A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
290 pág.
Questão Social e Serviço Social

Pré-visualização | Página 24 de 50

fica para o ser comum é a farsa do consumo.
Realmente, o poder que o sistema de consumo tem em produzir informações 
e desejos com fins manipulatórios é impressionante, sendo que o objetivo é sim 
tornar a pessoa alienada, um objeto de manipulação, utilizá-la como meio e não 
como fim faz parte da lógica do capitalismo e da globalização financeira.
Ficha técnica:
Título Original: Encontro com Milton Santos ou O Mundo Global Visto do Lado 
de Cá 
Gênero: Documentário 
Tempo de duração: 89 minutos 
Ano de lançamento (Brasil): 2007
O documentário O Mundo
Global Visto do Lado de
Cá revela a globalização a
partir da visão do
professor Milton Santos,
grande pensador,
considerado por muitos o
maior geógrafo brasileiro,
que foi um crítico da
globalização perversa e o
único estudioso, fora do
mundo anglo-saxão, a
receber o Prêmio Vautrin
Lud, o equivalente ao
Nobel na geografia.
IMPORTANT
E
Como forma de ampliar a discussão e os conhecimentos sobre a globalização, 
assista ao documentário do cineasta brasileiro Sílvio Tendler, “Encontro com Milton Santos – O 
mundo global visto do lado de cá”. No filme, o geógrafo brasileiro Milton Santos (1926-2001) 
expõe sua concepção sobre o processo de globalização no mundo, relata vários aspectos 
sobre a sociedade globalizada e seus entraves.
Cientistas políticos, sociólogos, geógrafos, historiadores, economistas, 
assistentes sociais, filósofos, teólogos, antropólogos, entre outros, enfim, diversos 
profissionais das áreas das ciências humanas e sociais com visões e posturas 
82
UNIDADE 2 | O NEODESENVOLVIMENTO NO CAPITALISMO E O ACIRRAMENTO DAS
 EXPRESSÕES DA QUESTÃO SOCIAL
ideológicas diferentes, pesquisam a sociedade moderna, bem como assuntos e 
contextos relacionados a ela, como também os problemas, as adversidades, as 
complexidades sociais, as diversas e inúmeras manifestações da questão social que 
trazem desencantamentos, temores e aflições. 
Ianni (1994b, p. 155) descreve:
A reflexão sobre a sociedade global, em suas configurações e 
movimentos, transborda os limites convencionais desta ou daquela 
ciência social. Ainda que haja ênfases e prioridades, quanto a este ou 
aquele aspecto da globalização, logo fica evidente que qualquer análise 
envolve necessariamente várias ciências. A economia da sociedade 
global envolve também aspectos políticos, históricos, geográficos, 
demográficos, culturais e outros. A cultura da globalização passa 
pela cultura de massa, indústria cultural, mídia impressa e eletrônica, 
religiões e línguas, além de outros aspectos que transbordam limites 
convencionais da antropologia e da sociologia.
Por isso temos que ter a compreensão de que a “Questão Social” não é tema 
unicamente objeto próprio e único do Serviço Social, mas na sociedade moderna 
abrange uma postura ética de diversos profissionais que almejam a qualidade 
de vida na sociedade, uma condição civil de direitos e dignidade humana, não 
somente para alguns, mas para toda coletividade que almeja uma nova ordem 
societária.
Nesse sentido, “A proposta da nossa atual ordem societária, o capitalismo, 
busca as diferenças apenas na lógica mercadológica e a desigualdade no motriz de 
sua existência” (MARTINS, 1998, p. 13). Visto que diferenças são apenas diferenças, 
porém a desigualdade tem uma amplitude maior, pois no capitalismo a diferença 
é apenas um detalhe, porém a desigualdade é consequência inevitável e necessária 
para a sobrevivência e ampliação do capitalismo e lógica de mercado.
3 A ESTRATÉGIA NEODESENVOLVIMENTISTA FRENTE À 
QUESTÃO SOCIAL
Como as sociedades nunca foram estáticas e nunca serão, o princípio da 
ação e reação também pode ser caracterizado por analogia, visto que, se para a 
física as forças atuam sempre em pares, assim, para toda força de ação existe uma 
força de reação. Assim, na sociedade contemporânea, com a mundialização da 
economia, não deixa de ser diferente, principalmente no que tange à relação do 
Estado com a sociedade civil e com a sociedade de mercado, entre a esfera pública 
e privada.
Dialeticamente agora falando, as forças existentes na sociedade capitalista 
também atuam em forma de ação e reação, reação e outra nova ação, e assim 
sucessivamente, fazendo emergir novas configurações e acirramentos, tanto da 
esfera econômica quanto na social. 
TÓPICO 1 | O SURGIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO, LIBERALISMO E NEOLIBERALISMO
83
A política neoliberal, antes da mundialização da economia, baseava-se 
na desregulamentação, descompatibilização e privatização dos países em suas 
ações, ou seja, o Estado se retirava da economia e todo o processo de concorrência 
e formação de preços ficava a cargo do mercado. Com isso tínhamos um custo 
social altíssimo, pois, estando o Estado fora da economia, ele também deixava 
de ser um empregador e logo as inovações tecnológicas traziam consequências 
avassaladoras, evidenciando o acirramento evidente das questões sociais. 
De acordo com Fraser (apud MELO, 2013, p. 415), “[...], também as 
desigualdades econômicas aumentaram no período em que forças neoliberais, 
características do processo de globalização, se acirraram”.
O neodesenvolvimento que, em tese, se estrutura em substituição ao 
neoliberalismo, forja um modelo híbrido de desenvolvimento que 
tenta conciliar diretrizes desenvolvimentistas e liberais e prega o 
crescimento econômico atrelado à expansão do social sob a fachada de 
um capitalismo humanizado (CASTRO, 2013, apud PRATES, 2014, p. 1).
A contemporânea economia mundializada possui meandros e aspectos 
de alta complexidade, importando em diferenciadas análises a depender 
das ideologias e dos projetos societários que as embasam. O projeto do 
novo desenvolvimentismo, numa economia dependente como a do 
Brasil, embora em tese, intente aproximar os índices de crescimentos 
econômicos e sociais, esbarra nos componentes estruturais de formação 
da sociedade brasileira, que acumula séculos de miséria e pobreza. 
(CASTRO, 2013, p. 364).
Nesse sentido vamos compreender como a mundialização da economia 
proporcionou o acirramento das expressões da questão social e, agora, como o 
Estado vem lidando com as multifacetadas e novas expressões sociais que aparecem 
no cenário contemporâneo. 
O acirramento das expressões sociais diz respeito ao aumento de inúmeras 
e novas expressões, se refere ao incitamento das mesmas e seu consequente 
agravamento, constatamos que teve um aumento significativos das expressões 
e manifestações sociais, reforço considerável. Como, por exemplo, não temos 
apenas na nossa sociedade usuários de álcool, cocaína, mas essencialmente de 
novas drogas como o crack, assim novos tipos de violência, novas formas e tipos de 
pobreza, novos excluídos sociais, e assim por diante.
IMPORTANT
E
Na atualidade surgiram novos conceitos, como, por exemplo, o 
neodesenvolvimentismo ou o novo desenvolvimentismo, como uma estratégia nacional 
– governamental – de um melhor e maior desenvolvimento do país, com a intenção de 
aumentar a renda nacional em todos os sentidos e diminuir a desigualdade social em todos 
os parâmetros.
84
UNIDADE 2 | O NEODESENVOLVIMENTO NO CAPITALISMO E O ACIRRAMENTO DAS
 EXPRESSÕES DA QUESTÃO SOCIAL
Nesse sentido, parece que o neoliberalismo progrediu, sofreu uma mutação, 
até porque se tornou evidente o fracasso das políticas neoliberais que priorizavam 
um Estado mínimo na área social, deixando o mercado se autorregular. Por isso 
que a estratégia e perspectiva neoliberal considerada até há pouco tempo não 
se adequa mais ao contexto contemporâneo, onde a economia se mundializou 
e o Estado precisou se “modernizar” desenvolvendo um papel estratégico para 
poder competir nos mercados mundiais, promovendo para isso o consumo e o 
crescimento econômico.
Na sociedade global, o mercado é o fator principal, porém o Estado não é 
mais