A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Tema 07

Pré-visualização | Página 2 de 2

Dar assistência ao cliente: você deve oferecer ao cliente suporte adequado e colocar à 
disposição dele uma central de atendimento, respostas às perguntas mais frequentes, 
manter e monitorar grupos de interesse especial, deixar disponível a documentação 
técnica e promover treinamentos a distância.
FIQUE ATENTO!
O Sebrae sugere algumas estratégias que devem ser adotadas antes de se abrir um 
negócio on-line. São elas: “[...] criar um blog com dicas, curiosidades e análises sobre 
os produtos ou serviços que se quer oferecer; vender algumas unidades do produto 
ou serviço em site de vendas com bom tráfego de pessoas; e criar uma página em 
uma rede social para encontrar pessoas dentro do seu nicho” (ARAÚJO, 2014, p.33).
Mas quais são os modelos de negócios oferecidos pela internet? Conhecer essa particula-
ridade é muito importante, pois isso levará você a conhecer o mercado on-line como um todo. 
Os autores Chiavenato (2008); Ferreira, Santos e Serra (2010); Dornelas (2015) e Dolabela (2008) 
fornecem mais detalhes sobre esses modelos, a seguir.
 • B2C: lojas on-line para a venda a consumidores finais: Este é o tipo de comércio ele-
trônico mais praticado atualmente. São os comércios eletrônicos que encontramos a 
todo tempo na internet, ou seja, que vendem produtos ou serviços diretamente ao con-
sumidor final. Este tipo de comércio é utilizado para apoio no caso de expansão sem 
que gere demasiados custos.
SAIBA MAIS!
Para aprofundar seus estudos sobre marketing de relacionamento no B2B, acesse: 
http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/relacionamento-antes-do-marketing 
/2016/10/17/duas-gotas-bastam/.
Você poderá ler mais sobre esta interessante ferramenta de comercio eletrônico 
direcionada ao consumidor final.
 • C2C - plataformas on-line para compra e venda entre consumidores: são platafor-
mas de vendas em que consumidores vendem produtos ou serviços entre si. Este é o 
modelo ideal para consumidores que procuram ofertas mais acessíveis de itens que 
estão bem conservados ou que são novos.
 • B2B - negócios virtuais empresa para empresa: O modelo B2B (Business-to-Business) é 
bem semelhante ao B2C, porém aqui não existe o consumidor final, pois se trata de negó-
cios entre empresas. É muito usado por atacadistas, indústrias e empresas de importação.
 • Marketplace - um centro de compras com diversos fornecedores: os Marketplaces 
são plataformas on-line terceirizadas onde temos o oferecimento de produtos ou servi-
ços de diferentes fornecedores em um mesmo lugar.
 • M-Commerce - comércio eletrônico com foco no mobile: com o advento da tecnologia 
os aplicativos mobiles são uma grande sacada. Aqui, o foco é ganhar dinheiro com isso, 
seja no desenvolvimento dos aplicativos, seja na venda, seja na utilização de propagan-
das e patrocínios dentro deles.
EXEMPLO
Uber e Instagran são exemplos de aplicativos onde é possível encontrar propagan-
das com produtos ou serviços patrocinados quando são acessados.
Figura 4 – As vendas na Internet
Fonte: Oberon/Shutterstock.com
É preciso destacar também que se deve ter cuidado para explorar negócios na internet. Além 
de identificar as oportunidades, elas precisam ser estudadas com calma para que o empreendedor 
não meta os pés pelas mãos.
Fechamento
Concluímos aqui a aula sobre fontes de novas ideias. Esta unidade foi muito importante para 
que você percebesse que além de haver diversas fontes de ideias autônomas, já que surgem sozi-
nhas durante qualquer situação, você poderá ainda utilizar técnicas para que sejam geradas.
Nesta aula você teve a oportunidade de:
 • conhecer as fontes de ideias e sua utilização;
 • identificar a internet como fonte de negócios;
 • compreender os tipos de negócios existentes na rede.
Referências 
ARAUJO, Roberto. O empreendedorismo dos novos tempos. Curitiba: Ridel, 2014.
BARBOSA, Antonio P.; BARBOSA, Ana Clarisse A. A evolução do empreendedorismo, de Ford aos 
nossos dias. In: LAPOLLI, Édis M.; ROSA, Silvana B. Empreendedorismo e desenvolvimento sus-
tentável: visão global e ação local. Florianópolis: Pandion, 2009. p. 125 – 148.
BARON, Robert A.; SHANE, Scott A. Empreendedorismo – uma visão do processo. São Paulo: 
Thomson Learning, 2007.
BARCI, Leonardo. Duas gotas bastam... Exame.com. Out. 2016. Relacionamento antes do Marke-
ting. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/relacionamento-antes-do-marke-
ting/2016/10/17/duas-gotas-bastam/>. Acesso em: 19/10/2016.
BRITO, Vanessa. Casos de Sucesso. Lavanderia Prillav. Sebrae. Centro Sebrae de Empre-
endedorismo. Disponível em: http://sustentabilidade.sebrae.com.br/sites/Sustentabilidade/
Para%E2%80%93sua%E2%80%93Empresa/Casos%E2%80%93de%E2%80%93sucesso/lavande-
ria-prillav,f0a2e88c6a767510VgnVCM1000004c00210aRCRD. Acesso em: 18 out. 2016.
CHIAVENATO, Idalberto. Empreendedorismo - dando asas ao espírito empreendedor. São Paulo: 
Saraiva, 2008.
DORNELAS, José. Empreendedorismo: transformando ideias em bons negócios. São Paulo: Atlas, 
2015.
Ideias. In: DE HOLANDA, Aurélio B. Dicionário Brasileiro de Língua Portuguesa. São Paulo, Posi-
tivo, 2014.
DOLABELA, Fernando. O Segredo de Luísa. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.
DOLABELA, Fernando. Sonhos e riscos bem calculados. São Paulo: Saraiva, 2010. 
FACULDADES DA INDÚSTRIA. Empreendedorismo. Curitiba: Fiep, Sesi, Senai, IEL, 2015.
FERREIRA, Manuel Portugal; SANTOS, João Carvalho; SERRA, Fernando A. Ribeiro. Ser Empreen-
dedor: pensar, criar e moldar a nova empresa. São Paulo: Saraiva, 2010. 
JOHSON, Steve. De onde vêm as boas ideias. Disponível em: http://baixarebook.com/2016/02/16/
livro-de-onde-vem-as-boas-ideias-steven-johnson-pdf-mobi-ler-online/. Acesso em: 19/10/2016.