Resumo Atos administrativos
54 pág.

Resumo Atos administrativos


DisciplinaDireito Administrativo I54.723 materiais994.285 seguidores
Pré-visualização13 páginas
Administração pública (ofício ou provocada) ou Poder Judiciário (somente provocado). 
- EFEITOS: Ex Tunc (efeito para o passado ), PRESERVANDO direitos de terceiros de boa-fé (teoria da aparência)
- PRAZOS: Se beneficiou terceiros tem prazo de 5 anos, salvo comprovada má fé do interessado.
Convalidação de atos anuláveis:
 
Q768290 Situação hipotética: Antônio, servidor que ingressou no serviço público mediante um ato nulo, emitiu uma certidão negativa de tributos para João. Na semana seguinte, Antônio foi exonerado em função da nulidade do ato que o vinculou à administração. Assertiva: Nessa situação, a certidão emitida por Antônio continuará válida. 
CORRETO. 
I) Pela teoria da aparência, por ser funcionário de fato (e não usurpador) podemos dizer que o ato praticado perante terceiros de boa-fé será considerado válido
Q647295 A convalidação é o suprimento da invalidade de um ato com efeitos retroativos.
CORRETO. Sempre cai ISSO! Convalidar opera EX-TUNC.
(CESPE - MPE/PI - 2012) Quando o vício do ato administrativo atinge o motivo e a finalidade, não é possível a sua convalidação. 
CORRETO. Só para garantir (e ter certeza que não tem nenhuma doutrina do Carvalho Filho falando algo divergente).
I) Sanável via de regra comente Competência ou Forma. 
CONVALIDAR É VINCULADO OU DISCRICIONÁRIO?
LEVAR PARA A PROVA: Falou de convalidação, tanto sendo discricionário ou vinculado, se o resto todo da questão estiver redondinho, pode marcar qualquer um dos dois.
I) Mas o 100% correto, se ele perguntar sobre a 9784, diz que é DISCRICIONÁRIO, pois lá diz que a ADM \u201cpoderá\u201d convalidar os seus atos.
Q606731 Situação hipotética: Um técnico judiciário do TRE/PI assinou e encaminhou para publicação uma portaria de concessão de licença para capacitação de um analista judiciário pertencente ao quadro de servidores do tribunal. O ato de concessão da licença é de competência não exclusiva do presidente do tribunal Assertiva: Caso não seja verificada lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, o ato deverá ser convalidado
 CORRETO. Era múltipla escolha (eu que adaptei ela).
I) Problemática: Tem uma problemática imensa sobre a convalidação, se seria obrigatório ou facultativo. Note que aqui a redação veio no sentido de convalidar é OBRIGATÓRIO. 
Q392211 Caso determinado servidor, no exercício de sua competência delegada, edite ato com vício sanável, a autoridade delegante poderá avocar a competência e convalidar o ato administrativo, independentemente da edição de novo ato normativo
CORRETO. Cespe tem dado essas questões AMPLAS como correto sempre. 
I) Note que ele diz \u201cPODERÁ\u201d. Mas podemos pensar em casos que não poderia, como não haver hierarquia entre as duas pessoas, portanto não haveria que se falar em poder de avocação. 
Q637728 O ato praticado por agente não competente para fazê-lo poderá ser convalidado discricionariamente pela autoridade competente para sua prática, caso em que ficará sanado o vício de incompetência.
CORRETO. 
I) Note que aqui a banca adotou o posicionamento da convalidar ser discricionário.
Q606731 Situação hipotética: Um técnico judiciário do TRE/PI assinou e encaminhou para publicação uma portaria de concessão de licença para capacitação de um analista judiciário pertencente ao quadro de servidores do tribunal. O ato de concessão da licença é de competência não exclusiva do presidente do tribunal Assertiva: Caso não seja verificada lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, o ato deverá ser convalidado
Era múltipla escolha (eu que adaptei ela), e essa foi dada CORRETO. 
I) A situação da questão não disse se o servidor recebeu da delegação ou não, então vamos pressupor que eles não recebeu a delegação e praticou o ato \u2013 temos vicio de competência mas que pode ser convalidado.
II) Note que aqui ele usa um verbo que dá a parecer que convalidar seria VINCULADO, mesmo assim foi CORRETO.
Convalidar é corrigir um vício que nasceu com o ato, aproveitando os efeitos que foram produzidos pelo ato. 
Convalidar tem efeito Ex Tunc (pois ele corrige o vício do passado).
Só se convalida vicio em Competência (desde que não seja exclusiva) ou forma (desde que não seja essencial para a validade do ato).
Tem doutrinador que diz que VICIO NO OBJETO também pode ser convalidado, desde que o objeto seja plúrimo.
Requisitos para convalidação: 
1- Não causar prejuízo a terceiros 
2- Não causar lesão ao interesse público 
3- Ser um vício sanável 
Obs.: Vicio de finalidade, motivo e objeto gera um ato NULO, ENTÃO NÃO É PASSÍVEL DE CONVALIDAÇÃO.
Obs.: Existe um instituto chamado CONVERSÃO, que seria meio que \u201cconvalidação\u201d de um ato nulo. Note que ato NULO NUNCA PODERÁ ser convalidado, ele pode ser convertido, que seria \u201ctrazendo, quando possível, efeitos retroativos, sanando o vício de ato antecedente, transformando-o em ato distinto, de diferente categoria tipológica
Teoria das aparências: Se um ato nasceu viciado, mas beneficiou um terceiro de boa-fé, logo a anulação do ato não poderá retroagir e prejudicar os direitos adquiridos deste terceiro.
FORMAS DE CONVALIDAÇÃO:
1- Ratificação (Celso Antônio): convalidação realizada pela PRÓPRIA autoridade que emanou o ato viciado;
Q874906 É possível a convalidação do ato administrativo vinculado que contenha vício relativo à competência, desde que não se trate de competência exclusiva, hipótese em que ocorre a ratificação, e não a convalidação.
CORRETO. Na hipótese de competência exclusiva, só temos a alternativa de que a própria autoridade convalide o ato, tratando-se de uma ratificação. 
2- Confirmação (Celso Antônio): convalidação realizada por OUTRA AUTORIDADE, que não aquela que emanou o ato viciado;
3- Reforma (José dos Santos Carvalho Filho)
Sobre a reforma: a reforma constitui instituto comentado por José dos Santos Carvalho Filho (Manual de Direito Administrativo, 26ª edição, 2013, p. 166), e corresponde à hipótese de convalidação de ato administrativo de objeto plúrimo (mais de uma providência no mesmo ato), em que uma parte do ato está correta e a outra não. 
Suprime-se, simplesmente, a parte viciada, mantendo-se o ato quanto à parcela que não apresenta defeitos
4- Conversão (Vicente Paulo e Marcelo Alexandrino).
5- Saneamento \u2013 convalidada que resulta de um ato particular afetado.
NUNCA PODE CONVALIDAR:
1- Impugnação do ato: quando o ato é impugnado, não há de falar mais em convalidação. Exceção: motivação tardia do ato administrativo.
2- Decurso do tempo: se a lei estabelecer um prazo para a anulação administrativa, na medida em que ocorrer a expiração deste prazo o ato não poderá ser convalidado.
Espécies de atos administrativos: (N O N E P):
1- ATOS NORMATIVOS: Aquele que visa o detalhamento de uma lei. Estabelecem normais gerais e abstratas, para todos aqueles que se enquadrarem nas suas hipóteses. Tais atos não têm destinatários determinados; incidem sobre todos os fatos ou situações que se enquadrem nas hipóteses que abstratamente preveem. 
Possuem conteúdo análogo ao das leis - são "lei em sentido material". 
A principal diferença - além do aspecto formal - é que os atos administrativos normativos não podem inovar o ordenamento jurídico, criando para os administrados direitos ou obrigações que não se encontrem previamente estabelecidos em uma lei.
Os atos administrativos normativos não podem ser atacados pelos administrados diretamente, em tese, mediante recursos administrativos ou mesmo na esfera judicial. 
Um ato administrativo normativo pode ser impugnado mediante ação direta de inconstitucionalidade, pelos órgãos e autoridades constitucionalmente legitimados, desde que sejam atendidos os pressupostos dessa ação.
Exemplos: 
Deliberação
Instrução normativa
Regimento
Decreto regulamentar 
Resolução
Portarias NORMATIVAS. Mas se não falar nada, Portaria é ordinatório.
2- ATOS ORDINATÓRIOS: Visam disciplinar como vai funcionar a administração e a conduta de seus servidores. 
Os atos ordinatórios