A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
AD1 2019.1 19118060092 Wellington Bonifacio

Pré-visualização | Página 1 de 1

Wellington Bonifácio Th
o
mé
Nit
e
rói
19118
0
60092
AD1 - AVALIAÇÃO À DISTÂNCIA – 2019.1
DISCIPLINA: PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO
Coordenação: Profª FÁTIMA SCAFFO
Prezado (a) aluno (a):
Esta é a sua primeira avaliação à distância. Leia atentamente as Instruções abaixo e procure ser objetivo e claro.
Você vai encontrar Nº04 questões nesta prova; 
Leia atentamente todas as questões; 
Escreva com letra legível;
Revise suas respostas e verifique se as ideias estão claras;
Responda com caneta azul ou preta;
Nós da equipe da disciplina PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO desejamos um ótimo desempenho!
Questão 1: (vale 2,0)
Baseando-se na aula 01, esclareça de que maneira os testes psicométricos marcam a presença da Psicologia nas práticas educativas?
R: As amarras que marcam a presença da Psicologia nas práticas educativas surgiram a partir do uso de instrumentos psicométricos considerados procedimentos válidos para a decisão sobre o destino de um aprendente numa dada circunstância, vinda do emprego tecnicista do saber psicológico que produziu uma espécie de coisificação do homem como objeto analisável, decifrável e previsível. Deste modo, os testes psicométricos influenciam na aplicação da melhor metodologia de aprendizado de cada aluno a partir dos seus resultados, tornando o ensino mais individualizado.
Questão 2 (vale 2,0)
Tentando aplicar as teorias psicológicas, a Psicologia da Educação buscou fundamentação nas três áreas que estavam em franco desenvolvimento no início do século passado: os estudos sobre diferenças individuais e a preocupação psicométrica (uso de testes de inteligência, atenção, aptidões), as pesquisas sobre processos e tipos de aprendizagem e, finalmente, os estudos sobre o desenvolvimento infantil. Tomando por base a aula 2, discorra sobre os aspectos positivos e negativos desta procura.
R: 	O estudo das diferenças individuais influenciaram uma visão psicométrica da inteligência, buscando entender a forma pela qual se estrutura; neste modelo, coexiste uma pressuposição de que ela é composta de habilidades e que estas podem ser medidas por provas de capacidade mental. Outros paradigmas foram marcantes para o estudo da inteligência: o desenvolvimento da psicologia e a ciência biológica, ao tratar das bases neurais de inteligência. 
Quanto à aprendizagem, constitui o modo como os seres vivos adquirem novos conhecimentos, desenvolvem suas competências e modificam seus comportamentos, valores e atitudes, em função de suas experiências, contemplando tanto fatores inatos quanto fatores do ambiente sociocultural e como um processo, a aprendizagem pode ser estudada segundo um conjunto de dimensões, e não apenas as duas dimensões opostas, propostas pela dicotomização entre inatismo e ambientalismo. 
Quanto ao desenvolvimento infantil, o construtivismo de Jean Piaget (1896-1980) apresenta, em sua estrutura, mecanismos próprios, determinados principalmente pela maturação biológica. Utilizando o método estruturalista, o autor centraliza seus estudos mais no sujeito do que no objeto, este último visto como perturbador da estrutura cognitiva. 
O conhecimento, dentro do construtivismo piagetiano, é “construído” de acordo com os estágios do desenvolvimento do ser humano. Tais estágios são fixos e universais, como o são os processos de maturação, e são independentes da aprendizagem. As constantes trocas com o meio, a partir das ações do ser humano, propiciam adaptação progressiva, objetivando um equilíbrio constante. A aprendizagem benefcia-se desses progressos, mas não o influência, e certos tipos de aprendizagem só serão possíveis quando o organismo alcançar determinados níveis de desenvolvimento das estruturas cognitivas. 
Questão 3 (vale 2,0)
Segundo a aula 3 marque se as afirmações abaixo estão CORRETAS (C) e NÃO CORRETAS (NC):
( C ) Para John Locke as ideias não são inatas, sendo a experiência a única fonte das ideias e do conhecimento. A mente humana, no início, é um papel em branco (ou uma tabula rasa) que vai sendo preenchido aos poucos, através das experiências que nos chegam através das sensações.
( NC ) Para John Stuart Mill a experiência não constitui a base dos processos mentais. As representações são formadas por ideias e, por fim, surgem as associações.
( C ) Para David Hume a base de sua investigação sobre a teoria do conhecimento é a divisão dos objetos da consciência em duas classes: impressões e ideias. As impressões correspondem aos dados fornecidos pelos sentidos, já as ideias correspondem às representações, na memória, dessas impressões. 
( C ) Para Marilena Chauí a dicotomia inatismo - ambientalismo teve, como consequência a dúvida quanto à possibilidade de um conhecimento racional, verdadeiro.
Questão 4 (vale 2,0)
A aula 4 apresenta diferentes concepções de homem por diferentes teóricos. Marque VERDADEIRA ou FALSA para as concepções correspondentes aos teóricos;
( F ) Freud nega que o desenvolvimento humano seja explicado por fatores psicossexuais. Os componentes do aparelho psíquico (id, ego e superego) têm dinâmicas próprias que são geradoras de conflito. O id existe desde o nascimento, é zona inconsciente e primitiva; o ego forma-se no primeiro ano de vida, sendo regido pelo princípio do prazer; e o superego forma-se entre os três e os cinco anos de vida, resulta do processo de imaturidade.
( V ) Segundo Piaget , o comportamento é definido na interação entre as estruturas biológicas e o ambiente, e a inteligência se constrói progressivamente ao longo do tempo, por estágios universais cuja sequência é definida.
Questão 5 (vale 2,0)
Leia o trecho seguinte e responda às questões que se seguem. Desde a contribuição seminal de Philippe Ariès, no seu História social da criança e da família no Ocidente (1960), tem havido um consenso crescente de que a história da infância é essencial para compreendermos a infância hoje. Por história da infância subtendem-se as lentas transformações dos costumes e práticas socioculturais que acarretaram mudanças na maneira de representar a infância. Em outras palavras, do ponto de vista comumente aceito hoje, encaramos a infância como uma construção social e, como tal, a infância só pode ser compreendida a partir das mudanças mais globais das sociedades, onde as diferenças de idade estão marcadas por significações e valores distintos que variam segundo a época histórica (CASTRO, 1998, p. 23). A partir do que você leu até aqui seria legítimo supor que, dependendo da época e lugar, as crianças são tratadas de formas diferentes? Sendo assim, você concorda ou discorda sobre a existência da intervenção da época e do lugar?
R: 	As crianças recebem diferentes tratamentos de acordo com o local e a época em que vivem e há intervenção do meio e período onde o menor está inserido. O sentimento de infância, de preocupação com a educação moral e pedagógica, o comportamento no meio social, são ideias que surgiram já na modernidade o que nos leva a crer na existência de todo um processo histórico até a sociedade vir a valorizar a infância. Ariès é bem claro em suas pesquisas quando diz que a particularidade da infância não será reconhecida e nem praticada por todas as crianças, pois nem todas vivem a infância propriamente dita, devido às suas condições econômicas, sociais e culturais. 
Assim, os sinais de desenvolvimento de sentimento para com a infância tornaram-se mais numerosos e mais significativos a partir do fim do século XVI e durante o século XVII, pois os costumes começaram a mudar, tais como os modos de se vestir, a preocupação com a educação, bem como separação das crianças de classes sociais diferentes.
Sucesso!