micoses subcutaneas
28 pág.

micoses subcutaneas


DisciplinaProcessos Patológicos Micológicos5 materiais12 seguidores
Pré-visualização1 página
Micoses Subcutâneas
Prof. Me. Fernando Bomfim
INTRODUÇÃO
\uf09a São infecções causadas por um grupo diversificado de
fungos (sapróbios do solo, vegetais e água) que acometem o
homem e os animais
\uf09a Lesões \uf0e0 inoculação de estruturas fúngicas \uf0e0 através de
traumatismos diversos
\uf09a Locais ou tecidos adjacentes (vias linfática ou
hematogênica)
ESPOROTRICOSE
\uf0a8 Infecção caracterizada por pequenos tumores
subcutâneos, que tendem a supurar e ulcerar
\uf0a8 Evolução subaguda ou crônica
\uf0a8 Agente etiológico: Sporothrix schenckii (fungo dimórfico de
vida saprofítica em vegetais, solo, água contaminadas e
animais \u2013 bolor)
\uf0a8 Forma clínica: linfangite nodular ascendente (inicia-se por
inoculação do agente nas extremidades e pode atingir os
gânglios linfáticos)
PATOGENIA
Trauma na pele
Penetração do S. schenckii
Nódulo granulomatoso local
Drenagem para gânglios linfáticos com 
espessamento e aspecto em corda
TIPOS
\uf0a8 Cutâneo localizada ou dermo-epidérmica: resulta de
traumatismo prévio
- Apresenta-se como lesões pleomórficas (verrucosa, ulcerosa,
erosiva e pápula)
\uf0a8 Cutâneo-linfática: pápula, nódulo e necrose (resulta de
traumatismos)
- Raramente pode ser extrategumentar (atingindo ossos e
órgãos internos)
\uf0a8 Visceral: resulta de inalação (muito rara - pode se tornar
sistêmica, tendo início pulmonar\uf0ae órgãos internos)
DIAGNÓSTICO
\uf09a Amostras: Material de biópsia ou exsudatos de lesões ulcerativas
1. Exame microscópico direto com KOH(10-40%): Baixa positividade
Corados pelo Giemsa e GRAM: células leveduriformes, ovais, globosas em
\u201carranjos de margarida\u201d
2. Cultura: Período de 4 a 12 dias
3. Sorologia: Teste de aglutinação em partículas de látex em lâmina
Em culturas, 
as colônias 
jovens são 
de coloração 
negra e 
brilhante e 
com o 
envelhecimen
to se tornam 
felpudas
CROMOBLASTOMICOSE
\uf0a8 Infecção crônica granulomatosa, caracterizada por lesões
nodulares, verrucosas, papilomatosas, e ulceraradas (raras)
\uf0a8 Localizadas nos membros inferiores (geralmente)
\uf0a8 Agente etiológico: Fonsecaea pedrosoi, F. compacta,
Phialophora verrucosa, Cladophialophora carrionii e
Rhinocladiella aquaspersa
PATOGENIA
Inoculação dos fungos por traumatismos na pele
Meses a anos
Lesão verrucosa com ulceração e 
pontos negros hemopurulentos
Disseminação linfática local
TIPOS
\uf09a Eritêmato-Descamativa(placas escamosas)
\uf09a Verrucosa (nódulos, lesões papulosas, eritêmato-
descamativas, verrucosas com ou sem ulceração \u2013
membros inferiores)
DIAGNÓSTICO
\uf09a Amostras: Raspados ou biópsia das lesões
\uf09a Exame microscópico direto com KOH(10-40%):
células globosas, ovaladas, de parede espessa, de
coloração castanha, com ou sem septação
interna (corpos fumagóides)
- Cultura em meio de Sabouraud por 2 a 4 semanas
\uf09a * Fonsecaea pedrosoi: Colônias de maturação
lenta(14 dias), veludosa, marrom-escuro, verde-
oliva ou negro, plano ou rugoso
\uf09a Histopatológico
Rhinocladiella aquaspersa
MICETOMAS
\uf09a Lesões localizadas, intumescidas, de evolução crônica na pele e
tecido subcutâneo dos pés, podendo atingir músculos e ossos
\uf09a Caracterizadas pelo aumento de volume de uma região ou
órgão, com a presença ou não de fístulas que drenam um
material seroso ou sero-purulento (grãos)
\uf09a Homem do campo de 20 a 50 anos (não é contagioso)
\uf09a Tipos: Actinomicóticos e Eumicóticos
Ex: Madurella grisea, M. 
mycetomatis e 
Pyrenochaeta romeroi
DIAGNÓSTICO
\uf09a Baseado na observação dos grãos que drenam
espontaneamente das lesões ou que são extraídos
através de punção ou biópsia
ENTOMOFTOROMICOSE
- Infiltração granulomatosa principalmente da mucosa
nasal e pele da face \uf0ae obstrução e dor local \uf0ae
deformidade facial
- Agentes etiológicos: Delacroixia coronata ou
Conidiobolus coronatus e Basidiobolus ranarum
- Fungos que vivem saprofitamente no solo, vegetais
em decomposição e fezes de répteis e anfíbios
- Infecção ocorre principalmente através da inalação
ou inoculação de esporos (traumatismos)
DIAGNÓSTICO
- Diagnóstico direto: visualização do fungo em
material obtido da lesão
- Histopatológico: infiltrado granulomatoso do
tecido subcutâneo, contendo material eosinofílico
hialino, no qual são visualizadas hifas grandes não
septadas (ou raramente septadas)
- Cultura: para confirmação
RINOSPORIDIOSE
- É uma infecção micótica submucosa, crônica, de
evolução lenta e granulomatosa
- Agente etiológico: Rinosporidium seeberii
(habitante de águas estagnadas, poços e açudes)
- Pólipos cavidade nasal (mais freqüente) e mucosa
ocular
- Transmissão: contato com água contaminada e
exposição à poeira contaminada
DIAGNÓSTICO
\uf09a Exame direto: KOH do material biológico (pólipos)
- Observação de células arredondadas (esporângio)
- Histopatológico corado por HE PAS e Gomori: grande
quantidade de esporângio com numerosos esporos
em seu interior
Lesão polipóide com 
muitos esporângios
DOENÇA DE JORGE LOBO
LOBOMICOSE
\uf0a8 Doença crônica, localizada, caracterizada pela
presença de lesões semelhantes a um quelóide
\uf0a8 Lesões: quelóides (tumoral), multilobuladas,
ulceradas, endurecidas, localizadas
\uf0a8 Agente etiológico: Lacazia loboi
\uf0a8 Contaminação através da inoculação acidental do
parasita ou traumatismo
\uf0a8 Ocorre principalmente nos membros inferiores,
superiores e pavilhão auricular (hábitos amazônicos
de carregar palha e madeira nos ombros)
DIAGNÓSTICO
\uf09a Exame direto: células globosas leveduriforme de tamanho
uniforme com inclusões lipídicas em seu citoplasma e com
parede espessa
\uf09a Histopatológico: células arredondadas, de parede
espessa, isoladas em cadeias com intensa reação
inflamatória