Judiciário, que dispõem de disciplina própria relativamente aos processos de natureza administrativa
FALSO. A própria 9784 JÁ FAZ essa ressalva dizendo que pode se aplicar quando eles estiverem desempenhando função administrativa. 
Definições
§ 2o Para os fins desta Lei, consideram-se:
I - órgão - a unidade de atuação integrante da estrutura da Administração direta e da estrutura da Administração indireta;
II - entidade - a unidade de atuação dotada de personalidade jurídica;
III - autoridade - o servidor ou agente público dotado de poder de decisão.
Princípios da ADM 
Q409812 Os princípios da legalidade e da finalidade, que norteiam os processos administrativos federais, estão intimamente ligados, uma vez que a finalidade de qualquer ato deve estar prevista explícita ou implicitamente na lei.
Art. 2o A Administração Pública obedecerá, dentre outros, aos princípios da legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade, proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditório, segurança jurídica, interesse público e eficiência.
Q650206 Publicidade e Impessoalidade NÃO SÃO EXPLÍCITOS.
S / e / ra / f / a / c/ i / l / pro / mo / mo 
Segurança Jurídica 
Eficiência
Razoabilidade
Finalidade
Ampla Defesa
Contraditório
Interesse Público 
Legalidade
Proporcionalidade
Moralidade
Motivação 
Parágrafo único. Nos processos administrativos serão observados, entre outros, os critérios de:
I - atuação conforme a lei e o Direito; 
Legalidade
II - atendimento a fins de interesse geral, vedada a renúncia total ou parcial de poderes ou competências, SALVO AUTORIZAÇÃO EM LEI; 
Muito provavelmente foi daqui que o CESPE tirou a questão de 2018 dizendo eu a competência poderia ser renunciada. 
III - objetividade no atendimento do interesse público, vedada a promoção pessoal de agentes ou autoridades; 
Impessoalidade
IV - atuação segundo padrões éticos de probidade, decoro e boa-fé; 
Moralidade
V - divulgação oficial dos atos administrativos, RESSALVADAS as hipóteses de sigilo previstas na Constituição;
Q308642 De acordo com a Lei n. o 9.784/1999, todos os atos administrativos relativos a processos administrativos devem ser divulgados oficialmente. 
FALSO. Temos as ressalvas de sigilo.
VI - adequação entre meios e fins, vedada a imposição de obrigações, restrições e sanções em medida superior àquelas estritamente necessárias ao atendimento do interesse público; 
Razoabilidade
VII - indicação dos pressupostos de fato E de direito que determinarem a decisão; 
Motivação
VIII \u2013 observância das formalidades essenciais à garantia dos direitos dos administrados;
IX - adoção de formas SIMPLES, suficientes para propiciar adequado grau de certeza, segurança e respeito aos direitos dos administrados;
X - garantia dos direitos à comunicação, à apresentação de alegações finais, à produção de provas e à interposição de recursos, nos processos de que possam resultar sanções e nas situações de litígio;
SV 3 STF: Nos processos perante o Tribunal de Contas da União asseguram-se o contraditório e a ampla defesa quando da decisão puder resultar anulação ou revogação de ato administrativo que beneficie o interessado, excetuada a apreciação da legalidade do ato de concessão inicial de aposentadoria, reforma e pensão
Q346812 Em todos os processos administrativos, são garantidos aos interessados os direitos à comunicação, à apresentação de alegações finais, à produção de provas e à interposição de recursos. 
FALSO. Não é em todos e sim somente naqueles que possam resultar sanções ou situações de litigio.
Q371053 O processo administrativo caracteriza-se como não litigioso quando não apresenta conflito de interesses entre o Estado e um particular, a exemplo da sindicância administrativa
CORRETO. E nos processos não litigiosos veja que a 9.784 não obriga que seja respeitado o contraditório e a ampla defesa.
Q371053 O princípio do contraditório e da ampla defesa tem aplicação absoluta no processo administrativo, devendo ser observado nos processos administrativos litigiosos e nos não litigiosos
FALSO. Esse inciso explica que somente quando puder resultar sanção ou em litigio é que seria obrigatório conceder o contraditório e a ampla DEFESA. 
XI - proibição de cobrança de despesas processuais, ressalvadas as previstas em lei;
CUIDADO: Esse ressalvadas as previstas em lei CONTINUA VALENDO SIM. 
O lance que deu a confusão foi a sumula do STF , que apenas vedou o depósito recursal prévio. As despesas previstas em lei podem sim ser cobradas.
Súmula Vinculante 21 do STF: É inconstitucional a exigência de depósito ou arrolamento prévios de dinheiro ou bens para admissibilidade de recurso administrativo
Q326376 O princípio da gratuidade aplica-se a todo e qualquer processo administrativo
FALSO. Não é sempre gratuito não, o STF só veda o deposito recursal, e a 9784 admite a cobrança de despesas QUE ESTEJAM ressalvadas em lei.
Q387831 Em processo administrativo NÃO SE APLICA SUCUMBÊNCIA.
XII - impulsão, de ofício, do processo administrativo, sem prejuízo da atuação dos interessados; 
Princípio da OFICIALIDADE: contrário ao princípio da inércia do poder judiciário.
XIII - interpretação da norma administrativa da forma que melhor garanta o atendimento do fim público a que se dirige, VEDADA aplicação retroativa de nova interpretação.
Cuidado que a CF permite que a lei PENAL (somente ela) retroaja para beneficiar o réu.
Q403624 Desde que garantidos os princípios do contraditório e da ampla defesa, a autoridade poderá decidir pela aplicação retroativa de nova interpretação a norma administrativa se essa interpretação melhor garantir o atendimento do fim público a que se dirige.
FALSO. NÃO TEM EXCEÇÃO!
Direitos dos administrados
Art. 3o O administrado tem os seguintes DIREITOS perante a Administração, sem prejuízo de outros que lhe sejam assegurados:
I - ser tratado com respeito pelas autoridades e servidores, que deverão facilitar o exercício de seus direitos e o cumprimento de suas obrigações;
II - ter ciência da tramitação dos processos administrativos em que tenha a condição de interessado, ter vista dos autos, obter cópias de documentos neles contidos e conhecer as decisões proferidas;
Q346812 O administrado tem, perante a administração, o direito de ter ciência da tramitação dos processos administrativos. 
Deu FALSO. Pois ele não tem direito de ter ciência