Extinção da Punibilidade
3 pág.

Extinção da Punibilidade


DisciplinaExtinção da Punibilidade70 materiais142 seguidores
Pré-visualização1 página
Extinção da Punibilidade \u2013 aula de quarta e quinta feira
Perdi as primeiras aulas.
Mecanismos: normas para aplicação de outra norma.
Instrumento: norma que já possui a finalidade por si só. (pronto pro uso)
Artigo 107 do CP, hipótese de extinção da pena.
Requisitos para extinção da pena
Medida de Segurança (artigo 96 do CP).
Sanção penal com a finalidade preventiva aplicável ao imputável e semi-imputável.
2 tipos de espécies
1ª) Detentiva \u2013 aplicável ao agente que praticou um fato apenado com reclusão. (Internado em casa de custódia e tratamento psiquiátrico)
2ª) Restritiva \u2013 hipóteses em que o agente praticou uma conduta apenada com detenção. LICP \u2013 (pesquisar)
Sanção é cumprida mediante tratamento ambulatorial.
Sistema de aplicação da Medida de Segurança
Duplo binário \u2013 aplicar pena e medida de segurança vigeu até 1984.
Vicariante- aplica-se pena ou medida de segurança.
Duas espécies de periculosidade
Periculosidade presumida: aplicável aos inimputáveis.
Periculosidade real: aplicável ao semi-imputável.
Regras da medida de segurança
-Possui prazo indeterminado.
-Encerra quando cessa a periculosidade.
-A primeira avaliação depois da sentença deve ocorrer de 1 até 6 anos.
Detração: é o computo do desconto na pena das horas de trabalho e estudo realizados. (lembrar que também há remissão na MS)
Prescrição: calcula-se no máximo da pena em abstrato.
Superveniência de imputabilidade
Ação Penal
É o direito de pedir do Estado a aplicação do direito penal objetivo.
Ação Penal Pública
Divide-se em duas:
Incondicionada;
Condicionada. (representação do ofendido e requisição do Ministro da Justiça)
Ação Penal Privada
-Personalíssima;
-Propriamente dita;
-Subsidiária da Ação Penal Pública.
Ação Penal Pública é aquela que o titular é o Estado por meio do MP. (Artigo 129, Inciso 1 da CF)
Princípios
1) Princípio da obrigatoriedade: Havendo indícios de autoria e \u201cprova\u201d da materialidade, o MP é obrigado ajuizar ação;
2) Princípio da indisponibilidade: Ajuizada a ação penal, o MP não pode desistir do processo, sendo obrigado atuar até a sentença;
3) Princípio da oficialidade: Os atos praticado na Ação Penal Pública se concretizam por um órgão oficial do MP.
4) Princípio da divisibilidade: No caso de concurso de agentes, o MP pode dividir o ajuizamento.
5) Princípio da intranscendência: A ação penal não pode transcender ao acusado.
Ação Penal Pública Incondicionada
1) Não depende de nenhuma condição para ao ajuizamento.
Ação Penal Pública Condicionada
É aquela em que o MP depende de uma condição para o ajuizamento da ação.
1) Representação do ofendido ou de seu representante.
2) Condicionada requisição do Ministro da Justiça.
Ação Penal Privada
É aquela cujo titular é ofendido ou seu representante legal. É exceção do direito brasileiro.
Petição inicial = queixa crime.
Princípios
1) Oportunidade: O particular tem a liberdade de decidir se irá ou não ajuizar a ação.
2) Disponibilidade: Mesmo após o ajuizamento da ação, o particular pode desistir do processo.
3)Indivisibilidade: O particular, no caso de concurso de agentes (artigo 29, 30 e 31), ele somente pode ajuizar a ção penal contra todos no mesmo tempo, sob pena de perdão em relação a todos.
Intranscedência: somente poderá ser ajuizada contra o autor dos fatos.
Tipos de Ação Penal Privada
1) Propriamente Dita ou exclusiva: é a típica ação penal privada, sempre virá acompanhada da frase \u201csomente se procede mediante queixa\u201d. (artigo 141 do CP)
2) Personalíssima: é aquela em que somente o ofendido pode ajuizar ação, caso o ofendido estea impossibilitado, ninguém mais poderá faze-lo. (CIDA \u2013 Cônjuge, Irmão, Descendente e Ascendente)
3) Subsidiária da ação penal pública.
-Prazo \u2013 5 dias se estiver preso e 15 dias se estiver solto.
-Caso seja perdido o prazo, paralelamente, abre-se a oportunidade ao particular ajuizar ação penal subsidiária da pública.