A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Origem, formação e evolução do Estado

Pré-visualização | Página 1 de 4

Material de Apoio – Teoria do Estado 2015/1 
 
 
TEORIA GERAL DO ESTADO 
 
ORIGEM, FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO DO ESTADO 
 
 O termo Estado foi usado pioneiramente por Maquiavel em “O Príncipe”, 
escrito em 1513, do latim status = estar firme, significando situação permanente de 
convivência e ligada à sociedade política, passando a ser usado pelos italianos sempre 
ligado ao nome de uma cidade independente. 
Definição abrangente de Estado  “uma instituição organizada política, social e 
juridicamente, ocupa um território definido e, na maioria das vezes, sua lei maior é 
uma Constituição escrita. É dirigido por um governo soberano reconhecido interna e 
externamente, sendo responsável pela organização e pelo controle social, pois detém 
o monopólio legítimo do uso da força e da coerção.”1 
 De forma geral e preliminar, pode-se definir Estado como uma instituição 
política e jurídica, organizada, que ocupa território definido e possui uma lei maior, 
normalmente, uma Constituição. 
Porém, para que se torne possível, definir efetivamente o que é o Estado, 
necessário se faz abordar sua origem, história (filosofia grega, os contratualistas, etc 
...) para então analisar os elementos constitutivos do Estado. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1 DE CICCO, Cláudio; GONZAGA, Álvaro de Azevedo. Teoria geral do Estado e ciência 
política. 4.ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012, p. 47. 
Porém, para que se torne possível, definir efetivamente o que é o 
Estado, necessário se faz abordar sua origem, história (filosofia 
grega, os contratualistas, etc ...) para então analisar os elementos 
constitutivos do Estado. 
 
Material de Apoio – Teoria do Estado 2015/1 
 
 
Origem histórica e causas da formação do Estado2 
 
Sob o ponto de vista da época do aparecimento do Estado, as inúmeras teorias 
existentes podem se resumir da seguinte forma 
 
1) O Estado sempre existiu: desde que o homem vive sobre a Terra 
acha-se integrado numa organização social, dotada de poder e com 
autoridade para determinar o comportamento de todo o grupo. 
 
2) A sociedade humana existiu sem o Estado durante um certo 
período. Depois, por motivos diversos, este foi constituído para 
atender às necessidades ou às conveniências dos grupos sociais, não 
havendo concomitância na formação do Estado em diferentes 
lugares, uma vez que este foi aparecendo de acordo com as 
condições concretas de cada lugar. Esta posição é defendida pela 
maioria dos autores. 
 
3) Só é admitido como Estado a sociedade política dotada de certas 
características muito bem definidas. Justificando esse ponto de 
vista, um dos adeptos dessa tese, Karl Schmidt, diz que o conceito de 
Estado não é um conceito geral válido para todos os tempos, mas é 
um conceito histórico concreto, que surge quando nascem a idéia e a 
prática da soberania, o que só ocorreu no século XVII. 
 
Sob o ponto de vista da formação originária do Estado: 
 
1) Teorias que afirmam a formação natural ou espontânea do Estado, não 
havendo entre elas uma coincidência quanto à causa, mas tendo todas em 
comum a afirmação de que o Estado se formou naturalmente, não por um 
ato puramente voluntário. 
 
2 Baseado em DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de teoria geral do Estado. 
Material de Apoio – Teoria do Estado 2015/1 
 
 
2) Teorias que sustentam a formação contratual dos Estados: crendo que foi 
a vontade de alguns homens, ou então de todos os homens, que levou à 
criação do Estado. 
 
* De maneira geral, os adeptos da formação contratual da sociedade é que 
defendem a tese da criação contratualista do Estado. 
 
Sob o ponto de vista das causas determinantes do aparecimento do Estado: 
1) Teoria da origem familiar ou patriarcal: para esta teoria, a primeira 
organização social humana é a família. A origem do Estado seria, então, 
uma ampliação da família patriarcal. 
 
2) Teoria da força: “[...] a superioridade de força de um grupo social permitiu 
que este submetesse um grupo mais fraco, nascendo o Estado dessa 
conjunção de dominantes e dominados.3” 
 
3) Teoria da origem patrimonial: Os homens vivem em sociedade porque 
precisam uns dos outros para sobreviver. O Estado nasce para proteger os 
homens e suas propriedades. Além disso, o Estado teria sido formado para 
se aproveitarem os benefícios da divisão do trabalho, integrando-se as 
diferentes atividades profissionais, caracterizando-se, assim, o motivo 
econômico. 
 
4) Teoria do desenvolvimento interno da sociedade: aquelas sociedades que 
atingem maior grau de desenvolvimento e alcançam uma forma complexa 
têm absoluta necessidade do Estado, e então ele se constitui. É o próprio 
desenvolvimento espontâneo da sociedade que dá origem ao Estado. 
 
 
 
3 DALLARI, p. 54. 
Material de Apoio – Teoria do Estado 2015/1 
 
Além das teorias abordadas sobre a formação originária do Estado, a criação deste 
pode se dar por formação derivada, mediante: 
 
(i) Fracionamento  quando uma parte do território se desmembra e passa a 
constituir um novo Estado, seja por meios pacíficos ou violentos; 
(ii) ou União  quando há uma união de Estados, constituindo-se apenas um. 
 
* São várias teorias fundamentam a origem das primeiras sociedades 
politizadas e, por consequência, do Estado. 
* Ocorre que o surgimento do Estado pode não ter origem em apenas uma 
teoria. 
* É da essência do ser humano viver em sociedade, que se mantém a partir de 
uma organização, de forma que as teorias e justificativas não raro dialogam. 
 
Evolução histórica do Estado 
 
Com pequenas variações, a maior parte dos autores aborda esta questão a 
partir da seqüências cronológica: Estado Antigo, Estado Grego, Estado Romano, Estado 
Medieval e Estado Moderno. 
 
ESTADO ANTIGO 
 
* Também denominado de Estado Oriental ou Teocrático, os autores definem 
aquelas formas de Estado “mais recuadas no tempo, que apenas começavam a definir-
se entre as antigas civilizações do Oriente propriamente dito ou do Mediterrâneo”4. 
* caracterizado pela religiosidade e natureza unitária, podendo-se apontar, 
ainda, como características: 
 Organização econômica confusa, sem diferenciação aparente; 
 Sem diferenciação entre o pensamento político, religião, moral, filosofia, 
doutrinas econômicas 
 
4 DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de teoria geral do Estado. p; 62. 
Material de Apoio – Teoria do Estado 2015/1 
 
 Natureza unitária  sem divisões interiores (permanente, durando todo o 
período da antiguidade), nem territorial, nem de funções. 
 Formação monárquica – combinada com a teocracia (religiosidade)  o 
monarca é adorado como um deus. 
 Religiosidade marcante – a força da religião nesse período levou alguns 
autores a chamarem o Estado Antigo como “Estado Teocrático”. 
 A influência religiosa é vista sobre os governantes e normas, que refletem a 
vontade do poder divino. 
 Em razão dessa religiosidade: 
o Em certos casos, o governo é unipessoal governador é considerado, 
também, representante do poder divino. 
o Em outros casos, o poder do governo é limitado pelo poder divino, 
pela classe sacerdotal, existindo dois poderes, um humano e um 
divino, variando sua influência de acordo com as circunstâncias. 
 
ESTADO GREGO 
 
 Caracterizado pela existência da polis, poder absoluto e unitário, cujo ideal 
visava a auto-suficiência. 
 “Embora seja comum a referência ao Estado Grego,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.