A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
32 pág.
manual cultivo de ostras 2005(b)

Pré-visualização | Página 3 de 5

na
Bahia, são chamadas de quizambas. Até algum tempo atrás
os produtores de ostra nativa costumavam simplesmente
coletar estas sementes e colocar nas lanternas para
engorda. Com o passar do tempo, as ostras começa-
ram a se reproduzir ao redor do cultivo e os produ-
tores iniciaram experimentos com diversos tipos de
coletores. Podem ser usados colares de conchas de
ostras, pedaços de cordas, pedaços de bambu, garrafas plás-
ticas tipo “pet”, enfim, qualquer material barato, de fácil
acesso, não tóxico, pode ser usado para que as sementes
fiquem aderidas.
Quizamba
Coletores “PET”
14 – Manuais BMLP de maricultura
Assentamento remoto
Uma outra opção é utilizar o assentamento remoto, que
é uma técnica amplamente utilizada no exterior para redu-
zir os custos de produção de ostras. Em lugar de comprar
sementes de ostras, os produtores adquirem as larvas ain-
da no estágio de larva olhada e induzem seu assentamento
em suas próprias instalações de cultivo.
Diferentes metodologias são usadas neste processo. Al-
guns produtores fazem a fixação das larvas olhadas em con-
chas de ostras velhas, acondicionadas ou não em bolsas fei-
tas com redes. Outra maneira é o assentamento em pó de
concha, no qual, depois das larvas olhadas assentadas, fi-
cam em locais próprios (upwellers) recebendo alimentação
até atingirem 500 µ. Depois de fixadas, são levadas para o
local de cultivo e ali completam seu crescimento.
Podem ser utilizados, como berçários, já no mar, as
redes berçários ou os baldes flutuantes. A técnica dos bal-
des flutuantes (“bouncing buckets”), consiste na utilização
de baldes de plástico de 20 litros, adaptados, substituindo-
se o fundo por telas de 500 µ ou 1.000 µ. Na parte superior
são colocados discos de isopor com espessura de 5 cm para
fazer a flutuação. Nestes baldes são colocadas as sementes
menores que 2,0 Hd e a sua construção permite que haja
uma circulação vertical da água (upweller) e evita a sedi-
mentação e compactação das ostras no fundo.
Larva olhada: quando atinge a idade
aproximada de 15 dias, a larva da
ostra do Pacífico mede em torno de
300 µ e apresenta um ocelo, ou
olho. O surgimento desse órgão
indica que o assentamento está
próximo.
Assentamento remoto
Baldes flutuantes
Cultivo de ostras – 15
4. Sistemas de cultivo
Existem vários sistemas que possibi-
litam o cultivo produtivo de ostras. Al-
guns deles, ao longo do tempo, demons-
traram maior índice de produtividade,
vantagens, baixo custo, etc. À medida que
o produtor se familiariza com o cultivo,
pode e deve experimentar melho-rias e
aperfeiçoamentos que sejam vantajosos
para seu negócio. Os sistemas podem ser
de fundo e suspensos. Os cultivos sus-
pensos podem ser fixos (mesa) e flutu-
antes (espinhel – long-line
– e balsa).
Existem vários equipamentos usados
para engordar as ostras e que ficam presos às
estruturas de cultivo. Eles podem ser lanter-
nas, travesseiros, caixas, bandejas, etc.
Lanterna
Bandeja
Travesseiro
Caixa
16 – Manuais BMLP de maricultura
Cu
lti
vo
 d
e 
fu
nd
o
Es
pi
nh
el
 (l
on
g-
lin
e)
Ba
lsa
M
es
a
Cultivo de ostras – 17
Ti
po
s 
de
 c
ul
tiv
o
Ti
po
D
es
cr
iç
ão
Pr
of
un
di
da
de
M
at
er
ia
l
Pa
ís
es
Va
nt
ag
en
s
D
es
va
nt
ag
en
s
C
ul
tiv
o 
de
 fu
nd
o
Es
pa
lh
am
-s
e 
as
 s
em
en
te
s 
so
lta
s 
ou
em
 c
es
to
s 
no
 le
ito
 m
ar
in
ho
. A
co
lh
ei
ta
 p
od
e 
se
r 
m
an
ua
l (
em
re
gi
õe
s 
co
m
 v
ar
ia
çã
o 
de
 m
ar
és
) o
u
co
m
 d
ra
ga
s 
em
 m
ai
or
pr
of
un
di
da
de
.
N
ão
 e
sp
ec
ifi
ca
da
,
de
sd
e 
qu
e 
o 
fu
nd
o
se
ja
 fi
rm
e
C
es
to
s 
pa
ra
 o
 c
ul
tiv
o 
e
dr
ag
as
 p
ar
a 
co
lh
ei
ta
 e
m
al
gu
ns
 lo
ca
is
Eu
ro
pa
 e
 A
m
ér
ic
a
do
 N
or
te
Vi
áv
el
 e
m
 lo
ca
is
co
m
 fu
nd
o 
fir
m
e,
ba
ix
íss
im
o 
cu
st
o
É 
ne
ce
ss
ár
io
 q
ue
 o
fu
nd
o 
nã
o 
te
nh
a 
lo
do
,
se
ja
 a
br
ig
ad
o 
de
co
rr
en
te
s,
 o
nd
as
 d
e
to
rm
en
ta
s 
e 
nã
o
oc
or
ra
m
 p
re
da
do
re
s.
 É
ne
ce
ss
ár
io
 o
 u
so
 d
e
dr
ag
as
 n
a 
co
lh
ei
ta
.
C
ul
tiv
o 
su
sp
en
so
flu
tu
an
te
:
es
pi
nh
el
 o
u
lo
ng
-li
ne
U
m
 c
ab
o 
pr
in
ci
pa
l p
re
so
 a
flu
tu
ad
or
es
 (b
ói
as
) e
 a
nc
or
ad
o 
no
fu
nd
o 
po
r 
m
ei
o 
de
 â
nc
or
as
. N
es
te
ca
bo
 s
ão
 p
re
sa
s 
as
 la
nt
er
na
s
co
nt
en
do
 a
s 
os
tra
s 
(e
m
 a
lg
um
as
re
gi
õe
s 
us
am
-s
e 
ca
ix
as
, p
ea
rl 
ne
ts
,
co
la
re
s,
 b
an
de
ja
s 
ou
 tr
av
es
se
iro
s)
M
ín
im
a 
de
 3
 m
et
ro
s
na
 m
ar
é 
m
ai
s 
ba
ix
a.
C
ab
os
 d
e 
at
é 
10
0
m
et
ro
s,
 b
ói
as
 p
lá
st
ic
as
,
la
nt
er
na
s 
ou
 c
ai
xa
s,
ân
co
ra
s
Br
as
il,
 C
hi
le
 e
Ja
pã
o
Pe
rm
ite
 o
 c
ul
tiv
o
em
 r
eg
iõ
es
 m
ai
s
ab
er
ta
s 
e 
pr
of
un
da
s,
su
je
ita
s 
a 
m
ai
or
es
fo
rç
as
, b
aí
as
 e
en
se
ad
as
 e
 e
m
 m
ar
ab
er
to
.
Pr
of
un
di
da
de
 d
e 
no
m
ín
im
o 
3 
m
et
ro
s 
na
m
ar
é 
ba
ix
a.
C
ul
tiv
o 
su
sp
en
so
flu
tu
an
te
: 
ba
ls
a
C
on
ju
nt
o 
de
 b
ói
as
 e
 a
rm
aç
ão
 d
e
m
ad
ei
ra
 m
an
tid
o 
so
br
e 
a 
su
pe
rfí
ci
e,
an
co
ra
da
 p
or
 u
m
a 
qu
an
tid
ad
e
m
ín
im
a 
de
 c
ab
o 
eq
ui
va
le
nt
e 
a 
3
ve
ze
s 
a 
pr
of
un
di
da
de
 d
o 
lo
ca
l.
Su
pe
rio
r 
a 
3 
m
et
ro
s 
na
m
ar
é 
m
ai
s 
ba
ix
a
Bó
ia
s 
e 
ar
m
aç
ão
 d
e
m
ad
ei
ra
, p
oi
ta
s,
la
nt
er
na
s.
C
hi
le
, B
ra
sil
Ár
ea
s 
ab
rig
ad
as
, s
em
on
du
la
çõ
es
C
ul
tiv
o 
su
sp
en
so
fix
o:
 m
es
a
C
on
ju
nt
o 
de
 e
st
ac
as
 o
u 
po
st
es
cr
av
ad
os
 n
o 
le
ito
 d
a 
ág
ua
 e
 li
ga
do
s
en
tre
 s
i p
or
 m
ad
ei
ra
, p
ar
a 
m
an
te
r 
as
la
nt
er
na
s 
co
m
 o
st
ra
s 
su
sp
en
sa
s 
no
vo
lu
m
e 
dá
gu
a.
A
té
 3
 m
et
ro
s
Es
ta
ca
s 
ou
 p
os
te
s,
m
ad
ei
ra
, b
am
bu
,
el
ás
tic
o,
 c
an
o 
de
 p
vc
,
la
nt
er
na
s
Ex
pl
or
ar
 á
re
as
 d
e
va
ria
çã
o 
de
 m
ar
é
Lo
ca
is 
ab
rig
ad
os
,
fu
nd
o 
ar
en
os
o 
ou
ar
en
o-
lo
do
so
18 – Manuais BMLP de maricultura
5. Manutenção do cultivo
Manejo
O manejo de um cultivo de ostras é
simples, desde que sejam seguidos alguns
procedimentos básicos. O produtor pode
aprimorar, com o passar do tempo, a téc-
nica empregada e os

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.