faculdade fael psicologia da educaçao
5 pág.

faculdade fael psicologia da educaçao


DisciplinaPsicologia da Educação Fael33 materiais231 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Psicologia da educação: Conceitos, Objetivos, Funções e Finalidades
Psicologia da educação: Conceitos, Objetivos, Funções e Finalidades PSICOLOGIA
De acordo com Antunes (2007 apud BARBOSA 2012 p. 163 \u2013 173) a Psicologia Educacional pode ser descrita como uma subárea da psicologia que é considerada uma área de conhecimento a qual entendemos como corpus sistemático e organizado de saberes científicos, produzidos de acordo com procedimentos definidos, referentes à determinados fenômenos ou conjunto de fenômenos constituintes da realidade, fundamentado em questões ontológicas, epistemológicas, metodológicas e éticas determinadas. É importante considerarmos as diversas concepções, abordagens e teorias que constituem esta área de conhecimento.
Assim podemos afirmar que a Psicologia da Educação ou Psicologia Educacional é uma subárea de conhecimento, que tem como vocação a produção de saberes relativos aos fenômenos psicológicos constituinte do processo educativo.
Diferentemente da Psicologia da Educação/Educacional, a Psicologia Escolar é definida pelo âmbito profissional com um campo de ação determinado, ou seja, é a escola e as relações que aí se estabelecem; baseia sua atuação nos fundamentos teóricos adquiridos através da Psicologia da Educação e por outras subáreas da psicologia necessárias para o desenvolvimento das atividades (ANTUNES 2007, apud BARBOSA, 2012 p. 163 \u2013 173).
O autor nos diz ainda que a Psicologia Educacional e a Psicologia da Escolar estão intimamente relacionadas, mas não são iguais, não podendo reduzir-se uma à outra, pois cada uma possui sua autonomia. A primeira é a área do conhecimento que tem como objetivo compreender os fenômenos psicológicos envolvidos no processo educativo. A outra é considerada um campo de atuação profissional, sendo possível realização de intervenções no espaço escolar ou a ele relacionado.
Segundo Santrock (2010, p. 2) \u201ca psicologia é o estudo científico do comportamento e dos processos mentais. A Psicologia Educacional é o ramo da psicologia dedicado à compreensão do ensino e da aprendizagem no ambiente educacional\u201d. Temos então uma área muito abrangente que quando descrita em seus mínimos detalhes pode nos render um livro com milhares de páginas.
Mesmo com esta íntima relação entre psicologia e educação Bock (2003, p. 78) afirma que nem sempre foi assim: 
Enquanto a concepção dominante, na educação ocidental, foi a chamada Escola Tradicional, não houve necessidade de uma Psicologia para acompanhar a prática educativa. A Psicologia só se tornou necessária quando o Movimento da Escola Nova revolucionou a educação e construiu demandas específicas para a psicologia do desenvolvimento e da aprendizagem.
A autora explica que a Educação Tradicional compreende experiências e concepções pedagógicas que a caracterizam e de certa forma orientaram a educação desde o século XVIII até o século XX. Processos educativos que tiveram espaço principalmente nas escolas religiosas.
Esta concepção tradicional pensou na educação como um trabalho de desenraizamento do mal natural do ser humano. Acreditava-se que o homem nascia dotado de uma natureza humana dupla: uma parte era corrompida pelo pecado original e a outra era considerada essencial, consideravelmente boa e construtiva.
À educação cabia somente desenvolver a parte boa do ser humano, impedindo que a parte corrompida se manifestasse nas pessoas, e para isso utilizou-se o instrumento básico do saber. O conhecimento era visto como único instrumento capaz de dar ao homem o autocontrole necessário para aquilo que é ruim no homem fosse controlado.
A Pedagogia da Escola tradicional já recebia o aluno como um ser humano corrompido. Suas ações no ambiente escolar de certa forma demonstravam isto: alunos inquietos, ora curiosos, ora destrutivos, indisciplinados, se deixados sozinhos, sem regras e sem vigilância. Perversos, com hábitos inaceitáveis como pegar as coisas dos outros indevidamente, masturbar-se, não respeitarem os mais velhos e autoridades, não cumprir com as tarefas e responsabilidades.
Estes alunos deveriam ser expostos a um modelo de aperfeiçoamento humano para poderem desenvolver sua parte da natureza humana essencial. Este modelo era desenvolvido pelos professores e alguém escolhido para dar nome à escola e que deveria ser cultuado e seus feitos deveriam ser divulgados aos alunos para que eles conhecessem e soubessem sempre que modelo a seguir. Por isso, as escolas públicas sempre levam o nome de alguém (geralmente de um homem) considerado aprimorado pela cultura (BOCK, 2003).
Esta escola era regida ainda por outros princípios, conforme nos cita Bock (2003): disciplinas e regras rígidas para que os alunos pudessem ir corrigindo seus desvios. Princípios e códigos morais eram estabelecidos, impostos, divulgados e repetidos exaustivamente. Deveriam a ser aprendidos a qualquer custo, e para garantir que os resultados fossem alcançados, eram contratados vigilantes disciplinares como agentes educacionais da escola.
Para que a Psicologia? Na verdade não havia necessidade alguma de qualquer conhecimento sobre o ser humano e seu desenvolvimento, de modo que já se sabia tudo sobre a natureza corrompida e também já se sabia de seu potencial para criar, cooperar, ser honesto, desenvolver relações estáveis e saudáveis, respeitar a autoridade, ser intelectualmente aprimorado e ser dotado de coerência.
O campo da Psicologia Educacional foi criado por grandes estudiosos e pioneiros da Psicologia no final do século IX. Os três principais pioneiros de destaque no início da história da Psicologia Educacional são Willian James, John Dewey e Edward Lee Thorndike. James lançou um livro intitulado Principles of Psychology e ministrou diversas palestras através de uma série intitulada Talks to Teacher, em que discutia as aplicações da psicologia na educação de crianças, argumentando que os experimentos laboratoriais em psicologia muitas vezes não conseguem nos dizer, de maneira eficiente, como ensinar as crianças. Enfatizou ainda a importância de se observar o processo de ensino/aprendizagem em sala de aula para aprimorar a educação, trazendo como recomendação que os professores iniciem as aulas em um ponto além do nível de conhecimento e compreensão da criança a fim de desenvolver a mente delas (SANTROCK, 2010).
De acordo com Santrock (2010), John Dewey por sua vez tornou-se a força motriz da aplicação na prática da psicologia. Estabeleceu o primeiro e mais importante laboratório de Psicologia Educacional nos EUA, mas precisamente na Universidade de Chicago no ano de 1894, continuando seu trabalho inovador na Universidade de Colúmbia. Muitas ideias importantes partiram deste teórico, nos mostrando que a criança é um ser em constante e ativa aprendizagem. É importante destacar que antes de Dewey, as pessoas acreditavam que as crianças deviam permanecer sentadas e em silêncio de modo que aprendiam passivamente e de uma maneira mecânica, em contraste a esta crença ele trouxe que as crianças aprendem realizando.
O teórico nos traz ainda mais uma contribuição, afirmando que a educação deve focar a criança em sua totalidade enfatizando também a adaptação da criança ao ambiente, elas devem ser educadas de modo que possam ser estimuladas a pensar e também a se adaptar ao seu ambiente fora da escola, as crianças devem aprender a serem mais autônomas e solucionadoras de problemas de maneira reflexiva. Para Dewey toda criança merece ter uma educação de qualidade sem diferenciação de classe, raça ou sexo, ele lutou para que todas as crianças de uma maneira geral tivessem uma educação competente.
Thorndike, outro percursor da Psicologia Educacional enfocou a avaliação e a mediação e promoveu os princípios básicos e científicos da aprendizagem. Argumentou que uma das tarefas mais importantes da escola é a de desenvolver as habilidades de raciocínio das crianças, se diferenciando ao fazer estudos científicos aprofundados e precisos sobre o ensino e aprendizagem (BEATTY, 1998 apud SANTROCK 2010, p. 3). Promoveu também a ideia