DistúrbioCirculatorio
2 pág.

DistúrbioCirculatorio


DisciplinaPatologia Geral3.186 materiais174.302 seguidores
Pré-visualização2 páginas
ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS E DISTÚRBIOS
HEMODINÂMICOS

Prof. Marcos Cezar F. P. Machado

DISTÚRBIOS CIRCULATÓRIOS
São alterações que envolvem a hemodinâmica e a manutenção do
fluxo sanguíneo e da rede de vasos de irrigação dos tecidos.

PRINCIPAIS PROCESSOS PATOLÓGICOS
- HIPEREMIA (Congestão)
- EDEMA (Hidropsia)
- HEMORRAGIA (\u201cDerrame\u201d)
- CHOQUE (Síndrome da Insuficiência Vascular Periférica Aguda)
- TROMBOSE (Hipercoagulabilidade)
- ISQUEMIA (Anemia ou oligoemia local)
- INFARTO (enfarte, mas nunca enfarto)

HIPEREMIA (Congestão)
Aumento do volume sangüíneo localizado num órgão ou parte dele, com

conseqüente dilatação vascular, por alteração no sistema PA x Resistência
Pré e Pós capilar

Classificação
\u2022 Hiperemia Ativa (ou Arterial)
Aumento do afluxo sangüíneo arterial por aumento da Pressão Arterial e/ou

diminuição da Resistência Pré capilar.

Aumento do suprimento de Oxigênioe nutrientes, paralelamente á demanda
de maior trabalho (Exemplos: Tubo gastrointestinal durante a digestão,

Musculatura esquelética durante exercícios físicos)

Aumento do afluxo sangüíneo devido à liberação local de mediadores
bioquímicos da inflamação (Exemplos: Injúria térmica (queimaduras ou

congelamento), Irradiações intensas, traumatismos, infecções,Inflamação aguda)

\u2022 Hiperemia passiva (congestão)
Conceitos: Diminuição da drenagem venosa por aumento da Resistência Pós

Capilar.
H. Passiva local
Garroteamento na punção venosa;
Torção de vísceras (H. Passiva aguda); Trombos venosos, embolias em

sistema porta, Postura (ação da força da gravidade), flebectasias (varizes).
Características macroscópicas
Aumento de volume e Cianose (gr. "Kyanòsis" = azulado).

Conseqüências:

\u2022 Edema (ativa e passiva). O aumento da Pressão Hidrostática eleva a filtração
e reduz a reabsorção capilar.

\u2022 Hemorragias (ativa e passiva). Por diapedese ou por ruptura de capilares e
pequenas vênulas.

\u2022 Degenerações, Necrose, Hipotrofias e Fibrose (passiva). Por redução do
afluxo de O2 e nutrientes.

\u2022Trombose e Flebectasias (passiva). Por diminuição da velocidade do fluxo.

EDEMA (Hidropsia)
Acúmulo anormal de líquido (água + sais ± proteínas) no compartimento

extracelular intersticial e/ou nas cavidades corporais.

Distribuição da água % do peso corporal
água intracelular 40%

água extracelular
15%água intersticial

água intravascular 5%

Nomenclatura:

Prefixo HIDRO + Cavidade afetada (exemplos: Hidrotórax, hidrocele, hidrocefalia);

EDEMA de + Órgão afetado" ou HIDRÓPICO. (ex.: edema pulmonar ou pulmão
hidrópico);

ANASARCA = edema generalizado.

ASCITE (tumefação abdominal) = o mesmo que hidroperitônio.

Quando as quantidade de líquido extravasada é superior à
drenagem linfática surge o edema.

CATEGORIAS FISIOPATOLÓGICAS DO
EDEMA

\ufffdAumento da pressão hidrostática intravascular

\ufffd Redução da pressão oncótica do plasma

\ufffd Obstrução da drenagem linfática

\ufffdMaior retenção de sódio e água

\ufffd Inflamação

AUMENTO DA PRESSÃO HIDROSTÁTICA
INTRAVASCULAR

Aumento localdapressãohidrostática:muitocomumnatrombosequepode
levaraoedemalocalizado.

Aumento generalizado da pressão venosa-> edema sistêmico. Comum na
insuficiênciacardíacacongestiva.

1- insuficiência cardíaca -> \u2193 débito cardíaco-> \u2193 volume
sanguíneo -> \u2191 renina -> \u2191 aldosterona -> \u2191 reabsorção renal de
sódio e água-> \u2191 volume plasmático-> extravasamento

plasmático -> \u2191\u2191 edema

PRESSÃO COLOIDOSMÓTICA REDUZIDA

Resultante da perda excessiva ou síntese diminuída de
albumina e outras proteínas.

Observada na síndrome nefrótica, lesões gastrintestinais,
cirrose, desnutrição proteica.

Capilares glomerulares alterados estruturalmente e/ou físico-
quimicamente -> grande perda de proteínas plasmáticas -> \u2193
pressão oncótica do plasma -> edema (pode ser intenso
incluindo hidroperitônio e hidrotórax)

OBSTRUÇÃO LINFÁTICA

Por obstrução inflamatória ou neoplásica causando linfedema. Ex:
filariose, Cânceres de mama, radioterapia dentre outros.

FILARIOSE

\u2022 Causada pela Wuchereria bancrofti e pela Wuchereria malaya
\u2022 Linfangite acompanhada de linfedema.

\u2022 Obstrução linfática provocada pelo alojamento de microfilárias
nos vasos linfáticos.
\u2022Afeta principalmente os membros inferiores e superiores, órgãos
genitais e menos frequentemente as mamas e face.

RETENÇÃO DE SÓDIO E ÁGUA

Primariamente como causa principal aumento da retenção
de sal. Sempre que a função renal é comprometida.

Secundariamente: contribui e agrava outros edemas

\u2191 sódio -> \u2191 água -> \u2191pressão hidrostática e \u2193 pressão
coloidosmótica (diluição)

A retenção de sal pode ocorrer devido a qualquer redução
aguda da função renal. Ex: insuficiência renal aguda

HEMORRAGIA (\u201cDerrame\u2019)
Extravasamento sangüíneo para fora do sistema cardiovascular.

Classificação e nomenclatura:
\u2022Quanto à origem

venosa,
arterial,
capilar,
cardíaca.

Quanto à relação com o organismo

Externas ou superficiais,
Internas com fluxo externo: exemplos: gastrorragia com hematêmese,

gastrorragia com melena, otorragia, epistaxe ou rinorragia, pneumorragia
com hemoptise, nefrorragia com hematúria, etc...

\u2022Ocultas (i.e., sem fluxo externo): viscerais (superficiais, parenquimatosas
ou intersticiais) e ainda as cavitárias. Utiliza-se o prefixo Hemo ou Hemato

acrescido de termo designativo da cavidade afetada.

\u2022Quanto à morfologia:

Mais aplicável às viscerais e tegumentares.

Petéquias: mancha roxa ou hemorragia puntiforme. Hemorragias
minúsculas, de 1 a 2 mm de diâmetro, esparsas.

Púrpuras: até aproximadamente 1 cm de diâmetro ou reunião de
petéquias mais densamente.

Hematoma: É o acúmulo de sangue nos tecidos moles. Quando
subcutâneos recebem o nome de EQUIMOSE.

Apoplexia: Hemorragia massiva, grave, intensa, com destruição orgânica
e manifestações gerais graves.

PETÉQUIAS/PÚRPURAS

EQUIMOSES

HEMATOMA

Hematomas

CHOQUE (Síndrome da Insuficiência Vascular Periférica Aguda)
Deficiência circulatória aguda da perfusão tecidual, grave e generalizada,

resultante da redução do débito cardíaco, seja por diminuição da
capacidade de bombeamento sangüíneo do coração ou por diminuição do
retorno venoso.

Diminuição da função miocardíaca (Choque Cardiogênico)

Diminuição da capacidade cardíaca: Infartos no miocardio, Arritmia
ventriculares).

Obstrução ao fluxo sangüíneo: Embolia pulmonar grave, pneumotórax,
tamponamento cardíaco (hidro e/ou hemopericardio).

ETIOPATOGENIA

Diminuição do retorno venoso
Diminuição do volume sangüíneo (Choque Hipovolêmico):

Por perdas extensas de líquido: Hemorragia grave
(Choque Hemorrágico), queimaduras extensas, intoxicação com
diuréticos, diarréias intensas e vômitos

Por seqüestro interno: Ascite, hemotórax e hemoperitonio.

Queda do tônus vasomotor (Choque Neurogênico), com expansão do leito
vascular (vasodilatação) e hipovolemia relativa (retenção da volemia em
vasos periféricos)

Anafilaxia (Choque Anafilático),

Choque Séptico - Devido infecções graves (bacteriana ou fúngica) há uma
reação imunológica sistêmica devido a isso ocorre um acúmulo

sanguíneo periférico .
OBS: representa aprox. 20% de índice de mortalidade e é o primeiro na
lista de causa morte em pacientes da UTI.

Choque hipovolêmico por
queimadura extensa

TROMBOSE

Coagulação intravascular do sangue em um indivíduo vivo.

Patogênese

O aumento na intensidade de ação desse sistema, aliado à
diminuição da velocidade sanguínea, induz a formação de um tampão

sólido \u2014 O TROMBO \u2014 anormal que, ao mesmo tempo que exerce sua
função selante, impede também o bom funcionamento dos vasos e da

circulação sanguínea.

Etiopatogenia:

A trombose é uma conseqüência de 3 tipos de alterações ("Tríade de Virchow"),
agindo