ECA   REVISÃO TURBO CEISC OAB 2019
11 pág.

ECA REVISÃO TURBO CEISC OAB 2019


DisciplinaEca1.207 materiais2.012 seguidores
Pré-visualização2 páginas
RESPONSABILIDADE
RESPONSABILIDADE 
COMPARTILHADA
ESTADO
FAMÍLIA
SOCIEDADE
CRIANÇA E ADOLESCENTE
Sabe por que é importante saber a diferença? Porque algumas disposições da lei 
serão aplicadas de forma diferente para a criança e para o adolescente. Por 
exemplo: em caso de ato infracional a medida socioeducativa não poderá ser 
aplicada para crianças. Para elas e sua família, aplica-se somente medida de 
proteção! Já para os adolescentes, que cometerem ato infracional, poderão ser 
aplicadas medidas de proteção e/ou medidas socioeducativas.
O Estatuto da Criança e do Adolescente se aplica até os 18 anos de idade, em 
regra, mesmo se ocorrer a emancipação dele (Enunciado 530 da Jornada de 
Direito Civil).  Excepcionalmente, o ECA pode ser aplicado até 21 anos de idade. Em 
caso de ato infracional, quando o adolescente estiver cumprindo medida 
socioeducativa de internação, se ele completar 18 anos durante o cumprimento, a 
medida de internação segue até que ele complete 21 anos de idade, idade que 
ocorrerá a liberdade compulsória, segundo o artigo 2º, parágrafo único, artigo 
120, §2º e artigo 121, §5º, do ECA.
CRIANÇA
de 0 até 12 anos 
incompletos
ADOLESCENTE
de 12 ANOS 
COMPLETOS até 
18 anos incompletos
TRABALHO
HOSPEDAGEM DE CRIANÇAS OU ADOLESCENTES
É proibida a hospedagem de criança ou adolescente em hotel, motel, pensão ou 
estabelecimento congênere, salvo se autorizado ou acompanhado pelos pais ou 
responsável
De acordo com o artigo 250 do Estatuto, quem hospedar criança ou adolescente 
desacompanhado dos pais ou responsável, ou sem autorização escrita desses ou da 
autoridade judiciária, em hotel, pensão, motel ou congênere, fica sujeito a pena multa. 
§ 1º. Em caso de reincidência, sem prejuízo da pena de multa, a autoridade judiciária 
poderá determinar o fechamento do estabelecimento por até 15 (quinze) dias.
§ 2º Se comprovada a reincidência em período inferior a 30 (trinta) dias, o 
estabelecimento será definitivamente fechado e terá sua licença cassada.
Crianças e adolescentes até 13 anos completos (14 anos incompletos)
Proibida qualquer forma de trabalho, inclusive como menor aprendiz
Adolescente e jovem entre 14 e 24 anos
Permitido o trabalho na condição de aprendiz
13 anos 
completos
14 e 24 
anos
Adolescente entre 16 e 17 anos completos (18 anos incompletos)
Permitido o trabalho executado fora do contrato de aprendizagem, todavia, não poderá 
ocorrer: a) em condições perigosas; b) em condições insalubres; c) em horário noturno 
(compreendido entre 22hs às 5hs); d) realizado em locais prejudiciais à sua formação e 
ao seu desenvolvimento físico, psíquico, moral e social; e) realizado em horários e locais 
que não permitam a frequência à escola
16 e 17 
anos
\u2022 Acompanhada de pais ou responsáveis.
\u2022 Acompanhada de ascendente ou colateral maior até o terceiro grau,
comprovado documentalmente o parentesco.
\u2022 Acompanhada de pessoa maior, expressamente autorizada pelo pai,
mãe ou responsável, com firma reconhecida.
\u2022 A autorização com firma reconhecida é dispensada se o pais estiverem
juntos no momento do embarque.
Viagem de criança 
dentro da Comarca, se 
na mesma unidade da 
Federação ou mesma 
região metropolitana
VIAGEM
\u2022 Acompanhada de pais ou responsáveis.
\u2022 Acompanhada de ascendente ou colateral maior até o terceiro grau,
comprovado documentalmente o parentesco.
\u2022 Acompanhada de pessoa maior, expressamente autorizada pelo pai, mãe
ou responsável, com firma reconhecida.
\u2022 Com autorização judicial, válida por dois anos.
\u2022 A autorização com firma reconhecida é dispensada se os pais estiverem
juntos no momento do embarque.
Viagem de criança 
dentro do território 
NACIONAL
\u2022 Acompanhada de ambos os pais ou responsáveis.
\u2022 Se na companhia de um dos pais, deverá ter autorização expressa pelo
outro, através de documento com firma reconhecida.
\u2022 Acompanhada de adulto estrangeiro residente ou domiciliado no exterior,
com autorização do judiciário.
\u2022 Se desacompanhada ou em companhia de terceiros maiores e capazes,
designados pelos genitores, desde que haja autorização de ambos os pais,
com firma reconhecida.
\u2022 A autorização com firma reconhecida é dispensada se os pais estiverem
juntos no momento do embarque.
Viagem de adolescente 
e criança para o 
EXTERIOR
Adolescente pode transitar livremente em território Nacional, contudo deve portar um documento que 
comprove sua idade.
Não é necessária a autorização de genitores suspensos ou destituídos do poder familiar, devendo o interessado 
comprovar a circunstância por meio de certidão de nascimento devidamente averbada.
ADOÇÃO
família substituta
família natural
família extensa ou ampliada guarda
tutela
adoção
Quem pode adotar? Os maiores de 18 (dezoito) anos, independentemente do estado 
civil, sendo necessário ter 16 anos de diferença entre adotante e adotado.
Quem não pode adotar? Os ascendentes e os irmãos do adotando e quem tiver menos 
de 16 anos de diferença do adotado.
O que precisa para adoção conjunta? Para adoção conjunta, é indispensável que os 
adotantes sejam casados civilmente ou mantenham união estável, comprovada a 
estabilidade da família. 
Divorciado, separado e os ex-companheiros podem adotar conjuntamente? Os 
divorciados, os judicialmente separados e os ex-companheiros podem adotar 
conjuntamente, contanto que acordem sobre a guarda e o regime de visitas e desde que 
o estágio de convivência tenha sido iniciado na constância do período de convivência e 
que seja comprovada a existência de vínculos de afinidade e afetividade com aquele 
não detentor da guarda, que justifiquem a excepcionalidade da concessão.
É possível a guarda compartilhada? Conforme §2º, do artigo 42, do ECA e artigo 
1.583 e seguinte do Código Civil, é possível a aguarda compartilhada, salvo se 
houve a perda do poder familiar. A guarda compartilhada corresponde a 
responsabilização conjunta do exercício de direitos e deveres do pai e da mãe que 
não vivem sob o mesmo teto (NUCCI, 2017, p. 186).
É possível a adoção unilateral? Sim, é possível a adoção de um cônjuge ou 
companheiro, por exemplo, se Joana é filha adotada de Maria, a qual inicia uma 
união estável com João, este poderá adotar unilateralmente, Joana, ainda que 
Maria e João terminem o relacionamento, sendo o desejo de João e Joana, poderá 
haver a adoção unilateral, pois já houve a convivência familiar deles e há a 
existência de vinculo. Neste caso, Maria e João deverão acordar sobre a guarda.
E se o adotante falecer no curso do processo de adoção? A adoção poderá ser 
deferida ao adotante que, após inequívoca manifestação de vontade, vier a falecer 
no curso do procedimento, antes de prolatada a sentença. 
ATENÇÃO: nos casos de adoção, a criança e adolescente devem 
OBRIGATORIAMENTE serem ouvidos, sendo que o consentimento com a adoção do 
adolescente é indispensável.
- Quando ocorre a adoção o registro de nascimento original é cancelado e a 
criança receberá nova certidão de nascimento, novo sobrenome, nome dos pais, 
avós também são alterados.
- Adoção é ato excepcional e irrevogável: uma vez transitada e julgada ação de 
adoção, por nenhum motivo se restabelece o poder familiar à família biológica.
PREFERÊNCIA NA ADOÇÃO
1) Brasileiros, residentes no país.
2) Brasileiros, residentes no exterior.
3) Estrangeiros, residentes no exterior.
Considera-se adoção internacional toda aquela que o pretendente tem residência 
habitual fora do país onde a criança e adolescente reside. Se o país onde residem o 
pretendente ou os pretendentes à adoção for Estado parte da Convenção de Haia, 
todo processo de habilitação ocorre na Autoridade Central em matéria de adoção do 
país onde reside, essa autoridade irá emitir relatório sobre a aptidão e enviará para a 
Autoridade Central Estadual, com cópia para Autoridade Centra Federal brasileira,