AULA 3
6 pág.

AULA 3


Disciplina<strong>processos</strong>1 materiais
Pré-visualização2 páginas
Processo Penal 
Aula: 04/03/2019
Professor: Emanuel 
\u27a2 INQUÉRITO POLICIAL
Trata-se de um procedimento administrativo inquisitório e preparatório realizado pela 
Polícia Jurídica e consiste de uma série lógica de atos e diligências voltados a obter 
elementos de condição quanto a autoria e materialidade de um crime com o objetivo 
de fornecer ao titular da ação penal, elementos suficientes para propositura da ação.
\u27a2 POLÍCIA JUDICIÁRIA
Pode ser definida como atividade institucional realizada em apoio à atividade 
judiciária com o fim de obter elementos quanto autoria e materialidade dos crimes. 
Nos termos da C.F no âmbito da união e pelas Polícia Civil no âmbito dos respectivos 
estados.
A doutrina apresenta em contraposição a Polícia Judiciária atividade da Polícia 
Administrativa que seria voltada ao policiamento ostensivo e preventivo.
\u2022 CARACTERÍSTICAS DO INQUÉRITO POLICIAL 
1º Caráter inquisitivo: Objetivo do inquérito e a investigação de um fato. Para 
tanto, em sua condução e presidido por uma única autoridade que determina 
conforme sua convicção ao rumo investigativo. De forma maciça a doutrina aponta a 
incompatibilidade da ampla defesa e do contraditório nesse procedimento inquisitivo.
Inquisitivo: dúvida surgiu se, com a com a entrada em vigor da Lei 10.792, em 02 
de dezembro de 2003, com suas significantes alterações introduzidas na Lei de 
Execução Penal (Lei n. 7.210, de 11 de junho de 1984) e no Código de Processo 
Penal (Decreto-Lei n. 3.689, de 3 de outubro de 1941), [5] se permanece a 
característica inquisitiva do inquérito policial ou se doravante ele passaria a ter cunho 
contraditório.
Alguns doutrinadores defendem que ao inquérito policial não se aplica o princípio da 
ampla defesa , pois se não há acusação, só havendo acusado na fase processual, 
não há que se falar em defesa. Defendem porém, que o princípio do contraditório 
passou a ser aplicado. Segundo os defensores dessa alteração, com as inovações, a 
lei passou a exigir a presença do advogado, constituído ou nomeado, no interrogatório
do acusado, como forma de assegurar maior amplitude de defesa (art. 185). Terminam
concluindo que, se com a nova lei, profundas mudanças foram introduzidas no 
interrogatório, tais também deverão ser observadas pelo delegado de polícia no 
inquérito policial, por imposição do art. 6, V do Código de Processo Penal. [6] 
2º Obrigatório: Diante da prática de um crime de ação penal pública 
incondicionada a autoridade policial está obrigada por lei a proceder a investigação no 
inquérito processual.
3º Sigiloso: Consideramos os objetivos e os direitos envolvidos na sua atuação o 
inquérito policial deve ser conduzido em caráter sigiloso. (art 6 cpp)
Este sigilo tem por objetivo resguardar a intimidade das partes envolvidas assim 
como garantir a segurança e eficácia do procedimento.
Nesta medida o caráter sigiloso deve ser entendido de forma absoluta com relação 
a pessoa interessadas no processo.
Com Relação ao investigado e seus procuradores o sigilo do inquérito não existe 
enquanto os atos investigativos já realizados. Ainda com relação ao caráter sigiloso do
inquérito policial, e mesmo considerando seu caráter inquisitivo, não ficam afastadas 
as garantias individuais. Isto conduz ao entendimento pela revogação implícita do teor 
do ART, 21 CPP. Uma vez que a CF veda a decretação de incomunicabilidade mesmo
no caso de guerra declarada.
Sigiloso: A divulgação precipitada de fatos ainda sendo investigados poderá ser 
prejudicial à sua completa elucidação e em outros casos, a divulgação dos mesmos 
pode causar danos seríssimos à tranqüilidade pública e, por isso, às vezes, o 
interesse da sociedade clama pelo sigilo. O sigilo não permanece porém, o membro 
do Parquet ou para a autoridade judiciária (juiz). O advogado tem acesso aos autos, 
com exceção de quando seja decretado judicialmente o sigilo das investigações. 
Durante o transcorrer do inquérito policial, não há efetivamente nenhuma acusação 
por parte do Estado. Busca-se a colheita de provas que levem à comprovação do 
ilícito e de seu possível autor. Outro motivo ao qual se caracteriza o inquérito policial 
pelo sigilo é que, por não se ter certeza da autoria e do fato ilícito, a divulgação de 
fatos acusatórios poderá atingir pessoas que, posteriormente, não sejam autores ou 
partícipes dos ilícitos penais em apuração, causando-lhe danos às vezes de difícil 
reparação. O Código de Processo Penal deixa ao inteiro julgamento da autoridade 
policial a conveniência, ou não, de se manter o sigilo..&quot; [3]. 
4º Estrito formal: O desenvolvimento dos atos de investigação devem ser 
formalizados, reduzidos a forma escrita e organizados em ordem cronológica.
5º Oficialidade: O inquérito policial e atividade oficial do Estado devendo 
obrigatoriamente ser realizado pelos órgãos com atribuição legal para tanto.
Oficialidade: O inquérito policial é uma atividade investigatória feita por órgãos 
oficiais, não podendo ficar a cargo de particulares. E é presidido pela autoridade pública, 
no caso a autoridade policial 
6º Dispensabilidade: O inquérito policial e indispensável, considerando que o seu 
objetivo é fornecer ao titular da ação penal subsídios para o processo, uma vez que já 
existam elementos suficientes de autoria e materialidade o inquérito pode ser dispensado,
O inquérito policial não é requisito e nem condição da ação penal.
\u2022 INDISPONIBILIDADE DO INQUÉRITO POLICIAL
Uma vez iniciado o inquérito policial ele e torna indisponível na perspectiva da 
polícia. Conforme previsão expressa do art. 17 CPP autoridade judicial não pode 
determinar o arquivamento do inquérito policial.
\u2022 FORMAS DE INÍCIO DE INQUÉRITO POLICIAL
Uma vez iniciado o inquérito policial de ação penal pública, na perspectiva da atividade da 
polícia judiciária, o inquérito policial possui caráter obrigatório.
Trata-se de ação penal e incondicionada são as quatro formas de início do 
inquérito policial:
A - De ofício - ex. ofício 
Neste caso o inquérito policial se inicia por parte da autoridade policial que por 
qualquer meio toma o conhecimento da prática de um crime. Assim sua atuação se dá 
independente da aprovação externa. ofício meio de requisição em órgãos públicos
Ela vem do latim: ex officio, 
que significa &quot;por lei, 
oficialmente, em virtude do 
cargo ocupado&quot;. Se diz que 
o ato de um administrador 
público ou de um juiz foi 
&quot;de ofício&quot; quando ele foi 
executado em virtude do 
cargo ocupado: sem a 
necessidade de iniciativa ou
participação de terceiros.
C- REQUISIÇÃO DO MP: O mesmo pode acontecer quando o fato chega ao 
conhecimento do MP que diante da ausência do inquérito policial poderá requisitar sua 
restauração para autoridade policial. 
D- REQUERIMENTO DO OFENDIDO OU REPRESENTANTE LEGAL: 
Nessa hipótese o ofendido diretamente ou por intermédio de representante requer 
formalmente a autoridade policial o início de inquérito policial. Nesse caso deve-se ser 
observados os requisitos do art, 5º inc I CF.
Art. 5º Todos são iguais
perante a lei, sem distinção
de qualquer natureza,
garantindo-se aos
brasileiros e aos
estrangeiros residentes no
País a inviolabilidade do
direito à vida, à liberdade, à
igualdade, à segurança e à
propriedade, nos termos
seguintes:
§ 1º As normas definidoras
dos direitos e garantias
fundamentais têm
aplicação imediata.
Nos casos de ação penal pública condicionada o inquérito policial não poderá ser 
iniciado sem a condição de procedibilidade.
Nestas hipóteses o inquérito somente será iniciado mediante representação do 
ofendido ou requisição do Ministério da justiça nos casos em que a Lei exigir.
Nos crimes de ação penal privada o inquérito policial somente será iniciado 
mediante requerimento do ofendido. Uma vez concluído será encaminhado ao poder 
judiciário e permanecerá