A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
63 pág.
EFEITO AGUDO DA LIBERAÇÃO MIOFASCIAL E do alongamento estatico sobre a mobilidade da coluna vertebral

Pré-visualização | Página 10 de 12

de escolares, 2017. 
Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/317402294 AUTO 
LIBERACAO MIOFASCIAL X ALONGAMENTO ESTATICO EFEITOS SOBRE 
A FLEXIBILIDADE DE ESCOLARES Self myofascial release x static stretching 
effects on the flexibility of schools. 08 de Outubro de 2017. 
 
 
CONTURSI, T.L.B. Flexibilidade e alongamento. 19.ed, Rio de Janeiro: 
Sprint, 1986. 
 
 
CHAITOW, L. A relevância clínica das funções da fáscia: traduzindo a 
ciência, 2017. Disponível em: < http://srvd.grupoa. 
com.br/uploads/imagensExtra/legado/C/CHAITOW_Leon/Terapia_Manual_Disf
uncao_Fascial/Lib/Amostra.pdf>. Acesso em: 04 de Outubro de 2017. 
45 
 
DANTAS, E.H.M. Flexibilidade: alongamento e flexionamento. 4.ed: Rio 
de Janeiro: Shape, 1999. 
 
 
 . Alongamento e flexionamento. 5.ed, Rio de Janeiro: 
Shape, 2005. 
 
 
FERNANDES, A; LIMA, V. Cinesiologia do alongamento. Rio de Janeiro: 
Sprint, 2006. 
 
 
FINDLEY, T. W; SCHLEIP, R. Fascia Research: Basic Science and implications 
for conventional and complementary health care. Munique: Elsevier, 2007. 
Disponível em: <http://www.somatics.de/FasciaResearchBook_excerpt.pdf.>. 
Acesso em: 23 de Março de 2017. 
 
 
GRIEVE, C.G.P. Moderna terapia manual da coluna vertebral: tradução 
Ivone Castilho. São Paulo: Panamericana, 1994. 
 
 
HALL, M. C; BRODY, T. L. Exercícios terapêuticos: na busca da função. Rio 
de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. 
 
 
HALL, S.J. Biomecânica Básica. 5.ed. São Paulo: Manole, 2009. 
 
 
KAPANDJI, T. A. Fisiologia articular: esquemas comentados de mecânica 
humana. 5.ed. Rio de Janeiro: Panamericana, 2000. 
 
 
KISNER, C; COLBY, L.A. Exercícios Terapêuticos: Fundamentos e 
técnicas. São Paulo: Manole, 1998. 
 
 
 . Exercícios terapêuticos. São Paulo: Manole, 2005. 
 
 
KNOPLICH, J. Viva bem com a coluna que você tem: dores nas costas, 
tratamento e prevenção. 6ed. São Paulo: Ibrasa,1980. 
 
 
LIPPERT, L. Cinesiologia Clínica e Anatomia; tradução: Maria de Fátima 
Azevedo. 5ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 2013. 
 
 
46 
 
MARCHAND, E. A. Proposta Metodológica para pacientes de Parkinson. 
Pelotas: 13º Simpósio Nacional de Ginástica, 1992. Disponível em:< 
http://www.efdeportes.com/efd53/flex.htm>. Acesso em: 14 de Julho de 2017. 
 
 
MARQUES, A. Manual de goniometria. Barueri, SP: Manole, 2003. 
 
 
MERCÚRIO, R. Dor nas costas nunca mais. São Paulo: Manole, 1997. 
 
 
MONTENEGRO, H. ITC Vertebral: instituto de tratamento da coluna vertebral, 
2006. Disponível em: < https://www.itcvertebral.com.br/>. Acesso em: 23 de 
Maio de 2017. 
 
 
MOREIRA, D; RUSSO, A. F. Cinesiologia clínica e funcional. São Paulo: 
Atheneu, 2005. 
 
 
MYERS, T.W. Trilhos anatômicos: meridianos miofásciais para terapeutas 
manuais e do movimento. 2ed. Rio de Janeiro: Elsevier , 2010. 
 
 
NETTER, F. Atlas de anatomia humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000. 
 
 
 . Anatomia humana. 3ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 
 
 
NORKIN, C. C.; LEVANGIE, P. K. Articulações: estrutura e função. 2ed. Rio 
de Janeiro: Revinter, 2001. 
 
 
OLIVER, A.; MEDDLEDITICH, J. Anatomia funcional da coluna vertebral. 
2.ed. Rio de Janeiro: Revinter, 1998. 
 
 
PALASTANGA, N. Anatomia e movimento humano estrutura e função. São 
Paulo: Manole, 1998. 
 
 
POWERS, S.K; HOWLEY,E.T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao 
condicionamento e ao desempenho. 5ed. Barueri: Manole, 2005. 
 
 
RASCH, P. J. Cinesiologia e anatomia aplicada. 7ed. Rio de Janeiro: 
Guanabara, 1991. 
 
 
47 
 
RÊGO, E. M. et al. Efeitos da liberação miofascial sobre a flexibilidade de 
um paciente com distrofia miotônica de steinert, 2012. Disponível em: < 
https://www.researchgate.net/publication/270572812_Efeitos_da_Liberacao_Mi
ofascial_Sobre_a_Flexibilidade_de_um_Paciente_com_Distrofia_Miotonica_de
_Steinert>. Acesso em 23 Agosto de 2017. 
 
 
SOUZA, M. S; MEJIA, D.P. Estudo comparativo entre as técnicas de 
alongamento ativo x liberação miofascial. Pós-graduação em Fisioterapia em 
Traumatologia e Reumatologia, Bio cursos - Manaus, 2012. Disponível em: < 
http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/32/61__Estudo_comparativo_entre
_as_tYcnicas_de_alongamento_ativo_x_liberaYYo_miofascial.pdf>. Acesso 
em: 10 de Agosto de 2017. 
 
 
STARKEY,C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. São Paulo, Manole, 
2001. 
 
 
SLEUTJES, L. Anatomia humana: podemos ser práticos e ir ao assunto. 
São Caetano so Sul: Difusão Editora, 2004. 
 
 
SCHNEIDER, W; SPRING, H; TRISCHLER. Mobilidade: teoria e prática. São 
Paulo: Santos Editora,1995. 
 
 
SKARABOT, J; BEARDSLEY, C; STIRN, C. Comparing the effects of self – 
myofascial release with static stretching on ankle range of motion in 
adolescente athletes, 2015. Disponível em: < 
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4387728/>. Acesso em: 05 de 
Outubro de 2017. 
 
 
THOMPSON, C. W. Manual de cinesiologia estrutural; tradução Dr. Nelson 
Gomes, Bela Vista: Manole, 1997. 
 
 
VASCONCELOS. Coluna vertebral conhecimento básicos. 2.ed. São Paulo: 
Etcetera Editora, 2004. 
 
 
VENERANDA, N. Liberação miofascial a técnica que pode ajudar você a ter 
menos dores e lesões. 2016. Disponível em: < https://horadotr 
eino.com.br/liberacao-miofascial/>. Acesso em: 21 de Setembro de 2017. 
 
 
VIEIRA, A. A. Elementos de estatística. São Paulo: Atlas, 1999. 
 
48 
 
VIEL, W; ESNAULT, M. Lombalgias e cervicalgias da posição sentada: 
conselhos e exercícios. São Paulo, 2000. 
 
 
WEINECK. J. Futebol total: o treinamento físico no futebol. São Paulo: 
Phorte, 2000. 
 
 
WELLS, K.F; DILLON, E.K. The sit and reach: a test of back and leg 
flexibility. Research Quarterly for Exercise and Sport, Washington, 1952. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
49 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
APÊNDICES 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
50 
 
APÊNDICE A – Dados dos Participante 
 
 
Nome do Participante: 
 
Semestre: 
 
Curso: 
 
Idade: 
 
Celular: 
 
 
Nome do Participante: 
 
Semestre: 
 
Curso: 
 
Idade: 
 
Celular: 
 
 
Nome do Participante: 
 
Semestre: 
 
Curso: 
 
Idade: 
 
Celular: 
 
 
Nome do Participante: 
 
Semestre: 
 
Curso: 
 
Idade: 
 
Celular: 
 
 
51 
 
APÊNDICE B – Carta de Informação ao Participante 
 
CARTA DE INFORMAÇÃO AO PARTICIPANTE DE PESQUISA 
 Caro participante, está pesquisa tem como finalidade verificar os efeitos 
agudo da liberação miofascial dos músculos paravertebrais lombares e do 
alongamento estático da cadeia posterior sobre a mobilidade da coluna 
vertebral. 
Os procedimentos que serão realizados, são testes de flexibilidade como 
Banco de Wells, e Terceiro dedo ao solo que consiste em verificar a medida de 
flexibilidade da cadeia posterior, logo após feito os primeiros testes de 
flexibilidade realizaremos as técnicas de liberação miofascial e o alongamento 
estático, essas técnicas se baseiam em proporcionar maior mobilidade, assim 
verificaremos qual das duas será mais eficiente, assim que as técnicas 
acabarem de ser realizadas, será feito novamente os testes de flexibilidade, 
para constatar qual técnica foi mais eficaz. 
Os possíveis Riscos da pesquisa será dores musculoesqueléticas relacionados 
aos testes de mobilidade e às manobras realizadas, entretanto teremos o 
máximo de cuidado para minimizar essas possíveis dores. 
Em questão de benéficos, as técnicas selecionadas irão proporcionar aumento 
do fluxo sanguíneo, mobilidade fáscial e flexibilidade