A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
282 pág.
Código de Processo Civil Comparado

Pré-visualização | Página 43 de 50

novocpc@medina.adv.br. 
79 
CPC/2015 CPC/1973 
§ 2º Quando, para cada pedido, corresponder tipo diverso de procedimento, será 
admitida a cumulação se o autor empregar o procedimento comum, sem prejuízo 
do emprego das técnicas processuais diferenciadas previstas nos procedimentos 
especiais a que se sujeitam um ou mais pedidos cumulados, que não forem 
incompatíveis com as disposições sobre o procedimento comum. 
§ 2o Quando, para cada pedido, corresponder tipo diverso de procedimento, 
admitir-se-á a cumulação, se o autor empregar o procedimento ordinário. 
§ 3º O inciso I do § 1º não se aplica às cumulações de pedidos de que trata o art. 
326. 
 
Art. 328. Na obrigação indivisível com pluralidade de credores, aquele que não 
participou do processo receberá sua parte, deduzidas as despesas na proporção de 
seu crédito. 
Art. 291. Na obrigação indivisível com pluralidade de credores, aquele que não 
participou do processo receberá a sua parte, deduzidas as despesas na proporção 
de seu crédito. 
Art. 329. O autor poderá: Art. 294. Antes da citação, o autor poderá aditar o pedido, correndo à sua conta as 
custas acrescidas em razão dessa iniciativa. 
I – até a citação, aditar ou alterar o pedido ou a causa de pedir, 
independentemente de consentimento do réu; 
 
II – até o saneamento do processo, aditar ou alterar o pedido e a causa de pedir, 
com consentimento do réu, assegurado o contraditório mediante a possibilidade de 
manifestação deste no prazo mínimo de 15 (quinze) dias, facultado o requerimento 
de prova suplementar. 
Art. 264. Feita a citação, é defeso ao autor modificar o pedido ou a causa de pedir, 
sem o consentimento do réu, mantendo-se as mesmas partes, salvo as substituições 
permitidas por lei. 
Parágrafo único. Aplica-se o disposto neste artigo à reconvenção e à respectiva 
causa de pedir. 
Parágrafo único. A alteração do pedido ou da causa de pedir em nenhuma 
hipótese será permitida após o saneamento do processo. 
Seção III Seção III 
Do Indeferimento da Petição Inicial Do Indeferimento da Petição Inicial 
Art. 330. A petição inicial será indeferida quando: Art. 295. A petição inicial será indeferida: 
I – for inepta; I - quando for inepta; 
II – a parte for manifestamente ilegítima; II - quando a parte for manifestamente ilegítima; 
III – o autor carecer de interesse processual; III - quando o autor carecer de interesse processual; 
 IV - quando o juiz verificar, desde logo, a decadência ou a prescrição (art. 219, § 5o); 
 V - quando o tipo de procedimento, escolhido pelo autor, não corresponder à 
natureza da causa, ou ao valor da ação; caso em que só não será indeferida, se 
puder adaptar-se ao tipo de procedimento legal; 
IV – não atendidas as prescrições dos arts. 106 e 321. Vl - quando não atendidas as prescrições dos arts. 39, parágrafo único, primeira 
parte, e 284. 
§ 1º Considera-se inepta a petição inicial quando: Parágrafo único. Considera-se inepta a petição inicial quando: 
I – lhe faltar pedido ou causa de pedir; I - Ihe faltar pedido ou causa de pedir; 
II – o pedido for indeterminado, ressalvadas as hipóteses legais em que se permite o 
pedido genérico; 
 
III – da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão II - da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão; 
 III - o pedido for juridicamente impossível; 
IV – contiver pedidos incompatíveis entre si. IV - contiver pedidos incompatíveis entre si. 
§ 2º Nas ações que tenham por objeto a revisão de obrigação decorrente de 
empréstimo, de financiamento ou de alienação de bens, o autor terá de, sob pena 
de inépcia, discriminar na petição inicial, dentre as obrigações contratuais, aquelas 
que pretende controverter, além de quantificar o valor incontroverso do débito. 
Art. 285-B. Nos litígios que tenham por objeto obrigações decorrentes de 
empréstimo, financiamento ou arrendamento mercantil, o autor deverá discriminar 
na petição inicial, dentre as obrigações contratuais, aquelas que pretende 
controverter, quantificando o valor incontroverso. 
 
Quadro comparativo elaborado pela grupo de pesquisa do Prof. José Miguel Garcia Medina. 4.a versão (10.04.2015). É permitida a distribuição ou reprodução, total ou parcial, do presente 
trabalho, desde que a título gratuito e citada a fonte, sendo vedada sua comercialização. O quadro comparativo foi elaborado com base em informações colhidas nas versões dos projetos 
disponíveis no site do Senado Federal e nos textos das Leis 5.869/1973 e 13.105/2015 disponíveis no site da Presidência da República. Sugestões poderão ser enviadas para novocpc@medina.adv.br. 
80 
CPC/2015 CPC/1973 
§ 3º Na hipótese do § 2º, o valor incontroverso deverá continuar a ser pago no tempo 
e modo contratados. 
§ 1º O valor incontroverso deverá continuar sendo pago no tempo e modo 
contratados. 
 § 2o O devedor ou arrendatário não se exime da obrigação de pagamento dos 
tributos, multas e taxas incidentes sobre os bens vinculados e de outros encargos 
previstos em contrato, exceto se a obrigação de pagar não or de sua 
responsabilidade, conforme contrato, ou for objeto de suspensão em medida 
liminar, em medida cautelar ou antecipação dos efeitos da tutela. 
Art. 331. Indeferida a petição inicial, o autor poderá apelar, facultado ao juiz, no 
prazo de 5 (cinco) dias, retratar-se. 
Art. 296. Indeferida a petição inicial, o autor poderá apelar, facultado ao juiz, no 
prazo de 48 (quarenta e oito) horas, reformar sua decisão. 
§ 1º Se não houver retratação, o juiz mandará citar o réu para responder ao recurso. Parágrafo único. Não sendo reformada a decisão, os autos serão imediatamente 
encaminhados ao tribunal competente. 
§ 2º Sendo a sentença reformada pelo tribunal, o prazo para a contestação 
começará a correr da intimação do retorno dos autos, observado o disposto no art. 
334. 
 
§ 3º Não interposta a apelação, o réu será intimado do trânsito em julgado da 
sentença. 
 
CAPÍTULO III 
DA IMPROCEDÊNCIA LIMINAR DO PEDIDO 
Art. 332. Nas causas que dispensem a fase instrutória, o juiz, independentemente da 
citação do réu, julgará liminarmente improcedente o pedido que contrariar: 
Art. 285-A. Quando a matéria controvertida for unicamente de direito e no juízo já 
houver sido proferida sentença de total improcedência em outros casos idênticos, 
poderá ser dispensada a citação e proferida sentença, reproduzindo-se o teor da 
anteriormente prolatada. 
I – enunciado de súmula do Supremo Tribunal Federal ou do Superior Tribunal de 
Justiça; 
 
II – acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou pelo Superior Tribunal de 
Justiça em julgamento de recursos repetitivos; 
 
III – entendimento firmado em incidente de resolução de demandas repetitivas ou 
de assunção de competência; 
 
IV – enunciado de súmula de tribunal de justiça sobre direito local. 
§ 1º O juiz também poderá julgar liminarmente improcedente o pedido se verificar, 
desde logo, a ocorrência de decadência ou de prescrição. 
 
§ 2º Não interposta a apelação, o réu será intimado do trânsito em julgado da 
sentença, nos termos do art. 241. 
 
§ 3º Interposta a apelação, o juiz poderá retratar-se em 5 (cinco) dias. § 1º Se o autor apelar, é facultado ao juiz decidir, no prazo de 5 (cinco) dias, não 
manter a sentença e determinar o prosseguimento da ação. 
§ 4º Se houver retratação, o juiz determinará o prosseguimento do processo, com a 
citação do réu, e, se não houver retratação, determinará a citação do réu para 
apresentar contrarrazões, no prazo de 15 (quinze) dias. 
§ 2º Caso seja mantida a sentença, será ordenada a citação do réu para responder 
ao recurso. 
CAPÍTULO IV 
DA CONVERSÃO DA AÇÃO INDIVIDUAL EM AÇÃO COLETIVA 
Art. 333. (VETADO)