A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
282 pág.
Código de Processo Civil Comparado

Pré-visualização | Página 38 de 50

eficácia no prazo do artigo 
antecedente e na pendência do processo principal; mas podem, a qualquer 
tempo, ser revogadas ou modificadas. 
 Parágrafo único. Salvo decisão judicial em contrário, a medida cautelar conservará 
a eficácia durante o período de suspensão do processo. 
Art. 309. Cessa a eficácia da tutela concedida em caráter antecedente, se: Art. 808. Cessa a eficácia da medida cautelar: 
I – o autor não deduzir o pedido principal no prazo legal; I - se a parte não intentar a ação no prazo estabelecido no art. 806; 
II – não for efetivada dentro de 30 (trinta) dias; II - se não for executada dentro de 30 (trinta) dias; 
III – o juiz julgar improcedente o pedido principal formulado pelo autor ou extinguir o 
processo sem resolução de mérito. 
III - se o juiz declarar extinto o processo principal, com ou sem julgamento do mérito. 
Parágrafo único. Se por qualquer motivo cessar a eficácia da tutela cautelar, é 
vedado à parte renovar o pedido, salvo sob novo fundamento. 
Parágrafo único. Se por qualquer motivo cessar a medida, é defeso à parte repetir 
o pedido, salvo por novo fundamento. 
Art. 310. O indeferimento da tutela cautelar não obsta a que a parte formule o 
pedido principal, nem influi no julgamento desse, salvo se o motivo do indeferimento 
for o reconhecimento de decadência ou de prescrição. 
Art. 810. O indeferimento da medida não obsta a que a parte intente a ação, nem 
influi no julgamento desta, salvo se o juiz, no procedimento cautelar, acolher a 
alegação de decadência ou de prescrição do direito do autor. 
 Art. 809. Os autos do procedimento cautelar serão apensados aos do processo 
principal. 
 Art. 812. Aos procedimentos cautelares específicos, regulados no capítulo seguinte, 
aplicam-se as disposições gerais deste capítulo. 
TÍTULO III 
DA TUTELA DA EVIDÊNCIA 
Art. 311. A tutela da evidência será concedida, independentemente da 
demonstração de perigo de dano ou de risco ao resultado útil do processo, quando: 
Art. 273. O juiz poderá, a requerimento da parte, antecipar, total ou parcialmente, 
os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, desde que, existindo prova 
inequívoca, se convença da verossimilhança da alegação e: 
 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. 4.a versão (10.04.2015). É permitida a distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente 
trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos 
disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas para novocpc@medina.adv.br. 
69 
CPC/2015 CPC/1973 
I – ficar caracterizado o abuso do direito de defesa ou o manifesto propósito 
protelatório da parte; 
II - fique caracterizado o abuso de direito de defesa ou o manifesto propósito 
protelatório do réu. 
 § 6o A tutela antecipada também poderá ser concedida quando um ou mais dos 
pedidos cumulados, ou parcela deles, mostrar-se incontroverso. 
II – as alegações de fato puderem ser comprovadas apenas documentalmente e 
houver tese firmada em julgamento de casos repetitivos ou em súmula vinculante; 
 
III – se tratar de pedido reipersecutório fundado em prova documental adequada 
do contrato de depósito, caso em que será decretada a ordem de entrega do 
objeto custodiado, sob cominação de multa; 
 
IV – a petição inicial for instruída com prova documental suficiente dos fatos 
constitutivos do direito do autor, a que o réu não oponha prova capaz de gerar 
dúvida razoável. 
 
Parágrafo único. Nas hipóteses dos incisos II e III, o juiz poderá decidir liminarmente. 
 CAPÍTULO II 
 DOS PROCEDIMENTOS CAUTELARES ESPECÍFICOS 
 Seção I 
 Do Arresto 
 Art. 813. O arresto tem lugar: 
 I - quando o devedor sem domicílio certo intenta ausentar-se ou alienar os bens que 
possui, ou deixa de pagar a obrigação no prazo estipulado; 
 II - quando o devedor, que tem domicílio: 
 a) se ausenta ou tenta ausentar-se furtivamente; 
 b) caindo em insolvência, aliena ou tenta alienar bens que possui; contrai ou tenta 
contrair dívidas extraordinárias; põe ou tenta pôr os seus bens em nome de terceiros; 
ou comete outro qualquer artifício fraudulento, a fim de frustrar a execução ou lesar 
credores; 
 III - quando o devedor, que possui bens de raiz, intenta aliená-los, hipotecá-los ou 
dá-los em anticrese, sem ficar com algum ou alguns, livres e desembargados, 
equivalentes às dívidas; 
 IV - nos demais casos expressos em lei. 
 Art. 814. Para a concessão do arresto é essencial: 
 I - prova literal da dívida líquida e certa; 
 II - prova documental ou justificação de algum dos casos mencionados no artigo 
antecedente. 
 Parágrafo único. Equipara-se à prova literal da dívida líquida e certa, para efeito de 
concessão de arresto, a sentença, líquida ou ilíquida, pendente de recurso, 
condenando o devedor ao pagamento de dinheiro ou de prestação que em 
dinheiro possa converter-se. 
 Art. 815. A justificação prévia, quando ao juiz parecer indispensável, far-se-á em 
segredo e de plano, reduzindo-se a termo o depoimento das testemunhas. 
 Art. 816. O juiz concederá o arresto independentemente de justificação prévia: 
 I - quando for requerido pela União, Estado ou Município, nos casos previstos em lei; 
 II - se o credor prestar caução (art. 804). 
 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. 4.a versão (10.04.2015). É permitida a distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente 
trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos 
disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas para novocpc@medina.adv.br. 
70 
CPC/2015 CPC/1973 
 Art. 817. Ressalvado o disposto no art. 810, a sentença proferida no arresto não faz 
coisa julgada na ação principal. 
 Art. 818. Julgada procedente a ação principal, o arresto se resolve em penhora. 
 Art. 819. Ficará suspensa a execução do arresto se o devedor: 
 I - tanto que intimado, pagar ou depositar em juízo a importância da dívida, mais os 
honorários de advogado que o juiz arbitrar, e custas; 
 II - der fiador idôneo, ou prestar caução para garantir a dívida, honorários do 
advogado do requerente e custas. 
 Art. 820. Cessa o arresto: 
 I - pelo pagamento; 
 II - pela novação; 
 III - pela transação. 
 Art. 821. Aplicam-se ao arresto as disposições referentes à penhora, não alteradas 
na presente Seção. 
 Seção II 
 Do Seqüestro 
 Art. 822. O juiz, a requerimento da parte, pode decretar o seqüestro: 
 I - de bens móveis, semoventes ou imóveis, quando Ihes for disputada a propriedade 
ou a posse, havendo fundado receio de rixas ou danificações; 
 II - dos frutos e rendimentos do imóvel reivindicando, se o réu, depois de condenado 
por sentença ainda sujeita a recurso, os dissipar; 
 III - dos bens do casal, nas ações de separação judicial e de anulação de 
casamento, se o cônjuge os estiver dilapidando; 
 IV - nos demais casos expressos em lei. 
 Art. 823. Aplica-se ao seqüestro, no que couber, o que este Código estatui acerca 
do arresto. 
 Art. 824. Incumbe ao juiz nomear o depositário dos bens seqüestrados. A escolha 
poderá, todavia, recair: 
 I - em pessoa indicada, de comum acordo, pelas partes; 
 II - em uma das partes, desde que ofereça maiores garantias e preste caução 
idônea. 
 Art. 825.