artigo   bifenilas policloradas pcbs   estudo
12 pág.

artigo bifenilas policloradas pcbs estudo


DisciplinaQui03456 materiais136 seguidores
Pré-visualização12 páginas
ESTUDO SOBRE OS POLUENTES ORG ÂNICOS PE RSISTENTES:
BIFENILAS POLICLORADAS - PCBs
Daniel Marcos Dal Pozzo
1
Pâmela Carina Stülp
2
Michelle Budke Costa
3
RESUMO
Como resultado das atividades humanas realizadas desde o início do
desenvolvimento industrial até os dias atuais, observaram-se co nsequências
inesperadas capazes de por em risco o modo de vida e a saúde da p opulação.
Neste contexto, salienta-se o surgimento de compostos n ocivos, que p or não
ocorrerem em grandes quantidades em um ambiente natural foram desenvolvidos
em escala industrial e muita s vezes e mpregados exageradamente. T ais compostos,
devido a s suas características de não serem assimilados com facilidade pela
natureza e por sua to xicidade, são definidos com o Poluentes Orgânicos Pe rsistentes
(POPs). E ste trabalho realiza uma breve discussão sobre o s poluentes orgânicos
persistentes definidos como Bif enilas Policloradas (PCBs). Para tanto, são
apresentadas informações sobre os PCBs de sde o seu surgimento, características
físicas e químicas, aplicações em que ele s foram empregados e as consequências
da utilização destes comp ostos.
Palavras-chave: Poluente s. Bif enilas policloradas. Compostos nocivos.
ABS TRACT
As a result of the human a ctivities carried out from the beginning of the industrial
development unt il the p resent day, unexpected conse quences were observed that
could put in risk the way of lif e a nd the health of the populat ion. In this conte xt, it is
highlighted th e emergence of h armful compounds, which, because they do not occur
in large quantities in a natural en vironmen t, have been developed on an industrial
scale and of ten u sed exaggeratedly. These compounds, due to their characteristics
of being n ot easily assim ilated by nature and the ir toxicity, are defined as Persistent
Organic Pollutants (POPs). T his paper brief ly discusses persistent organic pollutant s
defined as P olychlorinated Biphenyls (PCBs). For this, in formation on PCBs from the
outset, p hysical and chemical characte ristics, applications in which they were use d
and the consequences of the use of these comp ounds are presented.
Keywords: Pollutants. Polychlorinated biphenyls. Harmf ul compounds.
1
Discente do Programa de Pós-Graduação em Tecnolo gias Ambi entais - Nível Mestrad o, Medianeira - PR.
E-mail: danielpozzo@utfpr.edu.br
2
Discente do Programa de Pós-Graduação em Tecnolo gias Ambi entais - Nível Mestrad o, Medianeira - PR.
3
Docente do Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais - Nível Mestra do, Medianeira - PR.
2
1 INTRODUÇÃO
Com o objetivo de atender as várias d emandas da sociedade, desde o in ício
do século passado, f oram desenvolvidos muitos novos compostos químicos visando
atender a d emanda das mais diversas a plicações que foram surgindo ao longo do
desenvolvimento industrial. Muitos d estes compostos marcaram significativos
avanços para a resolução de problemas d a so ciedade da época. No entanto, várias
das substância s de senvolvidas apresentavam características distinta s que não eram
conhecidas em sua totalidade, principa lmente no que se refere ao seu efeit o em
longo p razo (PEREIRA et a l., 2017; BATTES et al., 2017). Alguns destes compo stos,
devido a s suas características d e se propagarem pelo ambiente e de não serem
degradados facilmente, são definidos como Poluentes Orgânicos Persistentes -
POPs.
Os POP s podem se r definidos como sendo substâncias química s capazes de
persistirem no amb iente, acumular-se em grande s quantidades nos tecid os adiposos
dos organismos, além de bioma gnifica r-se confo rme avançam à cad eia alimentar,
além de outras conse quência s (BATTES et al., 2017). Segundo o Ministério do Me io
Ambiente - MMA (20 16), os POPs são substâncias químicas que têm sido utilizadas
como agrotó xicos, para f ins in dustriais ou liberados d e m odo não intencional em
atividades antropogênicas, e que possuem características que os tornam
toxicologicamente preocupantes para a saúde humana e ao meio ambie nte. Ta is
compostos representam um grand e perigo ao amb iente, principalmente no que diz
respeito a sua ação em longo prazo para as esp écies individuais, eco ssistemas e a
saúde humana (REN et al., 2017). A exposição ao s PO Ps p ode causar câncer e
distúrbios na reprodução e sistema imunológico além de prejudicar o
desenvolvimento do indivíduo (MÖRNER et al., 2002).
Uma iniciativa para mitigar os efeitos causados pelos POPs está prevista
através da convenção de Estocolmo que prevê que os países m embros adotem
medidas de restrição e/ou eliminação do uso, bem como, o gerenciamento dos
estoques destes poluentes visando a o liberação destes para o ambien te.
Inicialmente a convenção listou a e xistência de 12 compostos prioritários sendo que
estes foram agrupados em três categorias, atualmente estão listadas 23
substâncias, uma delas é refe rente aos PCBs.
O objetivo dest e trabalho é apre sentar informações referentes aos com postos
que integram o grupo d as bifen ilas policloradas (PCBs). Para tanto sã o discutid as as
3
aplicações dos PCBs, suas características f ísico-químicas, toxicidad e e o resultado
da utilização destes comp ostos.
2. REVISÃO BIBLIOGRÁFIC A
2.1 Bifenilas Policloradas - P CBs
Bifenilas é o termo ut ilizado para se referir ao c omposto f ormado a p artir d e
uma ligação simples c arbono-carbono unindo d ois anéis benzênicos (SI LVA et al.,
2007). Nesta molécula, os átomos de cloro podem substituir o s á tomos de
hidrogênio, a reação da mo lécula de bifenila com o cloro anidro na p resença de um
catalisador origem as Bifelinas Policloradas, também conhecidas por sua
abreviatura, PCBs (PENTEADO & VAZ, 2001 ). A configuração da molécula de
bifelina pode ser observada n a Figura 1, onde é possível verificar os p ontos em que
os átomos de cloro p odem substituir os át omos d e h idrogênio u nindo-se a molécula
e originando bifenila policlorad a.
Figura 1 - M olécula de Bifenil a
Fonte: Sil va et al., (2007).
Como pode ser o bservado, a partir da molécula de bifenila existem dez
posições que podem ser ocupadas por átomos de cloro. Os compostos pertencentes
à classe dos P CBs o chamados de congêneres, indife rente da posição ou
quantidade de átomos de cloro, a sub classe com o m esmo número de cloros é
conhecida como homóloga e os memb ros dest e grupo são chamados de isôm eros
(NORSTROM, 1986; apud SILVA et al., 2007). A fórm ula molecular p ara qualquer
congênere de PCBs é C
12
H
10-n
Cl
n
, on de “n” refere-se ao número de átom os de cloro
da molécula e pod em assum ir um valor d e um a dez (BAI RD, 20 02). Sendo assim, a
massa molecular a dmitida para um PCB pode variar de 188 a 498  ∙ 

. Atra vés
da comb inação dos átomos de cloro na molécula de bifenila podem ser obtidos a
209 congêne res (B AIRD, 200 2), dentre estes, 130 e ncontravam-se d isponíveis
comercialmente no século passado.