Aula Nota 10 1
183 pág.

Aula Nota 10 1


DisciplinaEnem23.510 materiais78.625 seguidores
Pré-visualização50 páginas
EJAíí|Ed Ep opEoijmgis o noiunãiod E|9 op
-uEnb no^Edius gjuBijug siuiiEf sp sssEp Ep oun[E OJ^HQ 'ojxa;uoD o 3Q |
\jsoApuEisqng,, :n9puodssj 9;u9uiEjuojd ounjE o g «""OBS
SEOSS9d g,; :nonuyiuo3 Ejosssjoid y 'oun^E o 9ssip '4(sEoss3d OE§,, -nojungjgd
T3J3 't^SEJAE[Ed SESS3 OES 9Ub Q '-ÍOÍUDO 'ÀOpVpVU 'ÂOpvSOf 'AO- UI3 UIEqEOE 9nb
SEJAE[Ed SEJjnO 9p JEOTJEUIEjS 9SSEp EUIS9UI E 90U9jJ9d JOpVAÍJSd EOT§O[ Epd
,, ISEISTd OpUEp 'EJAEpd EJjnO n909J9JO 9IUIlEf OElUg -ÂOp&AlJSd EJAEJEd Ep
3SSEp E JEDlJpU9pI EJEd SSpEpmOTJTp 9A9J 91UE[[lJg 9IUITEJ; 9p OUE 0^
9p OEÓEpSJ 3p 9SSEp Ep OUnyE Uin 'O|dui3X3 JOJ 'ESTO3 EUin§|E 3p O|dUI3X3 Uin
JEZUOãsiED U13 EpESSEq 31U3UI|EUT§UO IOJ IPÍJÍP EJUn3j9d E 9S 'SlEUOpipE SO[d
-uisxs JEp spod uisquiEj SOOA '«ioraud oj9uinu uin 3 snb o IAEQ OE jszip 3pod
UI9nf),. !EpEUdOjdE STEUJ J9S 9pOd (l E3|U39J_) VUÇtvdV3S3 Ui^g OUIOO EOIU091
Eiun 9 JEp EJEd sEisid SEjmui STEUI EII CÉU 'o;uod OJJ33 tun y \t? 3 i utsnpui §
3p S3JO1EJ SQ,, :OpU9ZTp 'OSSEd UIU JEÒUEAE BUapOJ ' í(3 OEU g SEUI £S9pp UIR 9 /_\u201e
:E^Sld Ej^nO JEp ETJ9pOd 9DOA 'STEUI EpUTE JIpTATp J3Smb 93OA 3g 'tlUI3qUlEJ \
S3pp uin 9 /,\u201e no í(S3[ap um 3 £\u201e J9zip 9pod SOOA 'ouiud ojguinu um sp OE
E nipsd 9ooA opuEnb OTZEA o opuEujo nooij OUTIJE o 3§ 'O[dui3X3 uin 3{j 4
60 L selne JPP 3 JPJnjnjjsg
110 Aula nota 10
> Dê o passo que falta (ou o primeiro passo). Quando um aluno da sua aula
de matemática para o 5° ano não conseguiu explicar o que estava errado em es-
crever a fração imprópria 15/6 como resposta, Kelli Ragin deu a pista: "Bom, o
que é que sempre fazemos quando o numerador é maior que o denominador?".
Imediatamente, o aluno percebeu: "Ah, precisamos transformar em número
misto, então eu divido 15 por 6".
l Volte atrás. Às vezes, é suficiente repetir a resposta de um aluno para que
ele perceba o erro. Muitos de nós reconhecemos instantaneamente nossos erros
quando os ouvimos, como em um fita gravada. Se um aluno da classe de Kelli
tivesse proposto reduzir uma fração imprópria a um número misto mediante
a multiplicação do numerador e do denominador, Kelli poderia simplesmente
repetir a resposta de volta: "Você disse que eu multiplicaria 15 vezes 6 para
reduzir...". O grau de ênfase colocado na palavra multiplicaria seria chave para
determinar a distância entre a resposta e o domínio da matéria que a profes-
sora estava dividindo em partes (Ênfase em multiplicaria torna a dica muito
melhor.). A despeito disso, ouvir seu próprio erro nas palavras de outra pessoa
é, na maior parte das vezes, revelador.
l Elimine falsas escolhas. Quando o aluno de Jaimie teve dificuldades para
reconhecer que estivador era um substantivo, ela poderia ter eliminado algu-
mas falsas escolhas desta forma: "Bem, vamos examinar algumas opções. Se
fosse um verbo, seria uma ação. Estivador é uma ação? Podemos você ou eu
estivador? Bem, e um adjetivo? A palavra qualifica algum substantivo?".
\u2022\u2022\u2022r PROPORÇÃO fH^^H
Uma de nossas metas mais importantes, como professores, é levar os alunos
a fazer o máximo possível do trabalho cognitivo - escrever, pensar, analisar,
falar. A porcentagem de trabalho cognitivo que os alunos fazem durante uma
aula é chamada de Proporção (Que eu saiba, a expressão foi cunhada por
David Levin, co-fundador da rede de escolas charter Knowledge is Power, ou
KIPP, muito conhecidas nos Estados Unidos e de alta qualidade. Para muita
gente, David é um dos professores mais perceptivos e eficientes do país.). Ao
adotar Proporção, você vai descobrir que raramente resolve um problema
no quadro sem ajuda de seus alunos: para somar cada coluna ("Quanto é 6
mais 8, Sara?"); para identificar o próximo passo ("O que eu faço com o l,
sop oeòEdiopjEd 3p goipui OJJE mn moo snb op ompoiOEJ 3p
gpepipunjojd E moo SIEIU BpTj ojuauiEsusd sp OEíuodojd E 'OJUBJJOJ '«
-u9iunE EinãjEj E 9S SUITIJOA o moo BU939JUOOE anb Q,, tio fí^3iun|OA o
Eugpod na opu^nf),, SM£1Z9J13 Ep siusjsjip 3 9iun{OA o 9nb UKJ,, '^
9p ^U3i na snb joj,, oiuoo SIBUI JBOS uispod sfcjunSjsd SB 'OSEO ossojsj '
op oçjssnb 9 Epjjoo ^jsodssj B anb uis BjunSaad euin opuBqj^qBJi ZDA^BJ no
Z9A BJiaiuud TB\&d auin^OA sjqos Eiugjqojd uin opuepjoq^ eisa SOOA opUEnb
pAÇOfidt! SIBUI 9 ossi 'sopnsiuoo SOAOU JBSI^UB 9 ojusui^susd nss
-oide E sounjE só UÍ90JOJ anb seiunSisd JSZEJ 3}u^jjoduiT 9
\u20229juR}jodun ojinui 9 'oiuaiuiooquoo nas JEpTjosuon a
-i[d^ ^ sounjB só ^ÓJGJ snb '^jungjgd op odq ossg 'í(^ouiS3Ui o
9iun[OA o 'ap^piun BUIR assinuiuiip Ejn§jBj v s ap^piun ^uin
oíuauíTjdmoo o 9§M no t ££opBpmo JBUIOI OA3p ouissiu anb o 11103,,
-às uis OÓBJ ns snb o g jBog,, 'u^jn§jB[ ^ Bi^d JOJBA o 9 j^nb g,,
oiuixojd o J3ZTp 3in spod ui3nf),; :odyi s^sap SEiunSjsd jaztíj 9pod
'OpU3A|OS3J 3DOA JIJSTSSB Sp Z9A UI3 'SBUI9jqOjd SOp
oBònjOS v jBSano BJ^d oApiuSoo oiiieqejj o opoj uigjgzBj B 9 uisq^s gnb o
opnj OIUIXBUI OP. JEoi[di? B soi-^A3[ 'BOT^jd sp [SAissod oiutxBtu o soqi-j^p 9
-jBjn§uíi9J Btusud uin 9p 9iun|OA o JBJIUOOUS opu^jugj OB1S9 9nb
'SOpííZIJEl|IlUEJ OBJS9 EÍ |Enb O UJOO OSSSOOjd Uin OpU9A[OAU3 SI30
-yip SIBIU 9 SOAOU SBuiSjqojd J9A|OS9J opuEiU9j Z9AJEJ no
oun[E só snb ui
SOp - UEI^J 'J3pUOdS3J 'J9A9JOS9 -
BdtopJBd 9p oBÓJodojd y
,, 3 tlo$Udiuv$udddp ovÓÀodoÀdti 9j;us jmSuijsip B 9iu-noA9|
-OO 9SSg -OlUaUIESUgd 9p OpUnjOJd Sl^UI pAIU OU SOptAJOAU9 UI9SS9ATJS9 S3f9
snb tíA^q^R OTÍU 9^9 'aiuaui^susíui astinb 'ajuauiBAijB opiredpijjBcl ui9ss9AijS3
ospiA ou sop^Jisoui soun[E só Baoqujg 'anb noAJ9sqo 9SS9f \u2022ovó.todojj gjqos
SO;TJOABJ sogpiA snauí sop uin gjuEuoiodsDap noijDtí anb
BP IHH U°1U!Í3 3P ^looss Tsp jojgjip 4ao;o3>i ssssf uioo
G 9S-n9AíOAU9S9p EOTU09J RX9|dlUOO B^S9 9JíqOS OJU9UITpU9JU3
'OpU9A[OS3J OOOA UI9J11SÍSSE 3p Z3A UI9 '^SnO| EU 3Od 30OA 9nb SEUI9|qOjd SÓ
S0p03 OpU9A|OS9J 9 UI9qBS S9|9 9nb O OpUEOTjdlí 'pAISSOd OUITX^IU O UJ3JEOTlEld
S9p J9ZEJ 9 EJ3UI Eng '(^^opunuii^ 'op^jao 9p Z9j Bp snb o 'Ç s [En3i 9 ^ aod
opipiAip 9 gnb 9ssip EU9[E^v V»») OJJ3 ° 3nt>íldx9 9 efujoo 9nb Eun^e eiun e
OpUTpgd J9A 9S TEA 30OA '9JU91UBJ3JJO3UT UI3pUOdS3J SOUnjE Sn3S OpU^nf) 'OUJ
-EqEJJ O JU3JUOO EJEd 'U1IJU9 '9 í((í6OJP3d 'SEU9Z9p SEp BUt\[O3 Ep O^jE O BJEd
l o OADJ n9 opuRnb BoijTuSis snb Q,,) sAEqo-somjgi JBÓJOJSJ EJtíd í(«i°nnf
se|ne jepa jeanjnj^sg
112 Aula nota 10
PROPORÇÃO
Um aula competente não consiste no professor fazendo um bom exerci*
intelectual diante da classe. Coloque cada vez mais trabalho cognitivo na mão
dos alunos à medida que eles vão ficando prontos. Entenda que o trabalho
cognitivo deve ser aplicado a um problema, focado e produtivo.
Professores exemplares usam diversos métodos para aumentar a proporção.
Seria impossível categorizar todos eles, mas o que se segue são 10 métodos par-
ticularmente eficientes nesse sentido. Eles estão organizados a partir do tipo
de estrutura de aula que implicam. Ou seja, os primeiros métodos são mais efi-
cientes durante o que pode ser chamado de instrução direta: disseminação de
informação dirigida pelo professor. Os últimos seriam melhor aplicados durante
discussões com mais participação dos alunos.
1. Desembrulhe. Desfaça o "pacote" das perguntas em partes menores para
compartilhar o trabalho entre mais estudantes e forçá-los a reagir um ao outro.
Em vez de "Quem pode me dizer quais são as três dimensões de um cilindro?",
tente uma sequência como esta:
"Quantas dimensões tem um cilindro, Lucas?"
"Bom. Me dê uma dimensão, Sheila."
"Me dê outra, Bárbara."
"E sobra qual, Tiago?"
2. Meia ideia. Em vez de expor uma ideia inteira, expresse metade dela e peça a
um aluno que a complete.
"Então o próximo passo nessa frase é combinar sentenças com uma... O que
você me diz, João?"
3. E depois? O jeito mais rápido de dobrar o número de perguntas que
os alunos devem responder é perguntar sobre processo tão frequentemente
quanto sobre produto, ou seja, abordar tanto o como resolver uma etapa do
problema (ou qual é a resposta para uma etapa do problema) quanto qual é a
próxima