Material das aulas de anatomia e fisiologia

Material das aulas de anatomia e fisiologia


DisciplinaAnatomia e Fisiologia Humana270 materiais2.068 seguidores
Pré-visualização11 páginas
forma, o baço \u201climpa\u201d o 
sangue, funcionando como um filtro desse fluído tão 
essencial. O baço também tem participação na resposta 
imune, reagindo a agentes infecciosos. Inclusive, é 
considerado por alguns cientistas, um grande nódulo 
linfático.
\uf097Amígdalas (tonsilas palatinas): produzem 
linfócitos.
\uf097Timo: órgão linfático mais desenvolvido 
no período prenatal, involui desde o 
nascimento até a puberdade. 
\uf097Os linfonodos, o baço, as tonsilas e o timo 
contém centros germinativos e são locais de 
produção de linfócitos . Estes são células do 
sistema imunológico que respondem de um 
modo específico a antígenos .
\uf097FIM !
AULA 8 - SISTEMA RESPIRATÓRIO.pdf
SISTEMA RESPIRATÓRIO
Profª Julice Angélica Antoniazzo
B. Gadani
Conceito e funções:
\u2022 Consiste na absorção de oxigênio pelo 
organismo e a eliminação do gás carbônico 
resultantes de oxidações celulares.
\u2022 A troca de gases é indireta, ou seja, o sangue é o 
elemento intermediário entre as células do 
organismo e o meio habitado por ele, servindo 
como condutor de gases entre eles.
\u2022 Sistema respiratório é o conjunto de órgãos 
especiais, capazes de promover o rápido 
intercâmbio entre o ar e o sangue.
Divisão do Sistema respiratório
\u2022 Porção de condução: são os órgãos 
tubulares cuja função é a de levar o ar 
inspirado até a porção respiratória e trazer 
o ar expirado, eliminando o CO2. EX: 
Nariz, faringe, laringe, traquéia e brônquios 
(via aérea superior).
\u2022 Porção de respiração: é representada pelos 
pulmões, onde fará as trocas gasosas.
Cavidade nasal
\u2022 Limitado anteriormente pelas narinas e posterior-
mente pela faringe nasal;
\u2022 O septo nasal divide a cavidade nasal em metade 
direita e esquerda e possui tecido ósseo e 
cartilaginoso;
\u2022 As conchas nasais (superior, média e inferior) são 
espessamentos da mucosa nasal e delimitam espaços 
denominados meatos;
\u2022 Ambos servem para aquecer e umedecer o ar inspirado 
condicionando-o para que seja melhor aproveitado na 
hematose que se dá ao nível dos pulmões
Faringe
\u2022 É um tubo muscular associado a dois sistemas: 
respiratório e digestório, situando-se 
posteriormente à cavidade nasal, bucal e a 
laringe.
\u2022 É continuada pelo esôfago.
\u2022 Trata-se de um canal que é comum para a 
passagem do alimento digerido e do ar 
inspirado. A parte nasal da faringe comunica-se 
com a tuba auditiva e com a cavidade timpânica 
do ouvido médio. Essa comunicação explica 
como infecções da faringe podem propagar-se ao 
ouvido médio.
Laringe
\u2022 É um órgão tubular, situado no plano mediano e 
anterior do pescoço.
\u2022 Além de via aerífera é órgão de fonação, ou seja, 
produz o som. 
\u2022 Coloca-se anteriormente à faringe e é 
continuada diretamente pela traquéia.
\u2022 Apresenta um esqueleto cartilaginoso, composto 
por cartilagem tireóide, cricóide, aritenóide e 
epiglótica.
Fonação:
\u2022 Para que se produza o som laríngeo ao nível das 
pregas vocais, a laringe possui numerosos 
músculos, denominados músculos intrínsecos da 
laringe, que podem aduzir ou abduzir as pregas 
vocais, podem também provocar tensão ou 
relaxamento das pregas vocais, o que interfere 
sobremaneira na tonalidade do som produzido.
Traquéia e brônquios
\u2022 Da laringe segue-se a traquéia, estrutura 
cilindróide constituída por uma série anéis 
cartilagíneos incompletos, sua parede posterior 
desprovida de cartilagem, apresenta 
musculatura lisa, o m. traqueal. As cartilagens 
da traquéia proporcionam-lhe rigidez suficiente 
para impedi-la de entrar em colapso e ao mesmo 
tempo, unidas por um tecido elástico, fica 
assegurada a mobilidade e a flexibilidade da 
estrutura que se desloca durante a respiração e 
os movimentos da laringe. 
\u2022 A traquéia, em sua extremidade inferior, divide-
se em dois brônquios principais, direito e 
esquerdo, que se dirigem para os pulmões.
\u2022 Cada brônquio principal dá origem aos 
brônquios lobares, que ventilam os lobos 
pulmonares. 
\u2022 Estes, por sua vez, dividem-se em brônquios 
segmentares que vão chegar aos segmentos 
bronco-pulmonares. 
\u2022 Os brônquios segmentares sofrem ainda 
sucessivas divisões antes de terminarem nos 
alvéolos pulmonares. 
\u2022 Essas ramificações, em conjunto, são conhecidas 
como árvore brônquica.
Pleura
\u2022 Cada pulmão está envolto por um saco seroso 
completamente fechado, a pleura, que apresenta 
dois folhetos: a pleura pulmonar, que reveste a 
superfície do pulmão e mantém continuidade 
com a pleura parietal, que recobre a face interna 
da parede do tórax. Entre as pleuras pulmonar e 
parietal, há um espaço, a cavidade da pleura, 
contendo uma película de líquido que permite 
deslizamento de um folheto contra o outro nas 
constantes variações de volume do pulmão, 
ocorridas nos movimentos respiratórios.
Pulmão
\u2022 Os pulmões são órgãos de forma cônica, 
apresentando um ápice superior, uma base inferior e 
duas faces (costal e medial). Os pulmões se 
subdividem em lobos, cujo número é de três para o 
direito e dois para o esquerdo. Os lobos do pulmão 
direito (superior, médio e inferior) são separados 
entre si por fendas profundas, as fissuras oblíqua e 
horizontal. Já o pulmão esquerdo, com seus dois 
lobos (superior e inferior) apresenta apenas a fissura 
oblíqua. Na sua face medial, cada um dos pulmões 
apresenta uma fenda chamada hilo do pulmão, pela 
qual entram ou saem brônquios, vasos e nervos 
pulmonares, constituindo a raiz do pulmão.
MECÂNICA DA RESPIRAÇÃO
\u2022 A cada inspiração, os alvéolos são expandidos, 
enquanto que, na expiração, o ar é forçado para 
fora dos alvéolos, até o exterior. Dessa forma 
ocorre renovação contínua do ar nos alvéolos, 
processo que é chamado de ventilação 
pulmonar.
\u2022 O principal músculo da respiração é o 
diafragma, mas outros músculos que 
comprimem o abdome e elevam ou abaixam a 
parede anterior do tórax, podem contribuir para 
o processo de ventilação pulmonar, 
especialmente durante a respiração profunda.
Expiração e Inspiração:
\u2022 Os pulmões são mantidos como que empurrados 
contra a parede torácica por pequeno vácuo no 
espaço intrapleural (espaço extremamente 
reduzido entre os pulmões e a parede torácica). 
Quando a cavidade torácica é aumentada, esse 
vácuo faz com que os pulmões se expandam ao 
mesmo tempo. A expansão dos pulmões, produz 
discreta pressão negativa no seu interior, o que 
puxa o ar para dentro, causando a inspiração. 
Durante a expiração, a pressão intra- alveolar 
torna-se ligeiramente positiva, o que empurra o 
ar para fora.
REGULAÇÃO DA RESPIRAÇÃO
\u2022 O ritmo básico da respiração é gerado pelo 
centro respiratório, situado no tronco encefálico, 
mais precisamente no bulbo. Esse centro é 
formado por três grupos principais de 
neurônios, chamados de áreas inspiratória, área 
expiratória e área pneumotoráxica.
\u2022 Na respiração normal em repouso, a área 
inspiratória é ativada a cada 5 segundos, 
produzindo a inspiração, com duração de 2 
segundos. Isto é, a respiração normal é causada 
quase que inteiramente pela contração dos 
músculos inspiratórios, com contração mínima 
dos músculos expiratórios. 
\u2022 O centro pneumotoráxico controla a amplitude 
dos movimentos respiratórios, bem como o 
intervalo de tempo entre as respirações.
A freqüência e a amplitude da respiração 
são controladas por quatro fatores 
diferentes:
\u2022 Pressão do gás carbônico (Pco2) no sangue; 
*referência = 40mmhg
\u2022 Concentração dos íons hidrogênio (pH) no 
sangue; *referência = 7,35
\u2022 Pressão do oxigênio (Po2) no sangue;