Diretrizes - Diabetes
332 pág.

Diretrizes - Diabetes


DisciplinaEnsino Clínico IV167 materiais887 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Wiley-Blackwell, 2008.
7. Gimeno SGA, Ferreira SRG, Car-
doso MA, Franco LJ, Iunes M; the Japa-
nese-Brazilian Diabetes Study Group. 
Weight gain in adulthood and risk of 
developing glucose disturbance \u2013 A 
study of a Japanese-Brazilian popula-
tion. J Epidemiol. 2000;10(2):103-10.
8. Onkamo P, Väänänen S, Karvonen 
M, Tuomilehto J. Worldwide increase in 
incidence of type 1 diabetes: the analysis 
of the data on published incidence tren-
ds. Diabetologia. 1999;42(12):1395-403.
9. Karvonen M, Viik-Kajander M, Mol-
tchanova E, Libman I, LaPorte R, Tuomi-
lehto J for the Diabetes Mondiale (Dia-
Mond) Project Group. Incidence of the 
childhood type 1 diabetes worldwide. 
Diabetes Care. 2000;23:1516-26.
10. Roglic G, Unwin N, Bennett PH, 
Mathers C, Tuomilehto J, Nag S, et al. 
The burden of mortality attributable to 
diabetes: realistic estimates for the year 
2000. Diabetes Care. 2005;28(9):2130-5.
11. BRASIL. Ministério da Saúde. Se-
cretaria de Vigilância em Saúde. Siste-
ma de Informações sobre Mortalidade. 
Disponível em: http://www.datasus.
gov.br. Acessado em 08/07/2009.
12. Franco LJ. Um problema de saúde 
pública. Epidemiologia. In: Oliveira JEP, 
Milech A (eds.). Diabetes mellitus: clínica, 
diagnóstico, tratamento multidisciplinar. 
São Paulo: Atheneu, 2004. p. 19-32.
13. Schramm JMA, Oliveira AF, Leite 
IC, Valente JG, Gadelha AMJ, Portela MC, 
et al. Transição epidemiológica e o estu-
do de carga de doença no Brasil. Ciência 
& Saúde Coletiva. 2004;9(4):897-908.
14. World Health Organization. Dia-
betes: the cost of diabetes. WHO fact 
sheet. September 2002, n. 236.
15. American Diabetes Association. 
Economic costs of diabetes in the USA 
in 2007. Diabetes Care. 2008;31(3):1-20.
16. Barceló A, Aedo C, Rajpathak S, 
Robles S. The cost of diabetes in Latin 
America and the Caribean. Bull World 
Health Organ. 2003;81(1):19-27.
17. Diabetes Prevention Program 
Research Group. Reduction of the inci-
dence of type 2 diabetes with life sty-
le intervention or metformin. N Engl J 
Med. 2002; 346(6):393-403. 
18. Tuomilehto J, Lindstrom J, Eriksson 
JG, Valle TT, Hamalainen H, Hanne-Parikka 
P, et al.; for the Finnish Diabetes Preven-
tion Program. Prevention of type 2 diabe-
tes mellitus by changes in life style among 
subjects with impaired glucose tolerance. 
N Engl J Med. 2001;344(18):1343-50.
19. Hu EB, Manson JE, Stamper MJ, 
Colditz G, Liu S, Solomon CG, et al. Diet, 
lifestyle, and the risk of type 2 diabetes 
mellitus in women. N Engl J Med. 2001; 
345(11):790-7.
20. The Diabetes Control and Com-
plications Trial Research Group. The 
effect of intensive treatment of diabe-
tes on the development and progres-
sion of long-term complications in 
insulin-dependent diabetes mellitus. N 
Engl J Med. 1993; 329(14):977-86.
21. UK Prospective Diabetes Study 
(UKPDS) Group. Intensive blood glu-
cose control with sulphonylureas or 
insulin compared with conventional 
treatment and risk of complications in 
patients with type 2 diabetes. Lancet. 
1998; 352(9131):837-53.
13
2009 Diretrizes SBD
Classificação etiológica do diabetes 
mellitus
Diabetes mellitus (DM) não é uma única doença, mas um grupo heterogêneo de dis-
túrbios metabólicos que apresenta em comum a hiperglicemia, a qual é o resultado de 
defeitos na ação da insulina, na secreção de insulina ou em ambos.
A classificação atual do DM baseia-se na etiologia e não no tipo de tratamento, por-
tanto se deve eliminar os termos DM insulinodependente e DM insulinoindependente. 
A classificação proposta pela Organização Mundial da Saúde (OMS) (D)1 e Associação 
Americana de Diabetes (ADA) (D)2 e aqui recomendada inclui quatro classes clínicas: DM 
tipo 1 (DM1), DM tipo 2 (DM2), outros tipos específicos de DM e DM gestacional (Tabela 
1). Ainda há duas categorias, referidas como pré-diabetes, que são a glicemia de jejum 
alterada e a tolerância à glicose diminuída. Tais categorias não são entidades clínicas, mas 
fatores de risco para o desenvolvimento de DM e doenças cardiovasculares (DCVs).
Tabela 1. Classificação etiológica do DM
DM1
Autoimune
Idiopático
DM2
Outros tipos específicos de DM
DM gestacional
Diabetes mellitus DO TIPO 1
O DM1, forma presente em 5% a 10% dos casos, é o resultado da destruição 
de células betapancreáticas com consequente deficiência de insulina. Na maioria 
dos casos, essa destruição de células beta é mediada por autoimunidade, porém 
existem casos em que não há evidências de processo autoimune, sendo, portan-
to, referida como forma idiopática de DM1. Os marcadores de autoimunidade são 
os autoanticorpos anti-insulina, antidescarboxilase do ácido glutâmico (GAD 65) e 
antitirosina-fosfatases (IA2 e IA2B) (A)3-7. Esses anticorpos podem estar presentes 
meses ou anos antes do diagnóstico clínico, ou seja, na fase pré-clínica da doença, 
e em até 90% dos indivíduos quando se detecta hiperglicemia. Além do compo-
nente autoimune, DM1 apresenta intensa associação com determinados genes do 
sistema antígeno leucocitário humano (HLA), alelos esses que podem suscitar o 
desenvolvimento da doença ou proteger contra esta (A)8,9.
A taxa de destruição das células beta é variável, sendo, em geral, mais rápida 
14
Diretrizes SBD 2009
entre as crianças. A forma lentamente 
progressiva ocorre em adultos, sendo 
referida como latent autoimmune dia-
betes in adults (LADA).
O DM1 idiopático corresponde à mi-
noria dos casos e caracteriza-se pela au-
sência de marcadores de autoimunidade 
contra as células beta e não associação 
com haplótipos do sistema HLA. Os in-
divíduos com essa forma de DM podem 
desenvolver cetoacidose e apresentam 
graus variáveis de deficiência de insulina.
Como a avaliação dos autoanticorpos 
não se encontra disponível em todos os 
centros, a classificação etiológica do DM1 
nas subcategorias autoimune e idiopáti-
co pode não ser sempre possível.
Diabetes mellitus DO TIPO 2
O DM2 é a forma presente em 90% a 
95% dos casos e caracteriza-se por defeitos 
na ação e secreção da insulina. Em geral, 
ambos os defeitos estão presentes quando 
a hiperglicemia se manifesta, porém pode 
haver predomínio de um deles. A maio-
ria dos pacientes com essa forma de DM 
apresenta sobrepeso ou obesidade, e ceto-
acidose raramente se desenvolve de modo 
espontâneo, ocorrendo apenas quando se 
associa a outras condições como infecções. 
DM2 pode ocorrer em qualquer idade, mas 
é geralmente diagnosticado após os 40 
anos. Os pacientes não dependem de insuli-
na exógena para sobreviver, porém podem 
necessitar de tratamento com insulina para 
obter controle metabólico adequado.
Diferentemente do DM1 autoimu-
ne, não há indicadores específicos para 
o DM2. Há, provavelmente, diferentes 
mecanismos que resultam nessa forma 
de DM, e com a identificação futura 
de processos patogênicos específicos 
ou defeitos genéticos, o número de 
pessoas com essa forma de DM irá di-
minuir à custa de mudanças para uma 
classificação mais definitiva em outros 
tipos específicos de DM.
OUTROS TIPOS ESPECíFICOS 
DE DM
Pertencem a essa classificação 
formas menos comuns de DM cujos 
defeitos ou processos causadores po-
dem ser identificados. A apresentação 
clínica desse grupo é bastante variada 
e depende da alteração de base. Es-
tão incluídos nessa categoria defeitos 
genéticos na função das células beta, 
defeitos genéticos na ação da insulina, 
doenças do pâncreas exócrino e outras 
condições listadas na tabela 2.
Tabela 2. Outros tipos específicos de DM
Defeitos genéticos na função das células beta
MODY 1 (defeitos no gene HNF-4 alfa)
MODY 2 (defeitos no gene da glicoquinase)
MODY 3 (defeitos no gene HNF-1 alfa)
MODY 4 (defeitos no gene IPF-1)
MODY 5 (defeitos no gene HNF-1 beta)
MODY 6 (defeitos no gene Neuro D1)
DM mitocondrial
Outros