A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
192 pág.
1. Introdução aos conceitos básicos de concreto.ppt [Modo de Compatibilidade]

Pré-visualização | Página 3 de 6

gelo que se formam 
internamente durante o inverno 
encontrem espaço para se alojarem. 
82
USO DE INCORPORADORES DE AR
83
PRINCIPAIS TIPOS DE ADITIVOS 
d) Retardadores de pega
Agem na superfície dos grãos de cimento 
fazendo com que a partícula se dissolva 
mais lentamente na água de mistura. 
Seu efeito é o de prolongar o tempo 
que o concreto fresco pode ser 
transportado, lançado e adensado.
84
ADITIVOS
85
86
AGLOMERANTES
AGLOMERANTES
Substâncias ligantes capazes de unir 
fragmentos ou massas de materiais 
sólidos em um corpo compacto.
Existe um grande número de 
substâncias diferentes entre si, com 
poucas características em comum, a não 
ser sua capacidade aglutinante.
87
AGLOMERANTES
Cimentos hidráulicos: aglomerantes 
que não só endurecem pela reação com a 
água, mas também formam um produto 
resistente à água (ex: cimento comum).
Cimentos não-hidráulicos (ou 
aereos): aglomerantes resultantes da 
calcinação da gipsita ou carbonatos de 
cálcio. Seus produtos de hidratação não 
são resistentes à água (ex: cal e gesso).
88
CAL
É o aglomerante mais antigo usado pela 
humanidade.
É um aglomerante aéreo, ou seja, possui 
baixa resistência à exposição continuada à 
água.
Seu endurecimento, quando 
comparado ao cimento Portland ou ao 
gesso, é muito lento.
89
CAL
Os produtos produzidos com a cal 
apresentam uma resistência muito baixa e 
um módulo de elasticidade pequeno.
Módulo de elasticidade é um parâmetro 
mecânico que proporciona uma medida 
da rigidez de um material sólido.
90
CAL
Devido às suas características únicas, a 
cal é muito utilizada na construção civil:
em argamassas (assentamento e 
revestimentos);
em concretos asfálticos;
produção de isolantes térmicos; 
blocos sílico-calcáreo;
pinturas à base de cal.
91
O QUE É A CAL?
Um aglomerante inorgânico, produzido a 
partir de rochas calcarias, composto 
basicamente de cálcio e de magnésio, e 
se apresenta na forma de um composto 
muito fino.
O endurecimento da cal ocorre por 
reação com o CO2 (dióxido de 
carbono).
92
O QUE É A CAL?
Existem duas formas de cal no mercado:
Cal virgem – deve ser hidratada para uso 
(reação expansiva).
Cal hidratada – pronta para uso.
93
PRODUÇÃO DA CAL
1) Extração da matéria-prima e britagem;
2) Seleção da faixa granulométrica ótima e 
transporte para o forno;
3) Calcinação;
4) Moagem;
5) Armazenamento da cal virgem;
6) Hidratação e moagem;
7) Ensacamento e distribuição.
94
PRODUÇÃO DA CAL
95
RETENÇÃO DE ÁGUA
A Cal contribui para a hidratação do 
cimento:
Auxilia na retenção de água quando a 
argamassa é aplicada sobre uma base 
absorvente, ampliando o tempo de 
acabamento;
Favorece a resistência de aderência 
(propriedade exigida de uma argamassa 
de assentamento e/ou revestimento).
96
RETENÇÃO DE ÁGUA
NBR 9290/96
A retenção de água é considerada uma 
propriedade básica no emprego da cal 
em argamassas.
Fisicamente, ela é causada por sua elevada 
área superficial (adsorção).
97
APLICAÇÕES
98
GESSO
Mineral aglomerante produzido a partir do 
aquecimento da gipsita, um mineral 
abundante na natureza, e posterior redução 
a pó da mesma.
É composto principalmente por:
sulfato de cálcio hidratado (CaSO4.2H2O);
e pelo hemidrato obtido pela calcinação 
desse material (CaSO4.½H2O).
99
GESSO
É caracterizado pelo rápido 
endurecimento, o que viabiliza sua 
utilização em divisórias leves de gesso 
acartonado.
É o aglomerante que menos emite CO2 na 
sua calcinação, por ter a menor temperatura 
de queima (350°C) contra as maiores do 
cimento Portland (1450°C) e a cal (entre 
800 e 1100°C).
100
APLICAÇÕES DO GESSO
 Revestimento em pastas de gesso.
 Gesso acartonado.
 Placas de gesso.
101
APLICAÇÕES DO GESSO
102
APLICAÇÕES DO GESSO
103
ÁGUA
A água utilizada no concreto deve ser 
preferencialmente potável
Não devendo conter matéria orgânica, 
como argila, folhas e materiais oleosos. 
Ou seja, água natural, sem 
contaminantes. 104
RELAÇÃO ÁGUA/CIMENTO
O fator água/cimento é o principal 
parâmetro controlado na dosagem
responsável por 95% das variações na 
resistência do concreto. 
Esta relação (resistência à compressão e a 
relação água/cimento) foi descoberta 
experimentalmente por Duff Abrams 
(1918). 105
LEI DE ABRAMS
Ainda hoje, a chamada Lei de Abrams é o 
principal parâmetro para a definição da 
resistência e durabilidade dos concretos.
fc = A / Ba/c
Onde:
fc – resistência à compressão numa certa idade 
em MPa;
A e B – constantes que dependem dos materiais 
utilizados;
a/c – relação água/cimento em massa. 106
LEI DE ABRAMS
107
108
109
O cimento, muito semelhante ao que 
conhecemos hoje, foi cientificamente 
desenvolvido pelo britânico Joseph 
Aspdin. 
O material obtido tinha cor e dureza 
semelhantes à pedra da Ilha de Portland, 
localizada ao Sul da Inglaterra e por isso 
ele batizou seu produto de Cimento 
Portland (1824).
CIMENTO
110
A primeira tentativa de produção do 
Cimento Portland no Brasil aconteceu em 
1888, quando o Comendador Antonio 
Proost Rodovalho instalou uma fábrica em 
sua fazenda, em Sorocaba (SP), mas que 
não chegou a ter uma produção regular.
Em 1924, foi implantada uma fábrica em 
Perus, no estado de São Paulo, pela 
Companhia Brasileira de Cimento Portland. 
CIMENTO PORTLAND
111
fonte: http://cimento.org/cimento-no-brasil/
CIMENTO PORTLAND
Cimento Portland é um cimento 
hidráulico produzido
pela moagem de clínqueres, constituídos 
essencialmente por silicatos de cálcio
hidráulicos e uma pequena quantidade de 
uma ou mais formas de sulfato de cálcio.
112
CIMENTO PORTLAND
Após entrar em contato com a água, o 
cimento é submetido a processos de 
transformações químico-mineralógicas
que contribuem para agregar e 
consolidar os agregados, resultando em 
um compósito, o concreto de cimento 
Portland.
113
PRODUÇÃO DE CIMENTO PORTLAND
O principal constituinte do cimento Portland 
é o clínquer Portland, resultante da 
calcinação, a aproximadamente, 1450°C de 
uma mistura de calcário e argila.
Com o objetivo principal de regular o 
tempo de pega (endurecimento inicial do 
produto), adiciona-se sulfato de cálcio 
(gesso) em proporções entre 3% e 5%.
114
115
116
117
Município de Paulista (PE) a 30 quilômetros de Recife.
118
Localizada no município de Balsa Nova, a 32 km de Curitiba. Com 
capacidade instalada anual de 2,8 milhões toneladas de 
cimento/ano. Suas reservas de calcário ultrapassam 300 milhões 
de toneladas.
119
Localizada em Sete Lagoas/MG com capacidade nominal de 
produção de 1 milhão de toneladas/ano.
FINURA DO CIMENTO PORTLAND
Além da composição do cimento, a sua 
finura também afeta sua reatividade com 
a água.
Geralmente, quanto mais fino o cimento, 
mais rápida sua reação.
Porém, os custos da moagem e do calor 
emitido na hidratação, estabelecem alguns 
limites para a finura. 
120
GRANULOMETRIA DO CIMENTO 
PORTLAND
O desejável são que pelo menos 70% das 
partículas tenham tamanho entre 3 e 30 
μm. (micrometro, ou seja, um milionésimo 
de metro).
121
CIMENTO PORTLAND
Logo após da invenção do cimento Portland, 
outros materiais começaram a ser 
estudados para utilização conjunta.
cimentos com adições
Proporcionam significativas melhoras na 
qualidade dos cimentos, além da redução 
dos custo de produção (pelos baixos 
valores agregados desses materiais).
122
ADIÇÕES NO CIMENTO PORTLAND
Escórias alto-forno:
 são obtidas durante