Introdução ao Estudo do Direito   Aula ditada (1)
17 pág.

Introdução ao Estudo do Direito Aula ditada (1)


DisciplinaIntrodução ao Estudo ao Direito1.402 materiais1.650 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Introdução ao Estudo do Direito 
 
 
O DIREITO 
O direito atende de forma procedimental (atuação) para sustentar e amparar a todo 
cidadão e toda a coletividade diante de uma estrutura estatal (Estado). Sendo assim, o direito 
demonstrará um sistema de forma positiva e negativa em toda manifestação a ser requerida. 
Independentemente do meio em que for tratado o direito, a sua permanência será sempre 
objetiva. 
Dessa forma, podemos demonstrar que o direito atende como preceito de norma 
para cumprir a lei. O direito positivo, diante da necessidade que se faz no caso em estudo, 
pode-se entender que a norma fundamentaliza os direitos e deveres de toda a estrutura a ser 
analisada. 
 
O Direito como Faculdade 
É quando estamos diante do direito com uma função específica para consagrar a 
validade e o interesse a ser discutido. Podemos citar o direito, pois o Estado tem o poder e a 
prerrogativa de criar leis. Todavia, a faculdade de agir por meio da casa legislativa se faz de 
forma específica ao interesse e à faculdade do direito. 
 
O Direito como Ciência 
Podemos entender que o direito como ciência possui a prerrogativa (concentração) 
de atender o interesse de forma objetiva, como estudo específico de determinada área para 
concentrar e formalizar o melhor saber. O referido direito está concentrado para sustentar de 
melhor forma o conhecimento de qualquer área a ser analisada dentro do direito. 
 
 
 
 
29/08/18 
 
O Direito como Fato Social 
O direito atende de forma objetiva a necessidade de toda a estrutura social, ou 
seja, a forma e a concentração para sustentar o valor de cada cidadão de cada sociedade, 
consolidando as necessidades de paz, ordem e bem comum que levam a sociedade a criação 
de um organismo responsável por meio de controle e uniformização dos referidos valores. 
Toda a sociedade cria o direito e ao mesmo tempo se submete aos seus efeitos para atender o 
conhecimento e o ordenamento jurídico estabelecido a cada cidadão. 
Podemos entender que a concentração desse direito constitui por meio da nossa 
Constituição, parâmetros a cada ser humano para revelar a concentração em que a nossa 
Constituição Federal, as leis específicas, a doutrina, os costumes, e demais prerrogativas de 
controle social. 
 
Direito Justo 
É o direito pelo qual concentra o valor e a dignidade humana, para suprimir o 
direito de forma específica. Todavia, atendendo a concentração normativa, social, econômica, 
política e também as demais fontes da repercussão, tanto do cidadão ou da coletividade. 
Podemos demonstrar em determinadas situações um êxito positivo ou não, 
conseguindo atender o interesse que se faz em analise. Ou melhor, independentemente, seja 
qual for a propositura da referida manifestação, estamos buscando o direito na sua essência 
justa, para regulamentar os direitos fundamentais. 
 
Direito e Moral 
O direito e a moral estão interligados para atender a toda necessidade a ser 
discutida, independentemente do meio a ser proposto diante de cada necessidade do direito 
subjetivo (direito próprio de cada ser humano), para sustentar toda e qualquer medida 
procedimental para atender a conduta normativa ou a conduta social. Devemos observar que a 
análise comparativa entre a ordem moral e a ordem jurídica é importante não apenas quando 
indica os pontos de distinção, mas quando demonstra os parâmetros de convergência, sempre 
voltado para atender uma regulamentação objetiva entre o mundo exterior e mundo exterior. 
O direito se faz por meio de toda a necessidade a ser discutida, 
independentemente da situação do objeto, ou seja, o direito atende uma sistemática de forma 
positiva em repercussão genérica (em geral), enquanto a moral, atende o interesse e o 
reconhecimento interior de cada cidadão para contemplar a necessidade ou o interesse jurídico 
05/09/18 
lesionado. Sendo assim, em nenhum momento, o direito se poderá fazer acepção (separação) 
entre a vontade e o interesse, pois as normas jurídicas são as estabelecidas para comportar e 
suprir o sistema jurídico brasileiro. 
 
 
 
Direito/Procedimento 
O direito atende a toda a necessidade a ser manifestada de acordo com a 
necessidade e também com o interesse a ser discutido, independentemente com a forma que 
será tratado o direito, o sistema jurídico irá compor a integridade da sociedade, pois a 
concentração do direito em relação a moral se faz envolvida por cada repercussão humana. O 
cidadão sempre terá o seu direito e manutenção diante de qualquer situação, a nossa 
Constituição determina de forma objetiva o direito a ser consagrado de acordo com cada 
situação a ser manifestada. Todavia, o direito subjetivo (próprio) poderá ser dispensado para 
atender a moral de cada um com o fato em estudo. 
Podemos entender que toda exposição poderá atender a necessidade com efeito 
positivo e negativo. Sendo assim, o direito estará sempre atendendo a necessidade social, 
como também as relações com os indivíduos e a relação moral. 
 
Direito Subjetivo 
É o direito pelo qual refere-se a faculdade do efetivo exercício de cada cidadão em 
fazer ou deixar de fazer alguma coisa em virtude da lei (facultas agendi). Dessa forma, 
poderemos entender que o direito subjetivo é aquele que o ser humano possui para atender a 
sua necessidade em toda a sociedade. Exemplo: eu. 
 
Direito Objetivo 
É o direito pelo qual se faz determinado pelo a norma jurídica com 
posicionamento relacionado a um poder de dever fazer em uma sociedade (norma agendi). No 
direito objetivo, se faz concentrado a prerrogativa e a determinação de uma norma, como 
fonte de sustentabilidade para atender todo o procedimento do direito conforme a estrutura 
fundamental. 
 
12/09/18 
Direito Natural 
É o direito que se faz constante em nossa estrutura de vida para atender as 
repercussões advindas da natureza, comportando total ingerência da atuação do homem. 
Podemos entender que o direito natural é aquele que se considera capaz de estabelecer o que é 
justo e injusto de modo universalmente válido. Exemplo: fenômeno da natureza. 
 
Jusnaturalismo 
Segundo a corrente do pensamento jurídico, uma lei, para ser ideal e de forma 
objetiva, deve estar de acordo com a Justiça. 
Podemos então dizer que no jusnaturalismo não existe a aceitabilidade de 
separação e a parcialidade em determinadas situações para atender a uma sociedade. Todavia, 
a concentração do jusnaturalismo está revertida de um ideal de atendimento ao bem comum. 
Dessa forma, podemos entender que a materialização de qualquer conduta deve 
esta à disposição para reconhecer o direito e o sustento social. Sendo assim, a concentração do 
jusnaturalismo deixa claro que a condição e a avaliação são voltadas para suprir a necessidade 
de toda a coletividade. 
 
 
 
 
Jusnaturalismo (continuação) 
O Jusnaturalismo atende ao contrário do Juspositivismo, muito embora 
compreenda a necessidade da positivação em atender o direito pelo poder soberano (Estado), 
aonde não descarta por completo o direito natural.pois a concentração e o intuito de toda a 
estrutura social é atender a existência de certos direitos fundamentais (naturais). Sendo assim, 
o filósofo Thomas Hobbes, com uma visão centralizadora onde mostrava que o súdito deveria 
ter a sua liberdade para atender o seu interesse de cidadão, pois diante de toda a concentração, 
o nosso filósofo compreendia a necessidade de transformar a vida de cada ser humano de 
forma melhor. 
A lei natural do homem para concentrar tal destinação, a necessidade do homem, 
estava restringida enquanto o Estado não atendia o interesse do homem natural e sim atendia o 
direito somente dos líderes da época,