Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
[Seminário] Anato - Marcha Humana

Pré-visualização | Página 1 de 1

MARCHA
Grupo: Pedro Affonso Godinho de Alcântara, Rafaela Barbosa Del Santo, Raul de Paula Resende Bicalho, Stéphani Moscon Gregorio
Orientador: Prof. Josemberg da Silva Baptista
O SEMINÁRIO
CONCEITOS
CICLO DA MARCHA
INTRODUÇÃO
POSIÇÃO DE PÉ RELAXADA
ANÁLISES CLÍNICAS
2
INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
Função dos membros inferiores
Bipedismo
A marcha
CONCEITOS
CONCEITOS
Cadência
Passo 
Passada
CONCEITOS
Unipodal
Bipodal
CONCEITOS
Contração concêntrica X Contração excêntrica
POSIÇÃO DE PÉ RELAXADA
POSIÇÃO DE PÉ RELAXADA
Posição
Músculos
Disposição mecânica
Articulações
Mm. Eretores da Espinha
M. Tríceps Sural
POSIÇÃO DE PÉ RELAXADA
Oscilação
Para a frente
Lateral
CICLO DA MARCHA
CICLO DA MARCHA
Sequência de movimentos
Fenômenos na passada
Fase de apoio 
Fase de balanço
60%
40%
FASES DO CICLO DA MARCHA
Conceito
Fases:
Toque do calcâneo
Resposta à carga
Médio apoio
Apoio terminal
Pré-balanço
Principais grupos musculares
FASE DE APOIO
Conceito
Fases:
Balanço inicial
Balanço médio
Balanço terminal
Principais grupos musculares
FASE DE BALANÇO
MARCHAS ESPECÍFICAS
19
Variação da marcha
A fase de apoio duplo não ocorre durante a corrida
Ocorre apenas o toque do antepé no solo
Fase de balanço é maior
MARCHA NA CORRIDA
IMPULSÃO
DESGASTE
VELOCIDADE
MARCHA NA CORRIDA
Tempo de apoio simples
Comprimento do passo
Cadência
MARCHA EM CRIANÇAS
Comprimento do passo
Aumento do tempo de apoio duplo
Deslocamento anterior do corpo no final do apoio
MARCHA EM IDOSOS
ANÁLISES CLÍNICAS
MARCHAS ANORMAIS
Marcha normal X Marcha anormal
Exemplos:
Marcha claudicante
Marcha escarvante
Marcha ceifante
Marcha de Trendelenburg
MARCHA CLAUDICANTE
Causas
Características
MARCHA ESCARVANTE
Causa
Características
MARCHA ESCARVANTE
Causa
Características
28
MARCHA CEIFANTE
Causa
Características
MARCHA DE TRENDELENBURG
Causa
Características
Teste de Trendelenburg
MARCHA DE TRENDELENBURG
Causa
Características
Teste de Trendelenburg
MARCHA DE TRENDELENBURG
Causa
Características
Teste de Trendelenburg
BIBLIOGRAFIA
BIBLIOGRAFIA
MOORE, Keith L.  Anatomia orientada para a clínica. 7. ed.  Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
SCHÜNKE, M. Prometheus, atlas de anatomia: anatomia geral e aparelho locomotor. 2ª. Edição. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, 2013.
NETTER, Frank Henry. Atlas de anatomia humana. 6. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2015.
UFRGS. Semiologia ortopédica pericial. Disponível em <http://www.ufrgs.br/semiologiaortopedica/Modulo_06.pdf>. Acesso em 05 de nov. 2018.
YouTube. Marcha escarvante. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=-Dusn7cSh0U>. Acesso em 04 de nov. 2018.
LIMA, Humberto. Exame neurológico. Disponível em <http://www.fisfar.ufc.br/petmedicina/images/stories/exame_neurolgico_i.pdf>. Acesso em 05 de nov. 2018.
YouTube. Marcha ceifante. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=EvFQHTucCz0>. Acesso em 02 de nov. 2018.
Aula de Anatomia. Músculos da perna. Disponível em <YouTube. Marcha ceifante. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=EvFQHTucCz0>. Acesso em 02 de nov. 2018.>. Acesso em 02 de nov. 2018.
OBRIGADO!