A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
42 pág.
aula cabeça e pescoço

Pré-visualização | Página 1 de 2

SISTEMATIZAÇÃO DO CUIDAR II
Exame Físico de Cabeça e Pescoço
Profa. Marylane Viana Veloso
*
CABEÇA
A cabeça é formada pelo crânio, o qual é caracterizado por ser uma caixa óssea rígida, formada pela união de ossos adjacentes, através de articulações imóveis, denominadas de suturas. 
Função de proteger o cérebro e os órgãos dos sentidos.
A face é formada por músculos, que através de estímulos são capazes de se movimentar, formando as expressões faciais. 
Possui simetria bilateral, assim como suas estruturas: sobrancelhas, olhos e ouvidos, nariz e boca, apesar de serem únicos, possuem o mesmo aspecto em ambos os lados. 
Em sua composição, encontram-se três (3) pares de glândulas salivares (parótidas, submandibulares e sublinguais).
*
*
CABEÇA
O pescoço está localizado logo abaixo da base do crânio, sendo responsável pela movimentação da cabeça. 
Funciona como suporte e caminho para diversas estruturas importantes na manutenção das funções vitais do organismo, como as vértebras cervicais, grandes vasos sanguíneos e linfáticos, músculos e vísceras do sistema respiratório e digestivo, além da glândula tireóide, altamente vascularizada e é responsável pelo controle e metabolismo celular.
A cabeça e o pescoço possuem diversos gânglios linfáticos ligados em vasos, os quais tem a função de detectar e eliminar substâncias estranhas do corpo e patógenos, impedindo que estes penetrem na corrente sanguínea, sendo estes transportados pela linfa.
*
CABEÇA
O exame da cabeça compreende a observação de:
1-Tamanho e forma do crânio
2-Posição e movimentos
3-Superfície e couro cabeludo
4-Exame geral da face
5-Exame dos olhos e supercílios
6-Exame do nariz
7-Exame dos lábios
8-Exame da cavidade bucal
9-Exame otorrinolaringológico 
*
CABEÇA
INSPEÇÃO
Simetria da face
Formato do crânio
Distribuição do cabelo
Couro cabeludo
PALPAÇÃO
Textura do cabelo
Hipersensibilidade do couro cabeludo
Deformidades
Lesões
*
CABEÇA
Quanto ao tamanho, as variações mais freqüentes são:
 Macrocefalia - crânio anormalmente grande, cuja causa mais freqüente são:
 Hidrocefalia - a obstrução da drenagem de líquor resulta em seu acúmulo excessivo, aumento da pressão intracraniana e aumento da cabeça.
 Acromegalia - a secreção excessiva de hormônio do crescimento pela hipófise depois da puberdade aumenta o crânio e espessa os ossos cranianos. 
	A cabeça fica alongada, a face compacta, o nariz e mandíbula proeminentes, a sobrancelha carregada e as características faciais grosseiras. 
	 
 
*
CABEÇA
Microcefalia - crânio anormalmente pequeno em todos os diâmetros. Pode ser congênita, hereditária de causa desconhecida, ou ser conseqüente a uma doença cerebral (toxoplasmose congênita). 		 
*
CABEÇA
Quanto à forma existem várias alterações derivadas de fechamento precoce de uma ou várias suturas:
Acrocefalia ou crânio em torre – A cabeça é alongada para cima, pontuda, lembrado uma torre. 
Escafocefalia - Levantamento da parte mediana do crânio, dando um aspecto casco de navio invertido.
Dolicocefalia - Aumento do diâmetro ântero-posterior, que se torna muito maior que o transverso.
Braquicefalia - Corresponde ao aumento do diâmetro transverso.
Pragilcefalia - É a deformidade em que o crânio fica com aspecto assimétrico, saliente anteriormente de um lado e posteriormente do outro.
 
*
CABEÇA
Dolicocefalia
Acrocefalia
Braquicefalia
*
CABEÇA
Posição e movimento:
O desvio de posição mais encontrado é o torcicolo - inclinação lateral da cabeça.
Os movimentos anômalos mais freqüentes são os tiques - contrações repetidas, mais ou menos involuntárias de um determinado grupo de músculos associados. Algumas vezes são de extensão muito limitada, como um simples piscar de olhos, outras vezes são complexos. 
*
CABEÇA
*
CABEÇA
Anamnese da cabeça e pescoço: 
• Verificar se a pessoa relata presença de cefaléia;
• Indagar sobre a ocorrência de tonturas;
• Verificar a presença de dores no pescoço, assim como seu início, localização, sintomas associados, fatores desencadeantes, estratégias utilizadas para lidar com o problema;
• Confirmar a presença de nódulos ou tumoração, associadas à infecção recente, história de irradiação prévia, se o nódulo é persistente, se apresenta dificuldades para engolir (disfagia), histórico de tabagismo e etilismo, problemas de tireoide e tratamentos realizados;
• Verificar história de cirurgia de cabeça e pescoço.
*
COURO CABELUDO
A inspeção e a palpação do crânio permitem o encontro de saliência (tumores e hematomas), depressões (afundamentos) e pontos dolorosos.
A fontanela anterior quando patente fornece informações úteis; se hipertensa e saliente indica aumento da pressão intracraniana (meningite, hidrocefalia); se hipotensa e deprimida traduz desidratação.
Deve ser analisada a consistência ou dureza da tábua óssea. 
Na osteomalácia, no raquitismo, é possível conseguir-se um leve afundamento pela simples compressão digital, que há de ser efetuada atrás e acima do pavilhão auricular.
*
*
FACE
Analisam-se a simetria, a expressão fisionômica ou mímica facial, a pele e os pêlos.
A perda da simetria instala-se em quaisquer tumefações ou depressões unilaterais (abscesso dentário, tumores, anomalias congênitas). 
Outra causa relativamente freqüente de assimetria é a paralisia facial. 
Nesta condição perde-se completa ou parcialmente a motilidade voluntária e da mímica de um dos lados. 
Ao se movimentar o lado sadio acentua-se a assimetria (franzir a testa, fechar os olhos, abrir a boca). 
*
OLHOS
Os olhos são os órgãos sensoriais responsáveis pela visão, e que são protegidos pela cavidade orbitária óssea, cercado internamente por tecido adiposo, e externamente pelas pálpebras e cílios.
A conjuntiva é uma mucosa fina localizada entre a pálpebra e o globo ocular, com coloração clara e pequenos vasos sanguíneos. É interligada à córnea, que recobre a íris e a pupila. O aparelho lacrimal irriga constantemente a conjuntiva e a córnea, mantendo-as lubrificadas. As lágrimas são secretadas pela glândula lacrimal.
A musculatura extra ocular permite que os olhos se direcionem para os pontos de interesse, formando sempre uma única imagem, pois o ser humano é binocular. 
*
OLHOS 
Os supercílios, bastante variáveis de indivíduo para indivíduo, podem sofrer queda, como ocorre no mixadema, hanseníase, desnutrição acentuada.
Pálpebras 
Ver se há edema, equimose, xantelasma (placas amarelas em alto relevo) ou outras alterações. Um achado importante é a queda da pálpebra, uni ou bilateral, que ocorre na paralisia do III par (paralisia do músculo da pálpebra superior), síndrome de Claude-Bernad-Horner (paralisia do simpático cervical)e na miastenia gravis. 
O não fechamento dos olhos por paralisia do músculo orbicular das pálpebras (lagoftalmo, sinal de Bell) aparece na paralisia facial periférica.
*
*
OLHOS 
Fenda palpebral
Com variações normais de acordo com as raças pode estar normal, aumentada, diminuída ou ausente (ptose palpebral),ou substituída por uma prega cutânea (síndrome de Down). 
*
OLHOS
Exoftalmia é a protrusão do globo ocular, unilateral (tumores oculares e retrooculares) ou bilateral (hipertiroidismo).
Enoftalmia: globo ocular afundado para dentro da órbita com diminuição da fenda palpebral. Ocorre na síndrome de Claude-Bernard-Horner (geralmente unilateral) e na desidratação (geralmente bilateral).
Desvios: constituem os estrabismo. É divergente quando o globo ocular se desvia lateralmente ou convergente.
GLOBOS OCULARES
*
OLHOS
Movimentos involuntários: o mais freqüente é o nistagmo, constituído de abalos do globo ocular e oscilações rápidas e curtas de ambos os olhos. 
O nistagmo pode ser nos sentidos horizontal, rotatório ou vertical, sendo mais perceptível quando o paciente olha para os lados e para longe.
Pode ser adquirida ou congênita: