A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
177 pág.
2011 Roteiro de Auditoria de Obras TCU

Pré-visualização | Página 30 de 50

anos, ocorrido entre a contratação e o efetivo início das obras, com o 
agravante deste espaço temporal ser imediato à implantação do Plano Real, no qual ocorreram 
expressivas variações de preços não necessariamente captadas por índices genéricos de atualização 
monetária. Este eventual descompasso entre os preços praticados hoje e aqueles existentes quando da 
contratação é em nosso entender um fato se previsível, pois após um longo processo inflacionário é 
natural que haja mudanças de preços, inclusive para menos, devido às novas condições econômicas em 
que o processo produtivo resta inserido, de conseqüências incalculáveis, pois a quantificação prévia da 
variação de preços de insumos não é de forma alguma possível. 
Cabe lembrar, que a problemática neste ponto relatada, não necessariamente estaria solucionada caso 
adotássemos índices adequados de correção monetária, haja vista trabalharem os índices de correção 
com uma gama muito vasta de produtos e que um específico produto pode não ter sua variação de 
preços efetivamente demonstrada pelo índice, produto este que pode ter participação significativa em 
determinado instrumento contratual, como tubulação no presente caso, afetando o equilíbrio 
econômico financeiro da avença. Isto posto, propomos seja determinado ao responsável a reavaliação 
dos preços praticados no Contrato 055/94 de modo a compatibilizá-los com aqueles praticados no 
mercado, nos termos da Lei 8.666/93, art. 65, inciso II, alínea "d". 
(...) o desequilíbrio do contrato é uma realidade, sendo adequada a determinação proposta para a 
reavaliação dos preços praticados no Contrato 55/94; - tal reavaliação deve, necessariamente, objetivar 
o ressarcimento ao erário do prejuízo causado pela utilização de preços injustificadamente altos, sendo 
que a não reavaliação desses preços deve ser causa de instauração de tomada de contas especial; (...) 
291. Em outras palavras, admitir-se que os preços dos serviços extrapolem os preços de mercado, ainda 
que devido a reajustamentos corretamente previstos no contrato, seria o mesmo que prescindir da 
vantagem oferecida pela proposta, pelo que restaria prejudicada a licitação realizada. 
292. O cálculo de eventual superfaturamento necessitará de análises anuais nas datas-base do contrato e 
sua comparação com preços de mercado e os índices devidos, adotando-se o método de cálculo de 
superfaturamento mais adequado, dentre os apresentados no item I.3.1 deste Roteiro de Auditoria. 
I.3.2.6 – Superfaturamento total 
293. O superfaturamento total (SFT) é calculado pela soma das diversas parcelas existentes de 
superfaturamento (devido à quantidade, à qualidade, aos preços, ao jogo de planilha e às alterações 
de cláusulas financeiras). 
SFT = SFQT + SFQL + SFP + SFJP + SFCF; 
Onde: 
 SFT: Superfaturamento total; 
 SFQT: Superfaturamento de quantidade; 
 SFQL: Superfaturamento de qualidade; 
 SFP: Superfaturamento por preços; 
 SFJP: Superfaturamento por jogo de planilha; e 
 SFCF: Superfaturamento por alteração de cláusulas financeiras. 
TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO 68 
Segedam – Secretaria-Geral de Administração BTCU ESPECIAL Brasília Ano xliv n. 19 22/ nov. 2011 
 
 
\\_sarq_prod\Sistemas\Btcu (Sede) - \\_sarq_an\Sistemas\Btcu (Asa Norte) - \\srv-UF\Sistemas\Btcu (Estaduais) 
Em termos percentuais, o superfaturamento total pode ser expresso: 
CR
SF
SF(%)
 
Onde: CR é o preço de referência. 
294. Ressalta-se que o valor assim obtido traduz apenas o montante nominal do superfaturamento, 
apurado em diferentes datas-bases. Para fins de ressarcimento ao erário, há a necessidade de se 
individualizarem as condutas dos agentes responsáveis. Por esse motivo, deve-se segregar o 
montante do superfaturamento em suas diversas parcelas e datas de origem dos débitos, e atualizá-
las, conforme o procedimento estabelecido no capítulo II deste Roteiro de Auditoria. 
I.3.3 – Metodologia de análise de superfaturamento 
295. A metodologia de análise de superfaturamento apresentada no presente Roteiro, adaptada do 
Manual de Perícias de Engenharia do Instituto Nacional de Criminalística do Departamento da 
Polícia Federal (INC/DPF), consiste na separação das diversas parcelas de dano ao erário descritas 
na seção anterior. 
296. A separação das diversas parcelas de dano ao erário tem como objetivo permitir sua melhor 
caracterização e, assim, possibilitar o tratamento mais adequado dos dados, inclusive quanto à 
individualização das condutas dos responsáveis por cada parcela de superfaturamento. 
297. O método proposto para quantificar essas parcelas de dano é progressivo, abrangendo as etapas 
descritas a seguir. 
298. Primeiramente, é feita uma análise dos componentes contidos na faixa A da curva ABC, conforme a 
data de referência (data-base) estabelecida no edital (data de apresentação da proposta, ou do 
orçamento a que ela se referir, ou data do contrato), calculando-se o eventual sobrepreço para essa 
data inicial. 
299. A partir disso, é efetuada a confrontação dos preços contratados com os referenciais, com base nas 
quantidades dos serviços previstos no contrato, obtendo-se o sobrepreço/desconto original, que é 
exatamente o ponto de equilíbrio econômico-financeiro do contrato. 
300. Em seguida, é calculado o superfaturamento devido aos preços (SFP). Sobre o conjunto de serviços 
efetivamente realizados, é feita a crítica de seus preços unitários e o confronto com os preços de 
referência. 
301. A diferença entre o valor total calculado com os preços unitários cobrados ou pagos e o valor global 
de referência adotado, quando não puder ser justificada tecnicamente, constituirá superfaturamento, 
o qual engloba também eventual parcela de jogo de planilha. 
302. Em outra etapa, verifica-se se houve variação significativa do ponto de equilíbrio econômico-
financeiro da obra, ou seja, se o sobrepreço ou desconto do contrato original se manteve para as 
quantidades reais executadas. Tal diferença, quando desfavorável para a Administração, é o dano 
devido ao rompimento do equilíbrio econômico-financeiro do contrato. 
303. Destaca-se, aqui, que o desequilíbrio econômico-financeiro citado é o especificamente ocorrido por 
meio de alterações contratuais de quantitativos e/ou preços durante a execução da obra (SFJP). 
304. Em seguida, deve-se verificar se o conjunto de serviços contratados foi ou não executado de acordo 
com o previsto (quantidade e qualidade). A identificação e a quantificação dos serviços não 
TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO 69 
Segedam – Secretaria-Geral de Administração BTCU ESPECIAL Brasília Ano xliv n. 19 22/ nov. 2011 
 
 
\\_sarq_prod\Sistemas\Btcu (Sede) - \\_sarq_an\Sistemas\Btcu (Asa Norte) - \\srv-UF\Sistemas\Btcu (Estaduais) 
executados são realizadas por meio da comparação dos serviços contratados com os serviços 
efetivamente executados, sendo confrontadas as quantidades de serviços que foram medidas ou 
pagas. 
305. Nessa mesma parcela, também podem se fazer presentes aspectos de qualidade (SFQL), convertidos 
em termos quantitativos devido à dificuldade de considerá-los apenas em termos qualitativos. 
306. Finalmente, deve-se examinar se houve superfaturamento devido à alteração de cláusulas 
financeiras (SFCF), decorrente de recebimentos contratuais antecipados (SFDC), distorção do 
cronograma físico-financeiro ou reajustamentos irregulares. 
307. Apresenta-se, a seguir, o fluxograma simplificado da metodologia descrita acima. Ressalta-se que 
existem diversos caminhos alternativos que podem ser seguidos dentro da metodologia. 
308. Por fim, deve-se calcular o superfaturamento total (superfaturamento por quantidade, qualidade, 
preços, jogo de planilha e alteração de cláusulas financeiras).