A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Tema 03 - O processo de empreendedorismo e as partes envolvidas

Pré-visualização | Página 1 de 2

O processo de empreendedorismo 
e as partes envolvidas 
Cátia Raulino
Introdução
O administrador e o empregado estão diretamente ligados ao empreendedorismo em si, já que 
farão parte da gestão e das operações dos negócios dos empreendedores. Contudo, vale ressaltar 
que há muitas diferenças entre as funções de empreendedores, administradores e empregados.
Ao final desta aula, você será capaz de:
 • entender o papel desenvolvido pelas partes envolvidas no processo empreendedor.
1 As diferenças entre o empreendedor, o 
administrador e o empregado (Intraempreendedor)
O empregado, o empreendedor e o administrador são agentes diferentes dentro do empreen-
dedorismo. Cada um possui sua própria função e atuação, porém obviamente haverá algumas simi-
laridades. Você estudará essas diferenças e semelhanças quanto a funções e a formas de atuação.
Entenda que é comum nos depararmos com uma enorme dificuldade em delimitar a atuação 
dos administradores. Por serem profissionais capazes de atuar em múltiplas áreas, defini-los em 
uma única frente de trabalho seria um grande erro. Conforme Chiavenato (2006, p. 43), é possível 
perceber, contudo, que quando uma empresa se desenvolve, os empreendedores acabam tendo 
dificuldades em tomar decisões mais básicas, de rotina na gestão, pois dão maior prioridade a 
questões estratégicas, com as quais se sentem mais à vontade. A partir disso há a necessidade 
de bons administradores dentro do empreendedorismo. 
Para começar, compreenda as diferenças entre os administradores e os empreendedores em 
uma série de aspectos. De acordo com Filion (1997), “[...] o gerente é voltado para a organização de 
recursos, enquanto o empreendedor é voltado para a definição de contextos”. Podemos dizer que 
o empreendedor é um administrador com algumas características a mais. 
Já segundo Dornelas (2012), pode-se notar que um empreendedor bem-sucedido tem ainda 
como característica própria o conhecimento sobre o seu negócio, o que poucos possuem, pois 
isso exige tempo e experiência. Esse empreendedor de sucesso também se diferencia dos demais 
pelo planejamento constante que realiza porque tem visão de futuro.
Observe, a seguir, algumas diferenças entre empreendedores e administradores.
Quadro 1 – Administradores X empreendedores
Tenta otimizar os recursos para atingir metas
Estabelece a visão e os objetivos; depois localiza os 
recursos
Opera dentro de estrutura pré-existente
Define tarefas e papéis que criam uma estrutura de 
organização
“A chave é se adaptar as mudanças” A chave é iniciar as mudanças
Padrão de trabalho implica análise racional Padrão de trabalho implica imaginação e criatividade
Apoiado na cultura de afiliação Apoiado na cultura de liderança
Fonte: DOLABELA, 2008, p. 35
FIQUE ATENTO!
Para que fique mais fácil a compreensão, lembre-se de que o empreendedor terá 
todas as suas características e ainda as características do administrador.
Dornelas (20012 p. 49) apresenta diferenças e semelhanças entre ambas as funções no 
empreendedorismo:
[..] quando se compara o papel e função do administrador com o do empreendedor vemos 
muita semelhança entre ambos, isto é, o empreendedor é um administrador mas com al-
guns pontos convergentes em relação a [sic] média dos gerentes ou executivos, pois os 
empreendedores são mais visionários do que a maioria dos gerentes comuns.
Perceba, porém, que os empreendedores nem sempre serão bons administradores, assim 
como os administradores nem sempre serão empreendedores.
SAIBA MAIS!
Leia este artigo sobre diferenças e semelhanças entre administradores e empre-
endedores para complementar seu estudo: <http://www.administradores.com.br/
artigos/economia-e-financas/empreendedor-e-administrador-diferencas-similari-
dades-e-dificuldades/23692/>. 
Para Dornelas (2001, p. 4), pode-se comparar o que é domínio do empreendedor e o que é 
domínio do administrador a partir de cinco dimensões: “[...] orientação estratégia, análise das opor-
tunidades, comprometimento dos recursos, controle dos recursos e estrutura gerencial.” Estas 
dimensões deixam mais claras as diferenças entre ambos.
EXEMPLO
Vamos pensar no exemplo de uma montadora. Enquanto o empreendedor estará 
focado em novas versões dos carros, lançamentos, observando os movimentos do 
mercado, o administrador estará focado em metas, nas vendas etc.
É preciso destacar também que quando o empreendedor assume as funções, os papéis e as 
atividades do administrador de forma a complementar a ponto de saber utilizá-los no momento 
adequado para atingir seus objetivos, ele estaria sendo um administrador completo, que incor-
pora as várias abordagens existentes sem se restringir a apenas uma delas e interage com o seu 
ambiente para tomar as melhores decisões. (DORNELAS, 2012).
Figura 1 – As visões distintas
Fonte: Taiga/Shutterstock.com
Por outro lado, quando falamos em empregados obviamente poderemos ou não estar falando 
de administradores, já que além destes, uma empresa contará com diversos outros colaboradores. 
Segundo Chiavenato (2006), os empregados são os responsáveis por operacionalizar todas as ideias e 
oportunidades geradas pelos empreendedores, sendo muito importantes para o sucesso de um negócio.
É aí que surge o conceito de intraempreendedores. Podemos encontrá-los dentro das organi-
zações (DORNELAS, 2012).
FIQUE ATENTO!
As empresas precisam incentivar o intraempreendedorismo, caso contrário não co-
lherão os resultados que pode trazer.
Conheça agora uma outra definição a respeito de intraempreendedorismo (CHIAVENATO, 
2000, p. 87):
[...] é um processo que ocorre dentro de uma empresa existente, independente de seu porte 
e leva-a não somente a novos negócios, mas também a outras atividades e orientações 
inovadoras como o desenvolvimento de novos produtos, serviços, tecnologias, técnicas 
administrativas, estratégias e posturas competitivas.
SAIBA MAIS!
Para aprofundar um pouco mais seus estudos a respeito, leia “Empreendedorismo 
e intraempreendedorismo. É preciso aprender a voar com os pés no chão”, de 
Edmundo Brandão Dantas. O texto está disponível em: <www.bocc.ubi.pt/pag/
dantas-edmundo-empreendedorismo.pdf>. 
Figura 2 – Os intraempreendedores
Fonte: Mascha Tace/Shutterstock.com
Aproveitar os trabalhadores que querem assumir responsabilidades, que têm grande necessidade 
de expressão individual e de mais liberdade na estrutura organizacional contribui para a formação do 
domínio empreendedor interno. Por isso, deve ser trabalhado como instrumento de gestão.
EXEMPLO
Uma empresa possui três funcionários no Marketing. Dois deles executam tudo 
que é pedido a eles. O terceiro tem proatividade, costuma criar campanhas para 
apresentar à diretoria, campanhas internas de conscientização de metas etc. O ter-
ceiro precisa que este intraempreendedorismo seja incentivado, pois está apoiando 
a empresa diretamente com seu perfil empreendedor.
Chiavenato (1999, p. 176) explica que “[...] o intraempreendedorismo se reflete mais intensa-
mente nas atividades empreendedoras, bem como nas orientações da alta direção das organizações. 
Esse empenho empreendedor pode ser apresentado em quatro elementos-chaves.” São eles:
 • novo empreendimento: criação de um novo negócio dentro da organização, desenvol-
vimento de um novo mercado e de novos produtos ou serviços. 
 • espírito de inovação: aperfeiçoamento dos produtos, serviços ou processos atuais ou 
o desenvolvimento de novos processos, produtos e serviços. 
 • autorrenovação: tem conotação de mudança estratégica da organização, mudando o 
enfoque na qual foi criada, adaptando-se às novas exigências e oportunidades. 
 • proatividade: assume riscos na condição de experimentos e por isso é arrojada na 
busca por oportunidades.
O intraempreendedorismo é uma forma moderna de gerir as organizações, já que desperta