Material das aulas de anatomia e fisiologia

Material das aulas de anatomia e fisiologia


DisciplinaAnatomia e Fisiologia Humana303 materiais2.164 seguidores
Pré-visualização11 páginas
(localizado na porção superior do septo inter-
ventricular) e este emite ramos direito e esquerdo para 
os ventrículos. Desta forma, o estímulo alcança todo o 
miocárdio, resultando na contraçãoou relaxamento.
\uf097 Ao conjunto destas estruturas de tecido especial é dada 
a denominação de sistema de condução.
Sistema de Condução:
Tipos de vasos sanguíneos:
\uf097 Artérias: tubos cilindróides, elásticos, podem ser classificadas 
em grande, médio e pequeno calibre. 
\uf097 Considerando sua estrutura e função, as artérias classificam-se 
ainda como elásticas (ou de grande calibre) ex: aorta, 
distribuidoras (de tamanho médio) ex: maioria das artérias do 
corpo, artérias musculares; arteríolas (são os menores ramos 
das artérias).
\uf097 As artérias emitem ramos terminais (quando a artéria dá 
ramos e o tronco principal deixa de existir; ex: artéria braquial 
que bifurca-se em artéria radial e ulnar) e ramos colaterais 
(quando a artéria emite ramos e o tronco de origem continua a 
existir).
\uf097 As artérias podem ser superficiais ou profundas, as 
superficiais são oriundas de artérias musculares e se destinam 
à pele, sendo de calibre reduzido e distribuição irregular; as 
profundas são quase totalidade das artérias, isto é funcional 
pois nesta situação as artérias encontram-se protegidas.
\uf097 As artérias profundas são acompanhadas por uma ou duas 
veias (veias satélites). Pequenos trechos de artérias profundas 
apresentam trajetos superficiais, permitindo que verifiquemos 
a pulsação ao comprimi-la; ex: artéria radial.
\uf097 Veias: são tubos os quais o sangue circula em direção 
ao coração, fazem seqüência aos capilares e 
transportam sangue que já sofreu trocas com os 
tecidos, da periferia para o coração. 
\uf097 Sua forma varia de acordo com a quantidade de sangue 
no seu interior, são cilindróides quando cheias ou 
achatadas quando pouco cheias. Também são 
classificadas de grande, médio pequeno calibre e 
vênulas. 
\uf097 O número de veias é maior que de artérias, devido à 
presença de veias superficiais e na maioria das vezes 
apresentarem duas veias satélites acompanhando uma 
artéria. 
\uf097 As veias podem ser superficiais, sendo visíveis por 
transparência da pele, mais calibrosas nos membros e 
no pescoço e podem ser profundas, sendo solitárias ou 
satélites.
\uf097 As veias possuem válvulas que 
impedem o retorno do sangue 
pela ação da gravidade, caso 
haja diminuição da força que o 
impulsiona. Variz ocorre 
quando há insuficiência 
nessas válvulas, provocando 
sua dilatação.
\uf097 Capilares sanguíneos: São vasos microscópicos 
interpostos entre artérias e veias. Neles se processam 
as trocas entre o sangue e o tecido.
Débito Cardíaco:
\uf097 É a quantidade de sangue ejetado por minuto pelo 
ventrículo esquerdo.
\uf097 Todo volume de sangue que entra pelo átrio direito 
deve ser ejetado pelo ventrículo esquerdo. Num 
homem adulto normal, a quantidade de sangue no 
débito cardíaco é de aproximadamente 5,0 a 5,5 
l/min., enquanto que na mulher adulta normal, o 
débito cardíaco varia de 4,0 a 4,5 l/min.
\uf097 Para que o débito cardíaco possa realmente 
ocorrer, é necessária a eficiência do coração como 
bomba e a existência do retorno venoso. 
Retorno Venoso:
\uf097 É a quantidade de sangue que volta ao coração no átrio 
direito proveniente do corpo.
Choque cardiogênico e choque 
circulatório:
\uf097 Este tipo de alteração é dado devido a uma 
diminuição do débito cardíaco e com isso 
diminuindo a circulação sanguínea até as células, 
podendo causar lesões irreversíveis.
\uf097 Choque cardiogênico: é aquele causado por uma 
grande diminuição da eficiência do coração como 
bomba. O exemplo mais típico é aquele provocado 
pelo enfarte do miocárdio.
Choque causado por redução 
do retorno venoso:
\uf097 Choque hipovolêmico: aquele causado por uma perda 
de sangue fora dos vasos sanguíneos, por hemorragias, 
traumas cortantes, etc.
\uf097 Choque por estagnação venosa: o mais comum é o 
choque neurogênico em que o indivíduo tem a perda 
do tônus vaso motor (dado por micro estímulos do 
sistema simpático nas paredes do vaso). Um outro tipo 
de choque por estagnação venosa é o choque alérgico, 
também chamado de choque anafilático, causado por 
uma vaso dilatação muito grande e com isso 
diminuindo o fluxo de sangue.
Pressão Arterial:
\uf097 A pressão arterial são os valores de referência da 
pressão sistólica (120mmhg) e pressão diastólica 
(80mmhg).
\uf097 Existem mecanismos de ação rápida, intermediária e à 
longo prazo para controlar a pressão arterial.
\uf097 Mecanismos de ação rápida: vai agir de segundos até 
minutos;
\uf097 Mecanismo de ação intermediária: vai agir de minutos 
à horas;
\uf097 Mecanismo à longo prazo: vai de horas à dias.
\uf097FIM !
AULA 7 - SISTEMA LINFÁTICO.pdf
Profª Julice Angélica Antoniazzo B. Gadani
\uf097 Além do sistema circulatório, 
o corpo possui outro sistema 
de fluxo de líquido, o sistema 
linfático. Esse sistema começa 
em vasta rede de capilares 
linfáticos muito finos, situados 
entre os capilares sanguíneos 
nos tecidos. Esse líquido, 
chamado linfa, flui para vasos 
linfáticos mais calibrosos e 
deságuam em veias também 
calibrosas do pescoço 
(subclávia), fazendo com que a 
linfa retorne ao sangue.
Funções do Sist. Linfático:
\uf097 Considerado um sistema auxiliar de drenagem do 
sistema venoso, o sistema linfático possui três funções 
básicas:
\uf097 1) Transporta o líquido intersticial de volta para o 
sangue. Uma pequena quantidade de proteínas 
plasmáticas vaza continuamente, através dos poros 
capilares para o líquido intersticial.
\uf097 2) Transporta a gordura absorvida do intestino delgado ao 
sangue.
\uf097 3) as suas células denominadas linfócitos , ajudam a prover 
as defesas imunológicas contra agentes causadores de 
doenças.
Bomba Linfática:
\uf097 Todos os vasos linfáticos possuem grande número de 
válvulas linfáticas, orientadas a permitirem o fluxo num só 
sentido. Qualquer movimento do corpo, seja ele causado 
por movimentos musculares, movimentos passivos ou até 
mesmo pelas pulsações das artérias, provoca a compressão 
de alguns linfáticos e faz com que o líquido seja movido 
através desse sistema valvular até chegar ao sistema venoso. 
Esse mecanismo é chamado de bomba linfática.
Trajeto linfático:
\uf097 Dos capilares linfáticos , a linfa 
é transportada para vasos 
linfáticos maiores e chegam 
aos troncos principais: ducto 
torácico e ducto linfático 
direito. Esses ductos drenam a 
linfa para o interior das veias 
subclávias esquerda e direita..
\uf097 Portanto, o líquido intersticial , 
formado pela filtração do 
plasma para fora dos capilares 
sanguíneos, por fim retorna ao 
sistema cardiovascular. 
Órgãos linfóides:
Linfonodos ou nódulos linfáticos:
\uf097 Os linfonodos são os 
órgãos linfáticos mais 
numerosos do 
organismo, cuja função é 
a de filtrar a linfa e 
eliminar corpos 
estranhos que ela possa 
conter, como vírus e 
bactérias.
\uf097 Nele ocorrem linfócitos, 
macrófagos e 
plasmócitos. A 
proliferação dessas 
células provocada pela 
presença de bactérias ou 
substâncias/organismos 
estranhos determina o 
aumento do tamanho 
dos gânglios, que se 
tornam dolorosos, 
formando a íngua.
Linfonodo
Baço:
\uf097 Órgão linfático, excluído da circulação linfática, interposto 
na circulação sangüínea e cuja drenagem venosa passa, 
obrigatoriamente, pelo fígado. Possui grande quantidade 
de macrófagos que, através da fagocitose, destroem 
micróbios, restos de tecido, substâncias estranhas, células 
do sangue em circulação já desgastadas como eritrócitos, 
leucócitos e plaquetas. Dessa