Projeto de Pesquisa homofobia
10 pág.

Projeto de Pesquisa homofobia


DisciplinaServiço Social22.531 materiais89.260 seguidores
Pré-visualização2 páginas
\ufffdPAGE \ufffd
SUMÁRIO
31 INTRODUÇÃO	\ufffd
42.DELIMITAÇAO E FORMULAÇAO DO PROBLEMA	 \ufffd
3. FORMULAÇAO DOS OBJETIVOS GERAL E ESPECIFICO	4
3.1 Objetivos gerais......................................................................................................4
3.2 Objetivos específicos.............................................................................................4
4.JUSTIFICATIVA........................................................................................................4
5.METODOLOGIA.......................................................................................................6
6.REVISAO BIBLIOGRAFICA.....................................................................................6
7.CRONOGRAMA DA PESQUISA..............................................................................7
8.ORCAMENTO...........................................................................................................7
9. RESULTADOS ESPERADOS.................................................................................8
10. REFERENCIAS ....................................................................................................9
\ufffd\ufffd
INTRODUÇÃO
A diversidade sexual e a homofobia estão estreitamente relacionados. Um problema social que em suas vertentes desencadeia estudos e pesquisas para o combate do preconceito, ao racismo e ao sexismo revelam-se em estágio diverso daquele experimentado pela homofobia. Examinar mais detidamente as dinâmicas da homofobia e sua relação mencionar expressões discriminatórias, portanto, é um caminho que necessita ser percorrido, objetivando compreender o porquê desta realidade.
É fato que em todas as sociedades tanto as passaradas com as atuais há diversidade, sejam no âmbito, racial, religioso, orientação sexual, valores, etc. O que acontece, no entanto é a não aceitação dessa diversidade. Em um contexto social, haverá sempre aqueles que se veem como melhores e com mais direitos, e os que se sentirão menosprezados e excluídos. 
Com o crescimento da humanidade, as diferenças de pensamentos e identidades individuais foram se mostrando e ficando cada vez, mas intensa. Surgiram então os grupos minoritários com o intuito de defender seus objetivos, direitos, que estava sendo sufocado por uma sociedade preconceituosa, racista, homofóbica.
Recorrente a discussões e pesquisas voltados para orientação sexual podemos constatar presente em nossa sociedade uma porcentagem considerável em relação ao preconceito à homossexualidade, desenvolvendo a Homofobia no contexto social, diante a isso o interesse em conhecer e tentar entender os motivos para tal crime.
 2. Delimitação e formulação do problema
A intenção é fazer uma pesquisa relacionada ao preconceito sofridos com a homofobia. Serão avaliados amigos LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e trangêneros), na cidade de São Félix Xingu - PA onde moro durante um intervalo de aproximadamente três meses.
3. Formulação dos objetivos geral e especifico
3.1 Objetivos gerais
Respeitar a diversidade de valores, crenças e comportamentos existentes e relativos à sexualidade, para que seja garantida a dignidade do ser humano.
3.2 Objetivos Específicos 
Conhecer suas lutas diariamente com tal preconceito sobre sua sexualidade. 
Reconhecer como determinações culturais as características socialmente atribuídas ao masculino e feminino, posicionando-se contra a discriminação a eles associados.
Desenvolver a consciência crítica e tomar decisões responsáveis a respeito de sua sexualidade.
4. Justificativa
O presente projeto tem como finalidade específica abordar o tema \u201chomofobia\u201d para a discussão entre amigos afim de evidenciar a diversidade como um evento natural, portanto capaz e digno de respeito.
Homofobia (homo, pseudoprefixo de homossexual, fobia do grego \u201cmedo", "aversão irreprimível") é uma série de atitudes e sentimentos negativos em relação a lésbicas, gays, bissexuais e, em alguns casos, contra transgêneros e pessoas intersexuais. As definições referem-se variavelmente a antipatia, desprezo, preconceito, aversão e medo irracional. A homofobia é observada como um comportamento crítico e hostil, assim como a discriminação e a violência com base em uma percepção de orientação não heterossexual.
A nossa educação religiosa herdada, principalmente da cultura Cristã, e depois incorporada pelas Igrejas Evangélicas, pode ser destacada como a principal causa da perseguição contra os homossexuais. Essas instituições usam as escrituras sagradas para disseminar o ódio e a intolerância, dizendo para isto que a homossexualidade vai de encontro às leis de Deus e sendo assim, deve ser abolida da sociedade. Tal posicionamento, no entanto, não pode ser visto com total racionalidade, pois além de não justificar em completude a homossexualidade por um viés humanístico, contribui para alavancar os já altos índices de violência humana, reproduzidos com assiduidade por meios de mídias.
Para alguns, entender que a homossexualidade é uma prática tão normal quanto à heterossexualidade parece impossível. Por causa desse bloqueio, muitas pessoas se armam com um discurso violento, ou até mesmo com a força física, fazendo com que cresça no país os crimes desse gênero. Diferente do que muitos pensam a homossexualidade não veio para extinguir a raça humana. Ela, como se sabe, sempre existiu e continuará existindo, por isso qualquer argumento contra sua presença será inútil e a tentativa de contê-la será igualmente frustrada. Assim, não é na base de socos e pontapés que a sociedade vai conter a homossexualidade de ninguém. Ela não é um animal irracional que deve ser preso, acorrentado ou caçado. Homossexual é antes de tudo um ser humano e merece ter seus direitos perpetuados, preservados e, sobretudo respeitados.
É sabido que a homofobia ocorre por falta de informação e pelo reforço de uma cultura heterossexual, que considera como única forma de relacionamento casamentos entre homens e mulheres.
A importância de se tratar do assunto no âmbito familiar, requer uma proposta de mudança de postura, haja vista a relevância do tema, primeiro em âmbito de cidadania e depois relativo à sexualidade. 
Quanto mais pessoas se informar sobre o assunto, mais respeito, estaremos atribuindo aos gays, lésbicas, bissexuais, transgênicos e travestis. É preciso que a questão passe a ser entendida e tratada a partir da cultura dos direitos humanos, procurando assim, esclarecer a sociedade sobre a superação ao preconceito, possibilitando o reconhecimento da sexualidade como algo inerente à vida do ser humano.
5. Metodologia
A metodologia utilizada foram conversas e entrevistas entre amigos e familiares, inserção da temática, discussão com fundamentos científicos e exposição de pesquisas em webs e pesquisa bibliográficas.
6. Revisão bibliográfica
 Em um discurso de 1998 a autora ativista e líder dos direitos civis, Coretta Scott King, declarou: "A homofobia é como o racismo, o antissemitismo e outras formas de intolerância na medida em que procura desumanizar um grande grupo de pessoas, negar a sua humanidade, dignidade e personalidade." 
Percebe-se que a autora deixa claro que todo ser humano é digno de seus direitos seja ele homossexual ou não.
Em maio de 2011, em referência ao Dia Internacional contra a Homofobia, a Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, declarou:
"[...] Em última análise, a homofobia e a transfobia não são diferentes do sexismo, da misoginia, do racismo ou da xenofobia. Mas enquanto essas últimas formas de preconceito são universalmente condenadas pelos governos, a homofobia e a transfobia são muitas vezes negligenciadas.
Com isso a autora coloca em evidencias outros preconceitos que são percebidos e devidamente julgados a homofobia não tem o