A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
46 pág.
Testes Especiais Fisioterapia 03

Pré-visualização | Página 4 de 7

Posição do paciente: decúbito dorsal com joelho a ser testado em flexão de 
90º. 
 
Descrição do teste: para testar o menisco medial o terapeuta efetua uma 
flexão máxima do joelho e realiza uma rotação externa da perna segurando o 
retropé do paciente para exercer uma força axial, enquanto exerce um estresse em 
varo para comprimir o menisco medial. A seguir o joelho é passivamente estendido. 
O teste é positivo quando o paciente se queixa de dor localizada na interlinha 
articular medial e o examinador sente um estalido no local. Para testar o menisco 
lateral o mesmo procedimento deverá ser efetuado, mas com uma rotação interna da 
perna e estresse em valgo. 
 
Sinais e sintomas: nesse teste o paciente refere uma dor muito forte no 
momento da extensão da perna, pois nesse momento ocorrerá a passagem do 
menisco lesionado sobre o côndilo femoral. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
TESTE DE CHILDRESS OU MARCHA DE PATO 
 
 
Fonte: (Reider, 2001) 
 
Posição do paciente: caminhar agachado imitando um pato. 
 
Descrição do teste: quando o paciente eleva o membro não-afetado para 
dar um passo, todo o peso corporal comprime momentaneamente o joelho 
sintomático. 
 
Sinais e sintomas: em caso de lesão meniscal, principalmente no corno 
posterior dos meniscos, a dor é mais localizada, geralmente na interlinha articular. 
Mas outras patologias não poderão ser descartadas como a dor patelofemoral e em 
casos de derrame articular, a dor será localizada na fossa poplítea. 
 
TESTE DE APLEY 
 
 
Fonte: (Barros Filho & Lech, 2001) 
 
78 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
 
 
 
 
 
79 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
osição do paciente: decúbito ventral com o joelho a ser testado em flexão 
de 90º. 
escrição do teste: o terapeuta aplica uma compressão axial junto ao pé 
do paci
inais e sintomas: o paciente manifestará dor na região do joelho durante a 
fase da
OBS: o terapeuta deverá cuidar para que no momento do teste o paciente 
P
 
D
ente e ao mesmo tempo exerce rotação lateral para testar o menisco medial 
e rotação medial para testar o menisco lateral. Essas rotações deverão ser 
executadas em diferentes angulações buscando verificar algum estalido ou dor 
durante os movimentos. A seguir o terapeuta deverá efetuar a contraprova da 
positividade fazem-se quando se repete a manobra aplicando uma força de 
distração e caso a dor desapareça é confirmado o sinal positivo para lesão meniscal. 
 
S
 contração, mas também poderá apresentar alguma dor no momento da 
tração, caso algum ligamento colateral estiver lesionado. 
 
*
refira dor no joelho decorrente da compressão exercida na maca. Também deverá 
observar que o teste poderá ser duvidoso ao ser aplicado em um joelho edemaciado 
ou doença degenerativa femoropatelar. 
 
 
TESTE DE STEINMANN 
 
ch, 2001) 
Posição do pacien dentes para fora da maca. 
 
Fonte: (Barros Filho & Le
te: sentado com as pernas pen
 
 
 
 
 
Descrição do teste: o terapeuta segurando no pé do paciente realiza 
80 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
rotaçõe
inais e sintomas: nessa manobra o paciente sentirá dor forte na interlinha 
articular
ESTE DO RETORNO OU TESTE DO SALTO OU TESTE DE EXTENSÃO 
s internas e externas da tíbia de forma súbita. A presença de dor ou estalidos 
junto à interlinha articular significa lesão do menisco correspondente. 
 
S
. O teste também poderá ser positivo para lesão dos ligamentos colaterais. 
 
 
T
PASSIVA 
 
 
Fonte: (Konin, Wiksten, Isear, 2001) 
 
osição do paciente: decúbito dorsal com o joelho a 90º. 
escrição do teste: o terapeuta deverá segurar o membro inferior do joelho 
à 90º e
inais e sintomas: ao final da extensão o terapeuta percebe um movimento 
elástico
 
P
 
D
 com uma mão sobre o joelho e outra realizando a extensão passiva do 
membro segurando pelo tornozelo do paciente. 
 
S
 do joelho e a impossibilidade de se alcançar a extensão máxima do joelho 
em decorrência de uma laceração meniscal, geralmente, lesão em alça de balde 
deslocada. O paciente sentirá uma forte dor principalmente na região da interlinha 
 
 
 
 
 
medial se a lesão for do menisco medial. A dor não é muito bem localizada quando a 
lesão for ao menisco lateral 
 
 
81 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
ESTE DE PAYRT 
 
osição do paciente: paciente em decúbito dorsal com o joelho a ser 
testado
escrição do teste: o terapeuta segurando o tornozelo do paciente realiza 
uma rot
inais e sintomas: dor na interlinha articular medial poderá ser sinal 
positivo
ESTES PARA LESÕES CONDRAIS DO JOELHO
 
 
Fonte: (Do Autor, 2008) 
 
P
 flexionado cruzando a perna na posição “fazendo um 4”. 
 
D
ação interna da tíbia e a eleva. Com a outra mão palpa a interlinha articular 
medial. 
 
S
 para lesões envolvendo o menisco medial na sua porção mediana ou 
posterior. 
 
 
T 
 
A Artrite Reumatóide é sem dúvida uma patologia que afeta 
significativamente a articulação fêmoro-tibial e patelofemoral gerando incapacidades 
funcionais. Os pacientes que apresentam deformidades graves de valgo e varo têm 
 
 
 
 
 
82 
Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores
 
mais p ões que facilitam o 
aparecimento da degeneração condral da patela encontram-se o comprimento 
anorma
ropensão à artrite degenerativa. Outras condiç
l do tendão infrapatelar, ângulo Q aumentado, incongruências da articulação, 
como conseqüência de outras lesões que acometem os ligamentos e os meniscos. 
Abaixo, demonstramos os principais testes que são realizados para 
evidenciar lesões condrais patelofemorais. 
 
 
TESTE DA COMPRESSÃO PATELAR OU TESTE DE RABOT 
 
 
Fonte: (Barros Filho & Lech, 2001) 
te: paciente em decúbito dors
ão completa. 
 
 
Posição do pacien al com os membros 
inferiores relaxados e em extens
 
escrição do teste: o terapeuta comprime a patela contra o sulco troclear 
do fêmur e faz movimentos no sentido de vai-e-vem. 
m lesão condral (condromalácea) ou 
artrose da articulação femoropatelar, o aparecimento de dor ou crepitação dolorosa 
durante
 
 
D
 
Sinais e sintomas: em pacientes co
 o teste confirma a positividade do teste. 
 
 
 
 
 
 
 
TESTE DO RANGIDO PATELAR ATIVO 
 
 
Fonte: (Reider, 2001) 
Posição do paciente: paciente sentado com os joelhos em flexão de 90º e 
as pernas pendendo para fora da maca. 
 
Descrição do teste iente para que realize a 
extensão da perna enquanto palpa a patela. O aparecimento de crepitações 
dolorosas prediz as lesões condrais existe tes. É importante o terapeuta ficar atento 
para o grau da flexão em que aparece a crepitação, pois o padrão de contato da 
articulaç
star mais associada a lesões da porção 
inferior da patela ou da tróclea femoral superior, enquanto a crepitação que ocorre 
mais em
 
 
: o terapeuta instrui ao pac
n
ão patelofemoral varia de acordo com a posição do joelho. Crepitações que 
ocorrem próximo à extensão tende a e
 flexão costuma indicar lesão da parte superior da patela ou inferior