Direito constitucional
50 pág.

Direito constitucional

Disciplina:Direito Constitucional I42.219 materiais1.211.280 seguidores
Pré-visualização50 páginas
ISBN 9788553606504

Lenza, Pedro
Direito constitucional esquematizado® / Pedro Lenza. \u2013 23. ed. \u2013 São Paulo :

Saraiva Educação, 2019. (Coleção esquematizado ®)
1. Direito constitucional. I. Título. II. Série.
18-1139

CDU 342

Índices para catálogo sistemático:

1. Direito constitucional 342

Diretoria executiva Flávia Alves Bravin

Diretora editorial Renata Pascual Müller

Gerência editorial Roberto Navarro

Consultoria acadêmica Murilo Angeli Dias dos Santos

Edição Liana Ganiko Brito

Produção editorial Ana Cristina Garcia (coord.) | Carolina Massanhi | Luciana
Cordeiro Shirakawa | Rosana Peroni Fazolari

Arte e digital Mônica Landi (coord.) | Claudirene de Moura Santos Silva | Guilherme
H. M. Salvador | Tiago Dela Rosa | Verônica Pivisan Reis

Planejamento e processos Clarissa Boraschi Maria (coord.) | Juliana Bojczuk
Fermino | Kelli Priscila Pinto | Marília Cordeiro | Fernando Penteado | Mônica

Gonçalves Dias | Tatiana dos Santos Romão

Novos projetos Fernando Alves

Diagramação (Livro Físico) Eduardo Garcia Marques da Costa

Revisão PBA Preparação e Revisão de Textos

Capa Tiago Dela Rosa

Livro digital (E-pub)

Produção do e-pub Guilherme Henrique Martins Salvador

Data de fechamento da edição: 8-1-2019

Dúvidas?

Acesse www.editorasaraiva.com.br/direito

Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida por qualquer meio ou forma sem a
prévia autorização da Editora Saraiva.
A violação dos direitos autorais é crime estabelecido na Lei n. 9.610/98 e punido pelo artigo
184 do Código Penal.

SUMÁRIO

LEIA PARA TER ACESSO AO MATERIAL COMPLEMENTAR

UMA HOMENAGEM ESPECIAL

MAIS UMA HOMENAGEM ESPECIAL

UMA NOVA HOMENAGEM ESPECIAL

MAIS UMA NOVA HOMENAGEM ESPECIAL

AGRADECIMENTOS

NOTA DO AUTOR À 23.ª EDIÇÃO

APRESENTAÇÃO À 1.ª EDIÇÃO

1. (NEO)CONSTITUCIONALISMO

1.1. Alocação do Direito Constitucional

1.1.1. A classificação em \u201cramos do direito\u201d

1.1.2. A superação da dicotomia \u201cpúblico-privado\u201d \u2014
constitucionalização do direito privado

1.2. Constitucionalismo

1.2.1. Conceito

1.2.2. Evolução histórica

1.2.2.1. Constitucionalismo durante a Antiguidade

1.2.2.2. Constitucionalismo durante a Idade Média

1.2.2.3. Constitucionalismo durante a Idade Moderna

1.2.2.4. Constitucionalismo norte-americano

1.2.2.5. Constitucionalismo moderno (durante a Idade
Contemporânea)

1.2.2.6. Constitucionalismo contemporâneo (durante a Idade
Contemporânea) \u201cantenado\u201d com a ideia de \u201cconstitucionalismo
globalizado\u201d

1.2.2.7. Constitucionalismo do futuro: o que podemos esperar?

1.2.3. Esquematização do constitucionalismo

1.3. NEOCONSTITUCIONALISMO

1.3.1. Aspectos iniciais

1.3.2. Pontos marcantes do neoconstitucionalismo

1.3.3. Marcos fundamentais para se chegar a um \u201cnovo direito
constitucional\u201d (neoconstitucionalismo)

1.4. O novo constitucionalismo democrático latino-americano.
Constitucionalismo pluralista (andino ou indígena). Estado plurinacional e
intercultural

1.5. Constitucionalismo E SOBERANIA POPULAR

1.5.1. Aspectos gerais

1.6. Constitucionalismo popular (Tushnet) \u2014 \u201cJudicial Review\u201d \u2014
\u201cTeorias do diálogo constitucional\u201d (Bateup) e \u201cOs papÉis das Supremas
Cortes e Tribunais Constitucionais nas Democracias Contemporâneas\u201d
(Barroso)

1.6.1. Constitucionalismo popular: perspectivas

1.6.2. Supremacia judicial versus soberania judicial: a nossa posição no
sen-tido do diálogo constitucional

1.6.3. Reversão (superação) legislativa da jurisprudência da Corte:
possibilidade de mutação constitucional pela via legislativa

1.6.4. \u201cOs papéis das Supremas Cortes e Tribunais Constitucionais nas
democracias contemporâneas\u201d (Luís Roberto Barroso)

1.7. Constitucionalismo democrático e \u201cbacklash\u201d (reação social em razão
de decisão da Corte)

1.8. MATERIAL DIGITAL EXCLUSIVO

2. CONSTITUIÇÃO: CONCEITO, CONSTITUCIONALIZAÇÃO
SIMBÓLICA, CLASSIFICAÇÕES, ELEMENTOS E HISTÓRICO

2.1. Conceito

2.1.1. Sentido sociológico

2.1.2. Sentido político

2.1.3. Sentido material e formal

2.1.4. Sentido jurídico

2.1.5. Sentido culturalista

2.1.6. Constituição aberta

2.1.7. Concepções da Constituição: qual o seu papel no ordenamento
jurídico de um país?

2.1.7.1. Constituição-lei

2.1.7.2. Constituição-fundamento (Constituição-total)

2.1.7.3. Constituição-moldura

2.1.7.4. Constituição dúctil (Constituição maleável, suave)
(\u201cCostituzione mite\u201d \u2014 Gustavo Zagrebelsky)

2.2. Crowdsourced constitution: o legado da experiência pioneira da
Islândia (2011)18

2.3. CONSTITUCIONALIZAÇÃO SIMBÓLICA23

2.3.1. Aspectos iniciais

2.3.2. Legislação simbólica

2.3.2.1. Confirmação de valores sociais

2.3.2.2. Demonstração da capacidade de ação do Estado no tocante à
solução dos problemas sociais (legislação-álibi)

2.3.2.3. Adiamento da solução de conflitos sociais através de
compromissos dilatórios

2.3.2.4. Efeitos sociais latentes ou indiretos da legislação simbólica

2.3.3. Constitucionalização simbólica

2.3.4. Constitucionalização simbólica como alopoiese do sistema
jurídico

2.3.5. Neoconstitucionalismo, ativismo judicial e a concretização das
normas constitucionais

2.4. Classificação (tipologia)

2.4.1. Quanto à origem e a distinção entre \u201cConstituição\u201d e \u201cCarta\u201d

2.4.2. Quanto à forma

2.4.3. Quanto à extensão

2.4.4. Quanto ao conteúdo

2.4.5. Quanto ao modo de elaboração

2.4.6. Quanto à alterabilidade

2.4.7. Quanto à sistemática (critério sistemático)

2.4.8. Quanto à dogmática

2.4.9. Quanto à correspondência com a realidade (critério ontológico \u2014
essência)

2.4.10. Quanto ao sistema

2.4.11. Quanto à função

2.4.12. Quanto à origem de sua decretação: heterônomas
(heteroconstituições) x autônomas (\u201cautoconstituições\u201d ou
\u201chomoconstituições\u201d)

2.4.13. Constituições garantia, balanço e dirigente (Manoel Gonçalves
Ferreira Filho)

2.4.14. Constituições liberais (negativas) e sociais (dirigentes) \u2014
conteúdo ideológico das Constituições (André Ramos Tavares)

2.4.15. Raul Machado Horta (Constituições expansivas)

2.4.16. A Constituição Federal brasileira de 1988

2.5. Elementos das Constituições

2.6. HISTÓRICO DAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS818283848586

2.6.1. Constituição de 1824

2.6.2. Decreto n. 1, de 15.11.1889 \u2014 primeiro Governo Provisório da
República

2.6.3. Constituição de 1891

2.6.4. A Revolução de 1930 \u2014 segundo Governo Provisório da
República

2.6.5. Constituição de 1934

2.6.6. Constituição de 1937

2.6.7. Constituição de 1946

2.6.8. Golpe Militar de 1964

2.6.9. Constituição de 1967

2.6.10. \u201cConstituição\u201d de 1969 \u2014 EC n. 1, de 17.10.1969

2.6.11. Constituição de 1988

2.7. MATERIAL DIGITAL EXCLUSIVO

3. HERMENÊUTICA: MUTAÇÃO X REFORMA. REGRAS X
PRINCÍPIOS. \u201cDERROTABILIDADE\u201d. POSTULADOS NORMATIVOS.
CRIAÇÃO JUDICIAL DO DIREITO.ESTRUTURA DA CONSTITUIÇÃO

3.1. Mutações constitucionais versus reformas constitucionais

3.2. Regras e princípios

3.3. DERROTABILIDADE (defeasibility)20

3.4. NORMAS DE SEGUNDO GRAU: POSTULADOS NORMATIVOS

3.5. Métodos de interpretação

3.5.1. Método jurídico ou hermenêutico clássico

3.5.2. Método tópico-problemático (ou método da tópica)

3.5.3. Método hermenêutico-concretizador

3.5.4. Método científico-espiritual

3.5.5. Método normativo-estruturante

3.5.6. Método da comparação constitucional

3.6. princípios da interpretação constitucional

3.6.1. Princípio da unidade da Constituição

3.6.2. Princípio do efeito integrador

3.6.3. Princípio da máxima efetividade

3.6.4. Princípio da justeza ou da conformidade (exatidão ou correção)
funcional

3.6.5. Princípio da concordância prática ou harmonização

3.6.6. Princípio da força normativa

3.6.7. Princípio da interpretação conforme a Constituição

3.6.8. Princípio da proporcionalidade ou razoabilidade

3.7. limites da interpretação constitucional

3.7.1. Decisões interpretativas em sentido