A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
282 pág.
Código de Processo Civil Comparado

Pré-visualização | Página 26 de 50

tribunal. 
 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. 4.a versão (10.04.2015). É permitida a distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente 
trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos 
disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas para novocpc@medina.adv.br. 
48 
CPC/2015 CPC/1973 
Art. 211. Não se admitem nos atos e termos processuais espaços em branco, salvo os 
que forem inutilizados, assim como entrelinhas, emendas ou rasuras, exceto quando 
expressamente ressalvadas. 
Art. 171. Não se admitem, nos atos e termos, espaços em branco, bem como 
entrelinhas, emendas ou rasuras, salvo se aqueles forem inutilizados e estas 
expressamente ressalvadas. 
CAPÍTULO II CAPÍTULO II 
DO TEMPO E DO LUGAR DOS ATOS PROCESSUAIS DO TEMPO E DO LUGAR DOS ATOS PROCESSUAIS 
Seção I Seção I 
Do Tempo Do Tempo 
Art. 212. Os atos processuais serão realizados em dias úteis, das 6 (seis) às 20 (vinte) 
horas. 
Art. 172. Os atos processuais realizar-se-ão em dias úteis, das 6 (seis) às 20 (vinte) 
horas. 
§ 1º Serão concluídos após as 20 (vinte) horas os atos iniciados antes, quando o 
adiamento prejudicar a diligência ou causar grave dano. 
§ 1o Serão, todavia, concluídos depois das 20 (vinte) horas os atos iniciados antes, 
quando o adiamento prejudicar a diligência ou causar grave dano. 
§ 2º Independentemente de autorização judicial, as citações, intimações e 
penhoras poderão realizar-se no período de férias forenses, onde as houver, e nos 
feriados ou dias úteis fora do horário estabelecido neste artigo, observado o disposto 
no art. 5º, inciso XI, da Constituição Federal. 
§ 2o A citação e a penhora poderão, em casos excepcionais, e mediante 
autorização expressa do juiz, realizar-se em domingos e feriados, ou nos dias úteis, 
fora do horário estabelecido neste artigo, observado o disposto no art. 5o, inciso Xl, 
da Constituição Federal. 
§ 3º Quando o ato tiver de ser praticado por meio de petição em autos não 
eletrônicos, essa deverá ser protocolada no horário de funcionamento do fórum ou 
tribunal, conforme o disposto na lei de organização judiciária local. 
§ 3o Quando o ato tiver que ser praticado em determinado prazo, por meio de 
petição, esta deverá ser apresentada no protocolo, dentro do horário de 
expediente, nos termos da lei de organização judiciária local. 
Art. 213. A prática eletrônica de ato processual pode ocorrer em qualquer horário 
até as 24 (vinte e quatro) horas do último dia do prazo. 
 
Parágrafo único. O horário vigente no juízo perante o qual o ato deve ser praticado 
será considerado para fins de atendimento do prazo. 
 
Art. 214. Durante as férias forenses e nos feriados, não se praticarão atos processuais, 
excetuando-se: 
Art. 173. Durante as férias e nos feriados não se praticarão atos processuais. 
Excetuam-se: 
 I - a produção antecipada de provas (art. 846); 
I – os atos previstos no art. 212, § 2º; II - a citação, a fim de evitar o perecimento de direito; e bem assim o arresto, o 
seqüestro, a penhora, a arrecadação, a busca e apreensão, o depósito, a prisão, a 
separação de corpos, a abertura de testamento, os embargos de terceiro, a 
nunciação de obra nova e outros atos análogos. 
II – a tutela de urgência. 
 Parágrafo único. O prazo para a resposta do réu só começará a correr no primeiro 
dia útil seguinte ao feriado ou às férias. 
Art. 215. Processam-se durante as férias forenses, onde as houver, e não se 
suspendem pela superveniência delas: 
Art. 174. Processam-se durante as férias e não se suspendem pela superveniência 
delas: 
I – os procedimentos de jurisdição voluntária e os necessários à conservação de 
direitos, quando puderem ser prejudicados pelo adiamento; 
I - os atos de jurisdição voluntária bem como os necessários à conservação de 
direitos, quando possam ser prejudicados pelo adiamento; 
II – a ação de alimentos e os processos de nomeação ou remoção de tutor e 
curador; 
II - as causas de alimentos provisionais, de dação ou remoção de tutores e 
curadores, bem como as mencionadas no art. 275; 
III – os processos que a lei determinar. III - todas as causas que a lei federal determinar. 
Art. 216. Além dos declarados em lei, são feriados, para efeito forense, os sábados, 
os domingos e os dias em que não haja expediente forense. 
Art. 175. São feriados, para efeito forense, os domingos e os dias declarados por lei. 
Seção II Seção II 
Do Lugar Do Lugar 
 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. 4.a versão (10.04.2015). É permitida a distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente 
trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos 
disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas para novocpc@medina.adv.br. 
49 
CPC/2015 CPC/1973 
Art. 217. Os atos processuais realizar-se-ão ordinariamente na sede do juízo, ou, 
excepcionalmente, em outro lugar em razão de deferência, de interesse da justiça, 
da natureza do ato ou de obstáculo arguido pelo interessado e acolhido pelo juiz. 
Art. 176. Os atos processuais realizam-se de ordinário na sede do juízo. Podem, 
todavia, efetuar-se em outro lugar, em razão de deferência, de interesse da justiça, 
ou de obstáculo argüido pelo interessado e acolhido pelo juiz. 
CAPÍTULO III CAPÍTULO III 
DOS PRAZOS DOS PRAZOS 
Seção I Seção I 
Disposições Gerais Das Disposições Gerais 
Art. 218. Os atos processuais serão realizados nos prazos prescritos em lei. Art. 177. Os atos processuais realizar-se-ão nos prazos prescritos em lei. Quando esta 
for omissa, o juiz determinará os prazos, tendo em conta a complexidade da causa. 
§ 1º Quando a lei for omissa, o juiz determinará os prazos em consideração à 
complexidade do ato. 
 
§ 2º Quando a lei ou o juiz não determinar prazo, as intimações somente obrigarão 
a comparecimento após decorridas 48 (quarenta e oito) horas. 
Art. 192. Quando a lei não marcar outro prazo, as intimações somente obrigarão a 
comparecimento depois de decorridas 24 (vinte e quatro) horas. 
§ 3º Inexistindo preceito legal ou prazo determinado pelo juiz, será de 5 (cinco) dias 
o prazo para a prática de ato processual a cargo da parte. 
Art. 185. Não havendo preceito legal nem assinação pelo juiz, será de 5 (cinco) dias 
o prazo para a prática de ato processual a cargo da parte. 
§ 4º Será considerado tempestivo o ato praticado antes do termo inicial do prazo. 
 Art. 178. O prazo, estabelecido pela lei ou pelo juiz, é contínuo, não se interrompendo 
nos feriados. 
Art. 219. Na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz, computar-
se-ão somente os dias úteis. 
 
Parágrafo único. O disposto neste artigo aplica-se somente aos prazos processuais. 
Art. 220. Suspende-se o curso do prazo processual nos dias compreendidos entre 20 
de dezembro e 20 de janeiro, inclusive. 
Art. 179. A superveniência de férias suspenderá o curso do prazo; o que Ihe sobejar 
recomeçará a correr do primeiro dia útil seguinte ao termo das férias. 
§ 1º Ressalvadas as férias individuais e os feriados instituídos por lei, os juízes, os 
membros do Ministério Público, da Defensoria Pública e da Advocacia Pública e os 
auxiliares da Justiça exercerão suas atribuições