A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Simulado 4   Penal 4  Crimes contra a adm Publica e  contra a justiça

Pré-visualização | Página 1 de 1

(Exame OAB/CESPE -UnB. 2010.1)
Considere que Charles, funcionário público no exercício de suas funções, tenha desviado dolosamente valores particulares de que tinha a posse em razão do cargo. Nessa situação hipotética:
		
	
	se Charles reparar o dano antes do recebimento da denúncia, sua punibilidade será extinta; se o fizer posteriormente, sua pena será diminuída.
	
	a pena de Charles não seria alterada na eventualidade de ser ele ocupante de cargo em comissão de órgão da administração direta, visto que a tipificação do crime já considera o fato de ser o agente funcionário público como elementar do tipo.
	 
	Charles praticou peculato-desvio, podendo eventual reparação do dano ser considerada arrependimento posterior ou circunstância atenuante genérica, a depender do momento em que for efetivada.
	
	Charles praticou crime de furto, e não de peculato, haja vista que os valores de que tinha a posse em razão do cargo eram particulares, e não, públicos.
	
	
	
	2a Questão (Ref.:201704130050)
	Acerto: 0,2  / 0,2
	(FCC/ PGM-SP/ 2004) José, ocupante de cargo em comissão, utilizou dinheiro pertencente à autarquia municipal onde trabalhava, para pagamento de dívida particular sua. Em tese, cometeu o crime de
		
	
	furto qualificado por abuso de confiança.
	
	apropriação indébita.
	
	emprego irregular de verbas ou rendas públicas.
	
	estelionato.
	 
	peculato
	
	
	
	3a Questão (Ref.:201704016611)
	Acerto: 0,2  / 0,2
	Quando um funcionário público deixa de praticar ou retarda ato de ofício, com infração de dever funcional, cedendo à influência de outrem, ele pratica o crime de
		
	
	concussão
	
	condescendência criminosa
	 
	corrupção passiva
	
	prevaricação
	
	corrupção ativa
	
	
	
	4a Questão (Ref.:201703537556)
	Acerto: 0,2  / 0,2
	Não constitui espécie de Peculato prevista no Código Penal:
		
	
	O Peculato Apropriação
	
	O Peculato Desvio
	
	O Peculato Furto
	 
	O Peculato de uso
	
	O Peculato Culposo
	
	
	
	5a Questão (Ref.:201703401527)
	Acerto: 0,2  / 0,2
	 
Relativamente ao tema dos crimes contra a administração pública, analise as afirmativas a seguir. (Secretaria de Estado de Administração Concurso Público para Delegado de Polícia/ 2010. FGV)
I. Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora transitoriamente exerce cargo, emprego ou função pública, excetuados aqueles que não percebam qualquer tipo de remuneração.
II. Equipara-se a funcionário público quem exerce cargo, emprego ou função em entidade paraestatal, mas não quem trabalha para empresa prestadora de serviço contratada para a execução de atividade típica da Administração Pública.
III. A pena é aumentada da terça parte quando o autor do crime praticado por funcionário público contra a administração em geral for ocupante de cargo em comissão de órgão da administração direta.
		
	
	se somente a afirmativa I estiver correta.
	
	se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.
	
	se todas as afirmativas estiverem corretas.
	
	se somente a afirmativa II estiver correta.
	 
	se somente a afirmativa III estiver correta.
	
	
	
	6a Questão (Ref.:201704137609)
	Acerto: 0,2  / 0,2
	(CESPE - 2016 ¿ TRT ¿ 8ª Região ¿ Analista Judiciário ¿ Oficial de Justiça Avaliador) Oficial de justiça que solicita determinada quantia em dinheiro a advogado, para deixar de cumprir diligência de que estava incumbido, comete o crime de
		
	
	c) prevaricação.
	
	b) concussão.
	
	d) corrupção ativa.
	
	a) tráfico de influência.
	 
	e) corrupção passiva.
	
	
	
	7a Questão (Ref.:201704193403)
	Acerto: 0,2  / 0,2
	O jurado, integrando o Conselho de Sentença, impôs como obrigação e recebeu do réu polpuda soma para absolver o homicida. Cometeu o crime de:
		
	 
	Concussão
	
	Corrupção passiva
	
	Nenhuma das alternativas acima.
	
	Extorsão
	
	Prevaricação
	
	
	
	8a Questão (Ref.:201704129655)
	Acerto: 0,2  / 0,2
	NÃO constitui crime contra a administração da Justiça:
		
	
	Exploração de Prestígio
	
	Favorecimento real
	
	Denunciação Caluniosa
	 
	Desobediencia
	
	Patrocínio Infiel
	
	
	
	9a Questão (Ref.:201704194425)
	Acerto: 0,0  / 0,2
	¿C¿, funcionário encarregado pelo sistema de informática da Secretaria de Segurança Pública, anotou no banco de dados referente à condenação de seu amigo ¿G¿, em acidente de trânsito, sua absolvição. Com isso, foi expedida, em favor de ¿G¿, certidão negativa de antecedentes, porquanto a mesma se prestava a fins meramente civis. Logo após, ¿G¿ acabou absolvido do delito em questão, em revisão criminal, determinando o Tribunal o cancelamento da referida anotação então adulterada por ¿C¿. Cometeu ¿C¿ infração penal? Em caso positivo, qual?
		
	 
	Sim. Inserção de dados falsos em sistema de informação.
	
	Não. A conduta é típica na modalidade de fraude processual.
	
	Não. A conduta é atípica, em face da decisão judicial posterior de cancelamento.
	 
	Sim. Modificação ou alteração não autorizada de sistema de informações.
	
	Sim. Falsidade ideológica.
	
	
	
	10a Questão (Ref.:201703432973)
	Acerto: 0,2  / 0,2
	Em face das seguintes assertivas referentes aos tipos penais mencionados, assinale a alternativa correta: (MPDFT/2011)
		
	 
	O delito de corrupção passiva praticado por policial militar no exercício da função é crime militar, devendo conduzir à sua punição no âmbito da Justiça Militar.
	
	Segundo orientação do Superior Tribunal de Justiça, é legal a prisão em flagrante, sob a acusação de prática de concussão, do agente público quando recebe o valor que exigira da vítima dias antes.
	
	Diz-se, da corrupção passiva, que é própria, quando a solicitação ou recebimento da vantagem indevida destina-se à prática de ato lícito, inserido no rol de deveres impostos ao agente em razão de sua função.
	
	Por se tratar de crime próprio, no peculato-furto não se pode reconhecer a autoria mediata quando o funcionário público vale-se de instrumento não qualificado, tal como o cidadão comum, induzido a erro, para a subtração de bem da Administração Pública.
	
	O julgamento definitivo do procedimento em que foi falseada a verdade não é condição para que, no processo destinado à apuração do crime de falso testemunho, seja prolatada a decisão condenatória.