A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
73 pág.
TEORIA GERL DO PROCESSo

Pré-visualização | Página 1 de 19

Unidade 1
Noções teóricas 
básicas do processo 
Marcelo Moraes Tavares 
© 2019 por Editora e Distribuidora Educacional S.A.
Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida 
ou transmitida de qualquer modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou mecânico, 
incluindo fotocópia, gravação ou qualquer outro tipo de sistema de armazenamento 
e transmissão de informação, sem prévia autorização, por escrito, da Editora e 
Distribuidora Educacional S.A.
2019
Editora e Distribuidora Educacional S.A.
Avenida Paris, 675 – Parque Residencial João Piza
CEP: 86041-100 — Londrina — PR
e-mail: editora.educacional@kroton.com.br
Homepage: http://www.kroton.com.br/
Sumário
Unidade 1
Noções teóricas básicas do processo .......................................................7
Seção 1.1
Direito e sociedade: evolução histórica da resolução de 
conflitos ............................................................................................8
Seção 1.2
Fontes e métodos alternativos de resolução ............................. 25
Seção 1.3
Acesso à justiça e constitucionalização 
do processo ................................................................................... 41
Seção 1.4
Direito Processual x Direito Material e normas 
processuais no tempo e no espaço ............................................. 57
Palavra do autor
A Teoria Geral do Processo é uma disciplina essencial para o estudante de Direito, uma vez que lhe concede a base principiológica para bem conhecer todos os ramos do Direito Processual. É dentro do contexto 
da Teoria Geral do Processo que você terá acesso a temas essenciais para o 
Direito Processual, tais como as formas de resolução de conflitos; o acesso à 
justiça; a norma processual; o processo; os princípios constitucionais e infra-
constitucionais do processo; as normas processuais; a jurisdição; a estrutu-
ração do Poder Judiciário; a competência dos órgãos jurisdicionais; e toda a 
teoria da ação.
A fim de garantir uma boa compreensão dos temas abordados nesta 
disciplina, é essencial que você conduza bem o seu autoestudo. Para tanto, na 
Unidade 1, você será convocado a conhecer a evolução histórica da resolução 
de conflitos de interesses, além dos novos paradigmas do Processo Civil 
moderno. Será exigido, ainda, conhecimento acerca das distinções entre 
normas de Direito Material e Processual, e as normas processuais no tempo 
e no espaço, bem como sua interpretação. A Unidade 2 será inteiramente 
voltada aos princípios constitucionais e infraconstitucionais do processo. 
Na Unidade 3, você conhecerá sobre a teoria da jurisdição, bem como seus 
princípios e forma de estruturação do Poder Judiciário. Por fim, na Unidade 
4, você terá acesso à teoria da ação e às regras de competência.
Em suma, a disciplina Teoria Geral do Processo terá por enfoque o 
estudo do que é o processo, abrangendo as formas de resolução de conflitos, 
princípios, competência e a teoria da ação. Agora que você já tem uma noção 
sobre os conteúdos que serão tratados nesta disciplina, você está convidado a 
iniciar a sua caminhada rumo ao conhecimento. 
Vamos começar?
Unidade 1
Noções teóricas básicas do processo
Convite ao estudo
Nesta unidade aprenderemos sobre a relação existente entre o homem, 
a sociedade e o Direito. Entenderemos também que, apesar de indese-
jáveis, os conflitos de interesses são próprios da convivência em socie-
dade. Assim, teremos as primeiras noções sobre os modos de resolução 
de conflitos, visando à pacificação social: iniciaremos com a autotutela de 
direitos, passando pela arbitragem, até chegarmos às formas contemporâ-
neas de solução de conflitos. Veremos também o conceito de processo, bem 
como noções de arbitragem, mediação e conciliação no Código de Processo 
Civil (BRASIL, 2015). Analisaremos o acesso à justiça, linhas evolutivas do 
processo e a relação entre Constituição Federal (BRASIL, 1988) e processo. 
Aprenderemos sobre as relações entre Direito Material e Direito Processual e 
as normas processuais no tempo e no espaço. Por fim, verificaremos como se 
dá a interpretação da lei processual.
Para ajudar nesse aprendizado, acompanharemos a trajetória de Gustavo, 
dedicado aluno do curso de Direito, em seu primeiro ano de formado. 
Gustavo sempre teve ótimas notas, tendo sido muito valorizado nos estágios 
pelos quais passou. Agora, aprovado no exame da Ordem dos Advogados 
do Brasil, decidiu trilhar seu caminho profissional, abrindo seu próprio 
escritório. 
Esse é o desafio de Gustavo, enfrentar situações-problema da realidade 
profissional, aplicando na prática os conhecimentos teóricos que apreendeu 
ao longo de sua trajetória acadêmica.
Esperamos que você esteja animado para explorar todo esse conteúdo, 
porque descobrirá, ao final dos seus estudos, que a Teoria Geral do Processo 
é extremamente relevante em todos os campos do Direito e, principalmente, 
para a compreensão do Direito Processual.
8 - U1 / Noções teóricas básicas do processo
Direito e sociedade: evolução histórica da 
resolução de conflitos
Diálogo aberto
Você sabia que, antes do surgimento da noção de Estado, as pessoas 
que se envolvessem em um conflito o resolviam por si mesmas, valendo-se 
do que se denomina autotutela? Somente com o passar do tempo é que se 
instalou a ideia de intervenção de um terceiro imparcial para a solução de 
conflitos, chegando, após longo período de tempo, à noção que temos hoje 
de prestação jurisdicional. 
Nos primórdios da civilização, cada pessoa poderia exercer à sua maneira 
o direito que entendia ter. Poderia, inclusive, valer-se da força física para 
atingir seus objetivos, sem qualquer intervenção de terceiros, ideia que, 
obviamente, não é mais compatível com a nossa época. Até chegarmos 
à noção que temos atualmente quanto às formas de solução de conflitos, 
períodos intermediários de progresso foram necessários. Nessa época, ainda 
não se atrelava a solução de conflitos necessariamente ao Estado. Delegava-se 
tal solução a terceiros imparciais, o que representou grande evolução no que 
tange à fase inicial de autotutela.
A atividade jurisdicional, tal como a entendemos atualmente, está 
atrelada à ideia de Estado, como o terceiro imparcial, predominantemente 
apto a dirimir, a solucionar conflitos. Com base nesse histórico, retomaremos 
a situação próxima da realidade profissional, descrita no Convite ao estudo: 
Gustavo, advogado recém-formado, sempre teve ótimas notas no curso de 
Direito, tendo sido muito valorizado nos estágios pelos quais passou. Agora, 
aprovado no exame da Ordem dos Advogados do Brasil, decidiu trilhar seu 
caminho profissional, abrindo seu escritório. Esse é o desafio de Gustavo, 
enfrentar situações nas quais aplique na prática os conhecimentos teóricos 
que apreendeu ao longo de sua trajetória acadêmica.
A partir desse contexto, que permeará a análise de toda a unidade de 
ensino, e a partir do estudo do tema “Os conflitos de interesses em sociedade: 
histórico dos meios de resolução e a atividade jurisdicional”, você deverá 
ajudar Gustavo na situação apresentada a seguir.
O advogado recém-formado foi convidado a pensar na seguinte 
situação, com base no conceito de atividade jurisdicional e autotutela: Paulo 
celebrou contrato de compra e venda com Mariana, por meio do qual esta se 
Seção 1.1
Seção 1.1 / Direito e sociedade: evolução histórica da resolução de conflitos - 9
comprometeu a vender um veículo pelo montante de R$ 50 mil (cinquenta 
mil reais). Ocorre que, ao receber o mencionado veículo, Paulo constatou que 
suas características eram muito diferentes daquelas descritas no contrato: o 
veículo apresentava inúmeros defeitos, além de um desgaste muito superior 
ao informado a ele. Paulo entendeu que Mariana não cumpriu a sua parte no 
contrato e, indignado, deixou