Resumo Princípios da administração pública
43 pág.

Resumo Princípios da administração pública


DisciplinaDireito Administrativo I54.716 materiais994.018 seguidores
Pré-visualização9 páginas
CESPE GOSTA DE COBRAR ESSES DOIS CASOS:
I) Se perguntar qual o princípio que limite o poder de anulação dos atos praticados pela administração é o da confiança legitima
II) Se perguntar qual princípio que está relacionado com o prazo prescricional de 5 anos para anulação dos atos praticados pela administração que beneficiaram terceiros de boa fé é a segurança jurídica.
Q882982 Embora sem previsão expressa no ordenamento jurídico brasileiro, o princípio da confiança relaciona-se à crença do administrado de que os atos administrativos serão lícitos e, portanto, seus efeitos serão mantidos e respeitados pela própria administração pública.
CORRETO. O princípio da confiança legítima não é expresso em nenhum lugar no ordenamento.
Q854501 Já vi duas vezes no CESPE: NÃO VIOLA o princípio da confiança legítima
I) Servidor foi nomeado POR FORÇA de uma decisão LIMINAR judicial. 
II) X anos depois a decisão liminar é reformada para PIOR , forçando a EXONERAÇÃO.
III) Isso é TOTALMENTE LEGAL, pois o servidor ao ser nomeado por uma decisão LIMINAR, assume o risco posterior de o julgado ser reformado, operando efeitos ex tunc. 
O candidato que toma posse em concurso público por força de decisão judicial PRECÁRIA assume o risco de posterior reforma desse julgado que, em razão do efeito \u201cex tunc\u201d, inviabiliza a aplicação da teoria do fato consumado em tais hipóteses. 
Informativo 600 do STJ: Não se pode cassar a aposentadoria do servidor que ingressou no serviço público por força de provimento judicial precário e se aposentou durante o processo, antes da decisão ser reformada. Sendo, portanto, válida por força da teoria do fato consumado.
Esse caso é diferente da nomeação e exoneração do servidor nomeado por liminar. Aqui é o servidor que foi nomeado por liminar , trabalhou e adquiriu sua aposentadoria. Ai após a aquisição da aposentadoria a decisão foi reformada para pior.
Neste caso , aplicamos a teoria do fato consumado \u2013 Ele CONTINUA tendo a sua aposentadoria valida , pois ele adquiriu esse direito legalmente (trabalhando).
Princípio do Contraditório e ampla defesa
1- O CONTRADITÓRIO diz respeito à comunicação dos atos dos processos, em tempo hábil à adoção de medidas do interesse das partes. Esse princípio deve ser respeitado em todos os processos, sejam eles judiciais ou administrativos.
2- A AMPLA DEFESA diz o respeito ao direito dos interessados, em processos administrativos, de se manifestarem antes da decisão, além de utilizarem de todos os meios de prova, desde que obtidas por meios lícitos.
Outro aspecto importante acerca da aplicabilidade do princípio da ampla defesa a processos administrativos é que não há a obrigatoriedade de defesa técnica (por advogado).
Duplo grau de jurisdição: 
- É CORRETO afirmar que existe o direito ao duplo grau de julgamento, na esfera administrativa, como parte da ampla defesa.
- É CORRETO afirmar que é assegurado direito a interpor recurso nos processos administrativos, como parte da ampla defesa.
Sumula vinculante 21: É inconstitucional exigência de depósito prévio ou caução como condição para a interposição de recursos administrativo.
Pois o depósito limitaria o direito de ampla defesa).
Princípio da segurança jurídica:
CF Art. 5º XXXVI - a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa julgada;
Lei 9784 XIII\u2013 interpretação da norma administrativa da forma que melhor garanta o atendimento do fim público a que se dirige, vedada aplicação retroativa de nova interpretação\u201d
O princípio da segurança jurídica é considerado como um dos subprincípios básicos do próprio conceito do Estado de Direito.
STF: O Supremo Tribunal Federal entende que a segurança jurídica é também princípio constitucional na posição de subprincípio do Estado de Direito
CESPE: mesmo presente o interesse público, É VEDADO aplicação retroativa da lei MESMO ASSIM.
DECORRÊNCIA DO PRINCÍPIO DA SEGURANÇA JURÍDICA:
Q606708 Quando uma autoridade NÃO PODE MAIS anular um ato que favoreceu um terceiro de boa- fé por ter passado os 5 anos da lei 9784.
Isso é expressão do princípio da SEGURANÇA JURÍDICA!
Da segurança jurídica decorrem todas as demais situações em que se veda a aplicação retroativa de nova norma administrativa, conforme se observa, por exemplo, da:
Súmula n. 249 do TCU: É dispensada a reposição de importâncias indevidamente percebidas, de boa-fé, por servidores ativos e inativos, e pensionistas, em virtude de erro escusável de interpretação de lei por parte do órgão/entidade, ou por parte de autoridade legalmente investida em função de orientação e supervisão, à vista da presunção de legalidade do ato administrativo e do caráter alimentar das parcelas salariais.
STJ REsp 1.244.182: Não é possível exigir a devolução ao erário dos valores recebidos de boa-fé pelo servidor público, quando pagos indevidamente pela Administração Pública, em função de interpretação equivocada de lei.
Princípio do devido processo legal formal e material
LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;
Tem aplicabilidade no Direito Administrativo, no que se refere à exigência que seja instaurado um processo administrativo que assegure as garantias do contraditório e ampla defesa, antes que o Poder Público tome qualquer decisão
1- Devido processo legal formal: diz respeito ao rito a ser observado no processo, que deve ser pré-definido, sob pena de nulidade do processo.
2- Devido processo legal material: exige que o processo seja concluído com uma decisão justa e proporcional (esse aspecto se confunde com o princípio da proporcionalidade).