Resumo Atos administrativos
54 pág.

Resumo Atos administrativos


DisciplinaDireito Administrativo I54.718 materiais994.040 seguidores
Pré-visualização13 páginas
Brasileiro não existe a repristinação tácita (voltar o primeiro revogado automaticamente) , só existe REPRISTINAÇÃO EXPRESSA: Ou seja , depois que \u201crevogar quem revogou\u201d , o primeiro só vai ter eficácia SE ESSE ÚLTIMO ATO REPRISTINADOR EXPRESSAMENTE PREVER.
Q591124 O fenômeno da tredestinação lícita se aplica a atos administrativos de desapropriação, quando a finalidade específica é alterada, mas mantém-se a finalidade genérica, de modo que o interesse público continue a ser atendido.
Q846937 A confirmação, que somente é possível quando não há prejuízo para terceiros, implica a renúncia da administração ao poder de anular ato ilegal. 
ATOS E PRINCÍPIOS:
Q275083 A legalidade do ato praticado pelo agente público pode subsistir ainda que não exista lei prévia que autorize a sua prática.
FALSO. Não há ato legal que não seja pautado na lei. Se a lei não autoriza o ato, não há que se falar em ato legal.
Q501933 A pretexto de atuar eficientemente, é possível que a administração pratique atos não previstos na legislação.
FALSO. \u201cA prática de ato não previsto em lei, ainda que a pretexto de atender ao postulado da eficiência, constitui violação da ordem jurídica, sendo tal ato, portanto, passível de invalidação.\u201d 
I) Ou seja, o princípio da eficiência não se sobrepõe ao princípio da legalidade. 
Q273801 Em decorrência da aplicação do princípio da legalidade, não se permite à administração pública, por mero ato administrativo, a concessão de direitos, a criação de obrigações ou a imposição de vedações aos administrados, visto que, para tanto, depende- se de lei.
CORRETO. Eu já vi isso em outra questão do CESPE de múltipla escolha também. Ambas afirmam que atos não podem IMPOR obrigações ou vedações ou administrados. 
I) Muito por causa do Art. 5º da CF que diz que ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer algo senão em virtude DE LEI.
Q606714 Dado o princípio da impessoalidade, em nenhuma hipótese, será considerado válido ato fundado em interesses pessoais.
FALSO. Note que os atos de remoção a pedido por exemplo são atos fundamentos EXCLUSIVAMENTE em interesses PESSOAIS (não há qualquer interesse público em conceder a remoção) e mesmo assim pode ser concedida. 
I) O que é SEMPRE VEDADO é praticar um ato com finalidade DIVERSA do que ele deveria ter.
Introdução 
ATO ADMINISTRATIVO X ATO JURÍDICO:
Tem muita coisa divergente na doutrina, uns dizem que são fundamentalmente a mesma coisa , diferindo em pequenos detalhes , outros dizem que existem distinções relevantes. 
Os atos administrativos enquadram-se na categoria dos atos jurídicos. Logo, são manifestações humanas, e não meros fenômenos da natureza. Ademais, são sempre manifestações unilaterais de vontade (...). O que peculiariza os atos administrativos no âmbito do gênero 'atos jurídicos', entretanto, é o fato de serem manifestações ou declarações da administração pública, agindo nesta qualidade, ou de particulares que estejam exercendo prerrogativas públicas.
(Hely Lopes) O conceito de ato administrativo É FUNDAMENTALMENTE O MESMO do ato jurídico, do qual se diferencia como uma categoria informada pela finalidade pública. Segundo a lei civil, é ato jurídico todo aquele que tenha por fim imediato adquirir, resguardar, transferir, modificar ou extinguir direitos (CC, art. 81). Partindo desta definição legal, podemos conceituar o ato administrativo com os mesmos elementos fornecidos pela Teoria Geral do Direito, acrescentando-se, apenas, a finalidade pública que é própria da espécie e distinta do gênero ato jurídico, como acentuam os administrativistas mais autorizados." 
Atos administrativos constituem uma espécie dentro do gênero ato jurídico. Todavia, os conceitos apresentam algumas distinções relevantes:
I) A primeira importante diferença repousa em que, nos atos administrativos, a declaração de vontade emana do Estado ou de particulares que lhe façam as vezes, eis que investidos de função pública. 
II) Daí deriva outra relevante diferença, qual seja, o regime jurídico de direito público, presente nos atos administrativos e ausente nos atos jurídicos em geral (de direito privado).
RESUMO:
1- Ato jurídico: é uma manifestação da vontade humana que produz efeitos jurídicos. É estudado no Direito Civil.
2- Ato administrativo é toda manifestação unilateral de vontade da Administração Pública. É estudado no Direito Administrativo.
Q326950 O conceito de ato administrativo não se confunde com o conceito legal de ato jurídico
Foi dada FALSO. (2013). Nem o professor aceitou, disse que o que justifica esse gabarito seria uma eventual passagem da doutrina do Hely Lopes , onde ele afirma que \u201cato administrativo e ato jurídico seriam fundamentalmente a mesma coisa\u201d. 
Q677768 O conceito de ato administrativo é praticamente o mesmo de ato jurídico, diferindo o primeiro do segundo por ser aquele uma categoria informada pela administração de áreas meio.
FALSO. (2016). Note que parece que essa questão , 3 anos depois , foi formulada com base na mesma passagem da doutrina do Hely Lopes. É somente ele que usa esse termo de \u201cser fundamentalmente igual\u201d. 
I) Mas a questão está falsa porque diz que a diferença seria que o ato administrativo seria somente para \u201cas áreas meio\u201d , o que não é verdade.
Q773057 Atos administrativos são uma espécie de atos Jurídico.
CORRETO. Nesta não tem problemática alguma, é pacífico que ato administrativo é uma espécie do gênero atos jurídicos. 
QUEM PRATICA OS ATOS? 
CESPE considera que até mesmo pessoas fora da administração pública praticam atos administrativos, desde que estes estejam fazendo as vezes da vontade pública.
Q478778 Existem atos administrativos produzidos por agentes de entidades que não integram a estrutura da administração pública, mas que nem por isso deixam de qualificar-se como tais, como no caso de certos atos praticados por concessionários e permissionários de serviços públicos, quando regidos pelo direito público
CORRETO.
Q327363 Atos praticados por concessionárias e permissionárias de serviços públicos, ainda que regidos pelo direito público, não podem ser qualificados como atos administrativos
FALSO. Podem sim, a questão de cima explica.
ATO ADMINISTRATIVO X ATO JURISDICIONAL X ATO DE GOVERNO
Q326948 A administração pratica atos de governo, pois constitui todo aparelhamento do Estado preordenado à realização de seus serviços, visando à satisfação das necessidades coletivas
FALSO. A administração pública, para o CESPE, NÃO PRATICA ATOS DE GOVERNO.
Hely Lopes: A Administração não pratica atos de governo; pratica, tão somente, atos de execução, com maior ou menor autonomia funcional, segundo a competência do órgão e de seus agentes
Q326953 Quando o juiz de direito prolata uma sentença, nada mais faz do que praticar um ato administrativo
FALSO. Atos do judiciário (como uma sentença) se chama ato JURISDICIONAL.
Q436489 A sanção do presidente da República é qualificada como ato administrativo em sentido estrito, ou seja, é uma manifestação de vontade da administração pública no exercício de prerrogativas públicas, cujo fim imediato é a produção de efeitos jurídicos determinados
FALSO. São atos políticos/de governo e não atos administrativos: 
\u201cpraticados com margem de discrição e diretamente em obediência à Constituição, no exercício de função puramente política, tais o indulto, a iniciativa de lei pelo Executivo, sua sanção ou veto(...)\u201d
ATO ADMINISTRATIVO X ATO DA ADMINISTRAÇÃO
CUIDADO: Nem todo ato praticado na função administrativo é um ato administrativo.
I) Os atos praticados na função administrativa são separados em dois grupos: ato da administração e atos administrativos.
II) SOMENTE PARTE dos atos praticados na função administrativa serão atos administrativos. 
Q855277 Os atos administrativos são aqueles praticados na função administrativa
FALSO. Pois existem atos que mesmo na função administrativa são meros atos \u201cda\u201d administração, e não atos propriamente administrativos.
RELEMBRANDO:
1- Usurpação