A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
ACNE NA ADOLESCENCIA

Pré-visualização | Página 1 de 3

ACNE NA ADOLESCÊNCIA 
 
Fernanda Castanha1, Simone de Almeida Cosmo de Santis 2 
 
1- Acadêmica do curso de Pos Graduação de MBA em Estética Clinica 
Avançada e Cosmetologia Da universidade Tuiuti do Paraná ( Curitiba-PR) 
2- Bióloga- Professor orientador Adjunto a Universidade Tuiuti do Paraná. 
 
 
RESUMO 
 
Este artigo aborda uma doença de pele que atinge frequentemente jovens e 
adultos, a acne. A acne afeta diretamente a auto-estima das pessoas, que buscam 
incansavelmente a cura ou tratamento para amenizar essa dermatite, a 
hereditariedade está diretamente relacionada ao surgimento da acne, assim como 
a aspectos hormonais e fatores fisiológicos. A acne vulgar está caracterizada por 
pápulas foliculares, pústulas ou nódulos e está dividida em graus de gravidade das 
lesões. Neste artrigo será abordado a fisiopatogenia da doença assim como o 
efeito pisicológico e social que a acne causa na vida dos adolescentes. 
 
 
Palavras-chave: Acne Vulgar; Fisiopatologia; Adolescente. 
 
ABSTRACT 
 
This article discusses a skin disease that often affects young people and adults, 
acne. Acne affects directly the self-esteem of the people, who tirelessly seek a 
cure or treatment to soften the dermatitis, heredity is directly related to the 
appearance of acne, as well as hormonal aspects and physiological factors. Acne 
vulgaris is characterized by follicular papules, pustules or nodules and is divided 
into degrees of severity of injury. This article will address the pathophysiology of 
the disease and the pisicológico and social effect that acne causes in the lives of 
adolescents. 
 
 
Keywords: Acne Vulgaris; pathophysiology; Teenager. 
 
 
 
 
_______________________________________________________________ 
1Academica do curso de MBA – Estética Clínica Avançada e Cosmetologia da Universidade Tuiuti 
do Paraná – UTP, Curitiba, Paraná. E-mail: fernandacastanha@hotmail.com 
 
 
 
 
 
1. INTRODUÇÃO 
 
 
A Acne vulgar é provavelmente a doença de pele que mais atinge 
adolescentes, cerca de 85 a 100% desta faixa etária, são jovens que em algum 
momento de sua vida foi afetado pela acne (FIGUEIREDO 2011). 
A Adolescência é um momento de transição da infância para a fase 
adulta, nesta fase um conjunto de modificações biológicas acontece no organismo 
das pessoas devido à grande liberação de hormônios manifestadas na chamada 
puberdade (LOUZADA 2009). 
A acne vulgar é uma doença dos folículos pilossebáceos que 
geralmente afeta áreas onde as glândulas sebáceas estão em maior número 
(face, tórax, dorso), é a doença de pele mais comum e chega a atingir 80% da 
população, acomete o sexo feminino e o masculino em diferentes etnias e tem 
14% de índice nas consultas dermatológicas no Brasil (PAGANI 2007). 
Segundo Bonetto 2004, a causa da acne ainda não está bem clara, o 
processo inflamatório tem início nas unidades polissebáceas, que consiste em 
glândulas cebaceas, ductos e folículos pilosos encontrados na face, tórax e região 
das costas. 
Quase sempre a acne tem seu desenvolvimento na face que por sua 
vez é a área mais visível e a mais utilizada para a comunicação, aumentando 
assim a revolta e estranheza que o adolescente tem as mudanças no seu corpo, 
consequentemente coincide com a revolta própria desta fase da vida, estudos 
mostram que 70% dos adolescentes com acne afirmam serem vítimas da rejeição 
no convívio social (FIGUEIREDO 2011). 
A acne tem um efeito psicológico de curto prazo, porém pode se tornar 
grave dependendo do caso, pode causar diminuição da auto-estima e auto 
confiança, afastando homens e mulheres do convívio social e causando até 
mesmo a depressão, ela tende a deixar marcas e cicatrizes nas regiões afetadas 
(AMADO 2006). 
Alguns fatores podem contribuir para o aparecimento ou a piora da 
acne, entre eles citamos: ciclo menstrual, uso de anticoncepcionais androgênicos, 
doença dos ovários policísticos, excesso de testosterona, derivados de origem 
gonadal ou da supra-renal e pró-patologias presentes nas mesmas (KROWCHUK 
2000). 
O objetivo deste artigo é estudar as causas e possíveis tratamentos 
para acne vulgar em adolescentes. 
 
 
2. METODOLOGIA 
 
 
Este artigo foi baseado em uma revisão de literatura com base de 
dados Scielo, artigos científicos e livros da área da saúde, buscando informações 
sobre acne na adolescência e quais os fatores epidemiológicos e psicológicos 
essa doença pode causar. 
 
 
3. FISIOPATOLOGIA 
 
 
Existem quatro fatores envolvidos diretamente com o aparecimento da 
acne, ecreção da glândula sebácea, alteração no processo de querati- nização, 
colonização pelo Propionibacterium acnes e liberação de mediadores inflamatórios 
na pele (MONTAGNER, S. COSTA, A. 2010). 
Os níveis de secreção sebácea em pessoas com acne é maior que em 
pessoas que não apresentam quadro da acne, e a sua atividade pode variar 
conforme a gravidade do quadro. Nas áreas onde é apresentada a acne, o folículo 
pilossebáceo e o pelo encontram-se atrofiados, com isso a oleosidade é 
eliminada, dando a pele um aspecto brilhante (CUCÉ 2001). 
Aumento da produção de sebo, provocada pela estimulação 
androgénica das glândulas sebáceas, obstrução do ducto pilossebáceo resultante 
de uma hiperqueratose de retenção. Um processo anormal de queratinização, 
ocorre nas células foliculares epiteliais, causado por alterações hormonais e pelo 
sebo modificado pela bactéria residente Propionibacterium acnes (P. acnes) (VAZ, 
2003). 
 
 
 
4. CAUSAS DA ACNE VULGAR 
 
São vários os fatores que podem influenciar o aparecimento e a 
gravidade da acne, porem a genética tem uma importante relação com o tamanho 
e atividade da glândula sebácea. Quando os pais já apresentaram um quadro de 
acne é maior a chance dos filhos também apresentarem (BAUMANN 2004) 
Entre todas as causas e agravantes da acne, o estresse é fator que 
deve ser levado em consideração pois a acne mexe com a auto-estima e 
autoconfiança o que pode levar a um isolamento social dos adolescentes assim 
como o preconceito podem causar traumas irreparáveis (CORTÊS 2009). 
Segundo Louzada (2009), a hereditariedade exerce uma grande 
influência no aumento e atividade das glândulas sebáceas na puberdade e a 
alteração folicular, proporcionando um percentual maior para o surgimento da 
acne entre os jovens. 
A acne é constituída por um conjunto de lesões, as quais, isoladas ou 
em conjunto, definem o tipo e gravidade, pode ser classificada e reconhecida 
como comedão, pápula, pústula, nódulo ou quisto, ela é considerada uma 
dermatose significante, abrangendo vasto aspecto de manifestações 
(FIGUEIREDO 2011). 
O quadro da acne pode ser desencadeado após um estresse muito 
grande. Por isso nesses casos é necessário não só tratar a pele e sim incluir, se 
necessário, algum tipo de psicoterapia para que esses pacientes aprendam a 
diminuir a tensão e poder superá-la com outro tipo de comportamento (VAZ 2003). 
Ainda persiste a ideia de que a acne está associada a higiene 
deficiente. As lavagens frequentes podem ser traumatizantes levando ao 
agravamento da acne e, no caso de utilização de retinóides, contribuir para a 
irritação cutânea (MILLIKAN 2001). 
 Os estudos existentes não permitem concluir sobre a influência da falta 
de higiene ou da utilização de produtos de limpeza específicos na evolução da 
acne (MAGIN 2001). 
A proliferação do P. acnes, um difteróide anaeróbio, residente normal 
do folículo pilossebáceo, produz ácidos gordos livres irritantes da parede folicular 
distendida, a inflamação acontece pela ação irritante do sebo que extravasa para 
a derme quando há ruptura da parede folicular, quer pela presença de fatores 
químicos e de mediadores pró-inflamatórios produzidos pelo P. acnes (SILVA, 
2014). 
Segundo Vaz 2003