Renata Melo e Silva de Oliveira (org.) - Engenharia de produção - Tópicos e aplicações
239 pág.

Renata Melo e Silva de Oliveira (org.) - Engenharia de produção - Tópicos e aplicações


DisciplinaIntrodução à Engenharia1.693 materiais11.516 seguidores
Pré-visualização46 páginas
a ergonomia as três dimensões básicas de 
analise: física, cognitiva e organizacional. Cada uma delas 
apresentou elementos que permitiram verificar seus reflexos no 
desempenho de sistemas produtivos, se posicionando como fatores 
estratégicos, juntamente com a apresentação de técnicas e 
ferramentas que permitem sua analise, provendo as organizações 
de informações mais confiáveis para adequar da melhor forma 
possível as condições de trabalho as capacidades e limitações do ser 
humano. Finalmente, e não menos importante, a qualidade de vida 
se apresenta como um fator diferenciador, necessário de ser 
considerado por todas as organizações. 
 
 
E n g e n h a r i a d e P r o d u ç ã o | 91 
 
 
 
Referências 
 
ABERGO. Associação Brasileira de Ergonomia. Classificação do 
entendimento em Ergonomia. Disponível em: 
<www.abergo.org.br>. Acesso em 03 ago. 2009. 
ABRAHÃO, J. I.; PINHO, D. L. M. As transformações do trabalho e 
desafios teórico-metodológicos da ergonomia. Estudos de 
Psicologia, v. 7, p. 45-52, 2002. 
ABRAHÃO, J. I.; PINHO, D. L. M. Teoria e prática ergonômica: seus 
limites e possibilidades. Escola, Saúde e trabalho: estudos 
psicológicos. In: PAZ, M. G. T.; TAMAYO, A. Brasília: Editora 
Universidade de Brasília, 1999. p. 229-240. 
ALVES, M. G. M.; CHOR, D.; FAERSTEIN, E.; LOPES, C. S.; WERNECK, 
G. L. Versão resumida da \u201cjob stress scale\u201d adaptação para o 
português. Revista de Saúde Pública, v. 38, n. 2, p. 164-71, 
2004. 
BECK, A. T.; WARD, C. H.; MENDELSON, M.; MOCK, J.; ERBAUGH, J. 
An inventory for measuring depression. Archives of General 
Psychiatry, v. 4, p. 561-571, 1961. 
BECK, A.T.; BROWN, G.; EPSTEIN, N.; STEER, R. A. An Inventory for 
Measuring Clinical Anxiety. Journal of Consulting and Clinical 
Psychology, v. 56, p. 893-897, 1988. 
CANDEIAS, N. M. F. Conceitos de educação e de promoção em 
saúde: mudanças individuais e mudanças organizacionais. 
Revista de Saúde Pública, v. 31, n. 2, p. 209-13, 1997. 
CHAVES, L. F. Fatores humanos e organizacionais do trabalho. 
Porto Alegre: UFRGS/ PPGEP, 2001. 48-52 p. 
DE LUCCA, S. R. Os acidentes do trabalho no Brasil \u2013 algumas 
implicações de ordem econômica, social e legal. Revista 
Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 22, n. 81, p. 7-14, 1994. 
92| T ó p i c o s e A p l i c a ç õ e s 
 
DE VITTA, A.; BERTAGLIA, R. S.; PADOVANI, C. R. Efeitos de dois 
procedimentos educacionais sobre os sintomas 
musculoesqueléticos em trabalhadores administrativos. Revista 
Brasileira de Fisioterapia, v. 12, n. 1, p. 20-5, 2008. 
DUL, J.; WEERDMEESTER, B. Ergonomia prática. São Paulo: Editora 
Edgard Blücher, 1998, 147p. 
ENGQUIST, K.; ORBAEK, P.; JAKOBSSON, K. Musculoskeletal pain 
and impact on performance in orchestra musicians and actors. 
Medical Problems of Performing Artists, v. 19, n. 2, p. 55-61, 
2004. 
FERREIRA, A.; DIOGO, C.; FERREIRA, M.; VALENTE, A. C. Construção 
e validação de uma Escala Multi-Factorial de Motivação no 
Trabalho (Multi-Moti). Comportamento Organizacional e 
Gestão, v. 12, n. 2, p. 187-198, 2006. 
FERREIRA, L. L.; DONATELLI, S. Ergonomia: o que há para se ler em 
português. Ação Ergonômica, v. 1, n. 2, p. 25-34, 2001. 
FLECK, M. P. A., LOUZADA, S., XAVIER, M., CHACHAMOVICH, E., 
VIEIRA, G., SANTOS, L.; PINZON, V. Aplicação da versão em 
português do instrumento abreviado da qualidade de vida 
\u201cWhoqol-bref\u201d. Revista de Saúde Pública, v. 34, n. 2, p. 178-83, 
2000. 
FLECK, M. P. A.; LOUZADA, S.; XAVIER, M.; CHACHAMOVICH, E.; 
VIEIRA, G.; SANTOS, L.; PINZON, V. Aplicação da versão em 
português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da 
Organização Mundial da Saúde (Whoqol-100). Revista de Saúde 
Pública, v. 33, n. 2, p. 198-205, 1999. 
GAUVIN, L.; SPENCE, J. C. Physical activity and psychological well-
being: Knowledge base, currents issues and caveats. Nutrition 
Reviews, v. 54: p. S53-S65, 1996. 
GRANDJEAN, E. Manual de ergonomia: adaptando o trabalho ao 
homem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. 338p. 
E n g e n h a r i a d e P r o d u ç ã o | 93 
 
 
 
GUÉRIN, F.; LAVILLE, A.; DANIELLOU, J. DURAFFOURG, A. 
Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da 
ergonomia. São Paulo: Edgard Blücher: Fundação Vanzolini, 
2001. 224p. 
GUIMARÃES, M. C. \u201cSó se eu arrumasse uma coluna de ferro pra 
agüentar mais...\u201d \u2013 Contexto de produção agrícola, custo 
humano do trabalho e vivências de bem-estar e mal-estar entre 
trabalhadores rurais. 2007. 237f. Tese (Doutorado em 
Psicologia) \u2013 Programa de Pós-Graduação em Psicologia \u2013 UnB. 
Brasília. 2007. 
HACKMAN, J. R.; OLDHAM, G. R. Development of job diagnostic 
survey. Journal of Applied Psychology, v. 60, n. 4, p. 159-170, 
1975. 
HIGNETT, S.; MCATAMNEY, L. Rapid entire body assessment 
(REBA), Applied Ergonomics, v. 31, p. 201-205, 2000. 
IEA. International Ergonomics Association. Domínios 
especializados da ergonomia. Disponível em: 
<http://www.acaoergonomica.ergonomia.ufrj.br/edicoes/vol2n
1/artigos/1.pdf>. Acesso em 03 ago. 2009. 
IIDA, Í. Ergonomia projeto e produção. São Paulo: Edgar Blucher, 
2005. 614p. 
KARHU, O.; KANSI, P.; KUORINKA, I. Correcting working postures in 
industry: a practical method for analysis. Applied Ergonomics, v. 
8, n. 4, p. 199-201, 1977. 
KUORINKA, I; JONSSON, B; KILBON, A.; BIERING-SORENSEN, F.; 
ANDERSSON, G; VINTERBERG, H.; JORGENSEN, K. Standardized 
nordic questionnaires for the analysis of musculoskeletal 
symptoms. Applied Ergonomics, v. 18, n. 3, p. 233-37, 1987. 
LACAZ, F. A. C. Qualidade de vida no trabalho e saúde/doença. 
Ciência & Saúde Coletiva, v. 5, n. 1, p. 151-161, 2000. 
LAVILLE, A. Ergonomia. Tradução Márcia Maria Neves Teixeira. São 
Paulo: EPU- Universidade de São Paulo, 1977. 99p. 
94| T ó p i c o s e A p l i c a ç õ e s 
 
MACIEL, M. G. Análise da relação entre o estilo de vida e a 
percepção subjetiva da fadiga em trabalhadores para a 
implantação da ginástica laboral. Cinergis, v. 8, n. 1, p. 18-24, 
2007. 
MARTINEZ-GONZALEZ, M. A.; MARTINEZ, J. A.; HU, F. B.; GIBNEY, 
M. J.; KEARNEY, J. Physical inactivity, sedentary lifestyle and 
obesity in the European Union. International Journal of Obesity 
Related Metabolism Disorders, v. 23, p. 1192-1201, 1999. 
MARTINEZ, M. C.; LATORRE, M. R. D. O.; FISCHER, F. M. Validade e 
confiabilidade da versão brasileira do Índice de Capacidade 
para o Trabalho. Revista de Saúde Pública, v. 43, n. 3, p. 525-
532, 2009. 
MARTINS, M. C. F.; SANTOS, G. E. Adaptação e validação de 
construto da Escala de Satisfação no Trabalho. Psico-USF, v. 11, 
n. 2, p. 195-205, 2006. 
MCATAMNEY, L. AND CORLETT, E.N. RULA: A survey method for 
the investigation of work-related upper limb disorders. Applied 
Ergonomics, v. 24, p. 91\u201399, 1993. 
MEISTER, D. Conceptual aspects of human factors. Johns Hopkins 
University Press: Baltimore, 1989. 
MONTMOLLIN, M. A Ergonomia. Paris: La Découverte, 1990. 160p. 
MORAES, A.; MONT\u2019ALVÃO, C. Ergonomia: conceitos e aplicações. 
Rio de Janeiro: 2AB Editora LTDA, 1998, 119p. 
MURRELL, K. F. H. Human performance in industry. Reinhold 
publishing: New York, 1997. 
NADLER, D. A.; LAWLER, E. E. Quality of work life: perspectives and 
directions. Organizational Dynamics, v. 11, n. 3, p. 20-30, 1983. 
OLIVEIRA-CASTRO, G. A.; PILATI, R.; BORGES-ANDRADE, J. E. 
Percepção de suporte organizacional: desenvolvimento e 
validação de um questionário. Revista de Administração 
Contemporânea, v. 3, n. 2, P. 29-51, 1999. 
E n g e n h a r i a d e P r o d u ç ã o | 95 
 
 
 
PAFFENBARGER Jr., R. S.; HALE, W. E. Work activity and coronary 
heart disease. New England Journal of Medicine, v. 292, p.545-
550, 1975. 
PAFFENBARGER, R. S.; WING, A. L.; HYDE, R. T. Physical activity as 
an index of heart attack risk in college alumni. American Journal 
of Epidemiology,