Avaliação Psicológica
176 pág.

Avaliação Psicológica


DisciplinaPsicologia63.953 materiais448.046 seguidores
Pré-visualização35 páginas
definidas como a quantidade 
de informação fornecida pelo item (ou teste) para avaliação de 
uma habilidade 6 (Andrade, Laros & Gouveia, 2010; Pasquali, 
2007). Por meio dela, é possível avaliar para quais intervalos de 
habilidade o item é mais útil, considerando a maior quantidade 
de informação, bem como para qual faixa eles agregam mais erro 
cio que informação. Ressalta-se que cacia item de um teste possui 
uma CII, contribuindo para a CIT geral do teste. Alguns aspectos 
podem impactar na informação de um teste: (a) quanto maior a 
discriminiação dos itens (parâmetro a), maior será a informação; 
(b) a Cl é maior quando o parâmetro b for igual ao 0 médio do 
grupo de examinandos; (c) a Cl diminui em função do acerto ao
90
k'oria de Resposta ao Item na Avaliação Psicológica
I
;icaso (parâmetro c); (d) a C l aumenta conforme o acréscimo de 
ílens (Baker, 2001).
A Figura 3 reproduz uma CIT ilustrativa de um teste. A curva 
ile linha contínua indica a informação do teste para os diferentes 
níveis de 0, enquanto a curva de linha pontilhada indica o erro 
padrão de medida. Neste exemplo, a maior quantidade de infor­
mação é relativa às habilidades entre -1 e 0. Para os níveis de 
0 inferiores a -2 e superiores a + 1 , o teste produz mais erro do 
que informação legítima. Em suma, é possível avaliar que o teste, 
neste exemplo, seria mais indicado para pessoas com habilidades 
médias.
Figura 3. Curva de inform ação do teste (CIT).
Modelos da TRI
Hambleton, Swaminathan e Rogers (1991) salientaram que, em­
bora seja possível conceber um número bastante grande de modelos
91
Avaliação psicológica: guia de consulta para estudantes e profissionais de psicoloqUi
de TRI, poucos são utilizados na prática. O número de parâmetros 
estimados e o tipo de resposta ao item (dicotômico e escala Likert, 
por exemplo) são as principais características que diferenciam 
os modelos. De maneira geral, os mais utilizados são os modelos 
logísticos de um, dois e três parâmetros para itens dicotômicos, 
bem como os modelos para itens politômicos (Andrade, Laros & 
Gouveia, 2010).
O modelo de um parâmetro foi criado por Rasch (1960) e, 
posteriormente, adaptado para um modelo logístico por Wright 
e Stone (1979). Nesta perspectiva, é avaliada somente a dificul­
dade dos itens, ou seja, o parâmetro b. Sendo assim, assume-se 
que a dificuldade do item é a única característica deste que 
influencia o desempenho do examinando. Além disso, pressupõe- 
-se que todos os itens possuem níveis iguais cie discriminação. Na 
escala 0, itens com b inferiores a -2 podem ser considerados fáceis 
e itens com b superiores a + 2 , difíceis (Hambleton & Swamina­
than, 1985). A equação do modelo logístico de um parâmetro é 
definida como segue:
1
/>(Us = l | é > i) = ------------------
1 + e -D \u2022)
Onde:
\u2022 P (Uy = 1 | 6 p = é a probabilidade de um indivíduo com 
habilidade 0j responder corretamente ao item i;
92
-h i cie Resposta ao Item na Avaliação Psicológica
\u2022 D = é uma constante e igual a 1 (quando se deseja com­
parar o modelo logístico com os resultados obtidos pelo
modelo da função ogiva normal, utiliza-se D = 1,7);
\u2022 E = é uma constante igual a 2,718;
\u2022 bi = c o parâmetro de dificuldade do item i.
Espera-se que essa equação não cause pesadelos à Maria, que 
rstá buscando auxílio a uma demanda de avaliação psicológica 
prática. Entretanto, esta equação diz respeito simplesmente à
i urva que representa o modelo de um parâmetro. Retirando as 
»onstantes E e D, restará apenas o parâmetro b e o 0, que deter­
minam a probabilidade de acertar o item.
O modelo de dois parâmetros foi desenvolvido por Lord (1980), 
sendo adaptado posteriormente por outros autores. Neste modelo, 
além do parâmetro de dificuldade b, também se avalia a capaci­
dade discriminativa dos itens (parâmetro a). Segue a equação do 
modelo de dois parâmetros:
1
/>(Uy = l | 0 j ) = -------------------
1 + e~D ai ( 0j ~ bi)
Maria deve ter notado que a única alteração da equação do 
modelo de um parâmetro para o de dois parâmetros é a inserção da 
letra a.,que corresponde, exatamente, à discriminação do item j. 
Na CCI, este parâmetro se refere à inclinação da curva, sendo que 
as curvas mais inclinadas indicam itens mais úteis para diferenciar 
as habilidades dos avaliandos (Andrade, Laros & Gouveia, 2010).
93
Avaliação psicológica: guia de consulta para estudantes e profissionais de psicologia
Teoricamente, o parâmetro a pode assumir valores entre -oo e 
+ oo. Entretanto, itens com discriminação menor do que 0 devem 
ser excluídos, pois algo deve estar errado com eles. Isso ocorre, 
geralmente, em razão de um gabarito errado ou de itens confusos, 
nos quais há mais de uma alternativa correta. Portanto, na prática, 
a discriminação varia de 0 a 2. Baker (2001) afirma que os valores 
de b entre 0,65 e 1,34 indicam um poder discriminativo mode' 
rado do item; entre 1,35 e 1,69, alto; acima de 1,70, muito alto. 
Embora sejam desejáveis itens com discriminação minimamente 
moderada, itens extremamente discriminativos não são úteis para 
algumas situações de avaliação psicológica, pois separam os indiví­
duos basicamente em dois grupos (com e sem habilidade 0 ).
O modelo logístico de três parâmetros, também desenvolvido 
por Lord (1974, 1980), acrescentou a probabilidade de acerto ao 
acaso, ou pseudoprobabilidade de acerto (representado pela letra 
c). Para a equação deste modelo, Maria já espera que seja inse- 
rido apenas o valor do parâmetro c (e alguns ajustes, obviamente). 
Sendo assim, a equação do modelo de três parâmetros pode ser 
escrita da seguinte forma:
1
-P (Uy = 1 | 0j) = c, + (1 - c ,) ------------------
1 + ç ~ D ( ij ( 0 j - b j )
Este modelo é bastante útil para os testes nos quais são ofere- 
cidas as alternativas de respostas (ou opções de marcação).
O parâmetro c pode variar de zero a um. Espera-se que, para 
itens bons com cinco alternativas, o parâmetro c não ultrapasse 
0,20 ( 1 / 5 alternativas = 0,2); para quatro alternativas, o valor 
máximo seria de 0,25 (Andrade, Laros & Gouveia, 2010). Para
94
ii-oiia de Resposta ao item na Avaliação Psicológica
itens problemáticos, o parâmetro c aumenta com a presença de 
alternativas não atraentes ou que estejam obviamente incorretas, 
t )u seja, para os itens nos quais é bastante fácil detectar uma ou 
duas alternativas incorretas, restarão apenas outras duas ou três 
alternativas para o \u201cchute\u201d , o que aumenta a probabilidade de 
acerto ao acaso.
Os modelos anteriormente apresentados pressupõem a utiliza- 
ção de itens dicotômicos. Na prática, estes são os mais utilizados 
pelos profissionais da área. Todavia, é necessário destacar que uma 
grande parte dos testes psicológicos utilizam itens politômicos 
(escala Likert de quatro pontos, por exemplo). Para que a TRI seja 
utilizada na construção destes instrumentos, alguns modelos para 
escalas politômicas foram propostos (veja, por exemplo, Andrich, 
1978; Samejima, 1974).
Nos modelos de TRI para itens politômicos, são estimadas as 
probalidades de um participante dar a resposta da categoria x ao 
ílem i. Sendo assim, passa-se a avaliar a probabilidade de endosso 
da categoria x, em vez da resposta certa. O tipo de escala utilizada 
pelo item é a diferença básica entre os dois principais modelos.
O modelo de resposta gradual de Samejima (1974) assume que 
as categorias do item podem ser ordenadas entre si, enquanto o 
modelo de escala gradual proposto por Andrich (1978) assume 
que, além da possibilidade de ordenar as categorias, os escores das 
categorias são igualmente espaçados.
Nota-se que os modelos politômicos são representados, grafi­
camente, por meio das C C I\u2019s, em relação às categorias, além da 
habilidade e da probabilidade de endosso (Andrade, Tavares & 
Valle, 2000). Na Figura 4, é apresentado