O PRECONCEITO ANFÊMERO COMO PRÁTICA DE AUTOPRESERVAÇÃO SOCIAL.
2 pág.

O PRECONCEITO ANFÊMERO COMO PRÁTICA DE AUTOPRESERVAÇÃO SOCIAL.

Disciplina:Filosofia33.382 materiais227.825 seguidores
Pré-visualização2 páginas
UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO

ESCOLA DE COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E HUMANIDADES

PROJETO DE QUALIFICAÇÃO

O PRECONCEITO ANFÊMERO COMO PRÁTICA DE

AUTOPRESERVAÇÃO SOCIAL

WELLINGTON FERNANDO DA CONCEIÇÃO ARMANDILHA

SÃO BERNARDO DO CAMPO

2016

OBJETIVOS

Geral:

\uf0b7 Compreender os impactos do preconceito na sociedade, e promover uma reflexão

filosófica acerca do preconceito e da discriminação e como ambos são sustentados e

disseminados nos meios coletivos sociais, e partindo do pressuposto que o preconceito

se divide entre individual e coletivo criar uma linha para elucidar e representar os limites

desta diferenciação. Listar as mais diversas formas de preconceito e suas posturas,

apontar de modo prático e objetivo como cada uma reflete negativamente e qual sua

representação na sociedade. Buscar demonstrar de forma teórica que a vasta maioria dos

seres humanos carregam consigo e são dotados de algum tipo de preconceito, seja ele

um preconceito formado de acordo com suas próprias vivencias e experiências ou um

preconceito no qual são inseridos desde seu nascimento e consequentemente creem

nisso como verdade e tal como a sociedade da qual eles fazem parte esse indivíduo

perpetua essa crença não racional e por consequente esse preconceito passa a se tornar

uma discriminação, e partindo desta perspectiva onde a ampla população têm consigo

algum tipo de preconceito, estaríamos inseridos no que chamo de pirâmide sem base na

qual cada indivíduo crê ou gera uma tipo de preconceito para com outro indivíduo (ou

grupos) para que ele mesmo não fique na base desta pirâmide, onde quem sofre

preconceito também gera preconceito. Refletir como a linguagem tem um papel

fundamental tanto para difundir o preconceito como também para eliminá-lo.

Compreender como os estereótipos (do grego \u3c3\u3c4\u3b5\u3c1\u3b5\u3cc\u3c4\u3c5\u3c0\u3bf\u3c2, sendo comporta por

stereos e typos, "impressão sólida\u201d) que são predefinições preconcebidas de coisas e

pessoas (consequentemente de grupos) são grandes motivadores do preconceito e da

discriminação. Tais aspectos serão abordados a partir de uma perspectiva através da

leitura da obra Elogio da serenidade e Outros Escritos Morais do filosofo italiano

Norberto Bobbio.

Específicos:

\uf0b7 Identificar de que forma o preconceito consegue se manter presente dentro dos âmbitos

sociais e buscar identificar e pontuar quais são os mecanismos sociais e políticos que

servem como difusores e amplificadores do preconceito e da discriminação entre

culturas, raças, credos etc. Compreender a causa motivadora para que estes mecanismos

venham a se velar do preconceito ao invés de incentivarem e buscarem formas de

alcançar sua eliminação, partindo do princípio e da ideia que o preconceito seja algo

negativo socialmente e por isso deva ser eliminado, tanto que uma reflexão sobre as

dificuldades especificas relativas à eliminação do preconceito dentro da sociedade

devem ser abordadas e entendidas suas causas motrizes. Diferenciar o preconceito

individual do preconceito coletivo e como cada um pode impactar e impacta na

sociedade. Elucidar os malefícios do preconceito e como sua propagação serve como

ferramenta de ruptura social e consequentemente como um meio de afastar as pessoas

do seu próprio meio social, gerando assim um sentimento cada vez menor de

reciprocidade e identificação coletiva. Entender de que forma mesmo com a clareza de

que os homens são por natureza diferentes entre si, criando assim a individualidade de

cada um como o preconceito tal como a discriminação se vale desta individualização

para se fundar num mero juízo de fato, se amparar na diversidade natural para separar

os indivíduos.

INTRODUÇÃO AO PROBLEMA

Somos seres sociais e justamente por isso carregamos conosco hábitos, costumes,

cultura etc, já pré-existentes na sociedade em que somos lançados, algumas particularidades

como a língua, hábitos alimentares, vestimenta e até alguns aspectos sociais, entre eles o

preconceito que é o tema de pesquisa deste trabalho, ora num rápido resumo podemos concluir

que a maior parte dos seres humanos carregam consigo algum tipo de preconceito, seja ele de

caráter individual que posso chamar aqui de superstições como por exemplo um indivíduo que

acredita que cruzar com um gato preto na rua lhe trará azar, ou de caráter coletivo que se

propaga socialmente entre grupos distintos, o enfoque deste trabalho filosófico é abordar e

estudar o preconceito no âmbito coletivo. Diante do que a história da humanidade nos mostra,

sempre existiram preconceitos que são por eles mesmos prejudiciais a nossa própria existência,

seja no sentido de preservar ou impor uma certa cultura, seja no aspecto de um grupo buscar

uma forma de demonstrar superioridade sobre outro ou até mesmo dentro da observação de

uma diversidade entre indivíduo e indivíduo, entre grupo e grupo. Mas, qual seria o motivador

para que tais aspectos pudessem sobreviver ao longo de nossa história e frente a todas as

transformações socioculturais e políticas que a humanidade passou esse comportamento que

pode ser visto aqui como separatista entre homens e homens pudesse se manter ainda presente

em nossa contemporaneidade?

 Frente a esse questionamento, esse projeto tem como meta exemplificar, analisar e

demonstrar através de um viés filosófico o porquê desta persistência e quais os mecanismos

que permeiam tal ação humana, além de fazer um auto questionamento acerca do papel do

homem como possível e único culpado para que esse sentimento seja difundido geração após

geração.

Antes de iniciar um aprofundamento no tema central deste projeto de pesquisa, se faz

necessário uma abordagem etimológica sobre o assunto norteador que é o preconceito e

consequentemente a discriminação, para então, a partir daí fazer-se as devidas considerações

acerca do tema.

A palavra preconceito é composta por duas palavras distintas, primeiramente a palavra

pré, que remete a ideia de algo anterior, antecedente e a palavra conceito (Do Grego Xóyoç. Do

Latin, Conceptus) que faz referência aquilo que se compreende ou se entende sobre algo, sua

derivação do latim conceptus se refere à construção ideal do ser ou de objetos apreensíveis

cognitivamente, em seu sentido geral, o conceito é uma noção abstrata ou ideia geral.

Designando seja um objeto suposto único (ex.: o conceito de Deus), seja uma classe de objetos

(ex.: o conceito de cão). Do ponto de vista lógico, o conceito é caracterizado por sua extensão

e por sua compreensão.

Termo chave em filosofia, o conceito designa uma idéia abstrata e geral

sob a qual podemos unir diversos elementos. Só em parte é sinônimo

de idéia, palavra mais vaga. que designa tudo o que podemos pensar ou

que contém uma apreciação pessoal: aquilo que podemos pensar de

algo. Enquanto idéia abstrata construída pelo espírito, o conceito

comporta, como elementos de sua construção: a) a compreensão ou o

conjunto dos caracteres que constituem a definição do conceito (o

homem: animal. mamífero, bípede etc.): b) a extensão ou o conjunto

dos elementos particulares dos seres aos quais se estende esse conceito.

A compreensão e a extensão se encontram numa relação inversa: quanto

maior for a compreensão. menor será a extensão: quanto menor for a

compreensão. maior será a extensão. (JAPIASSU, 1996)

Tendo essa ideia da formulação e concepção da palavra preconceito, podemos aqui

então dizer que, a palavra preconceito refere-se diretamente a um conceito ou uma ideia que

está baseada numa forma antecedente à constatação dos fatos, utilizando-se de características