A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
TECNOLOGIA DO CONCRETO

Pré-visualização | Página 1 de 1

Introdução
Segundo Guerra (2016), a m assa unitária de um agregado é a relação entre sua massa e seu volume sem compactar, considerando-se também os vazios entre os grãos e a massa especifica é a mesma relação, porém excluindo os vazios. As massas específica e unitária do agregado têm como função de mensurar o peso ou volume de uma estrutura . São determinadas por ensaios que envolvem a pesagem do material em um determinado volume.
Este relatório tem como objetivo relatar os ensaios de determinação de massa especifica pelo frasco de Chapman e determinação de massa especifica do picnômetro. O primeiro ensaio tem a finalidade de indicar a determinação da massa de agregados miúdos.
O segundo ensaio, tem como finalidade apresentar também a massa específica através do método da utilização do picnômetro. Esse método requer bastante rigorosidade quando executado, pois qualquer falha durante o procedimento, poderá influenciar bastante no resultado final.
E por fim o terceiro ensaio é executado pela padiola, que é a determinação da massa unitária.
Ambos ensaios, tem sua importância dentro da construção civil de modo geral, pois suas determinações mostram o quão necessário poderá ser usado de agregado em argamassas, entre outros. 
De acordo com Petrucci (1982), os agregados são materiais granulares sem forma e volume definidos, geralmente inertes e com dimensões e propriedades adequadas para o uso. Desse modo, é crucial a avaliação desses materiais para que possam contribuir da melhor maneira possível para a indústria da construção. 
Objetivos
Ambos os ensaios tem o objetivo de mostrar a massa especifica dos agregados miúdos através dos métodos presentes nas normas pertinentes:
- NBR 9776– Determinação da massa específica pelo frasco de Chapman
- NBR 9776 – Determinação de massa específica pelo picnômetro 
- NBR NM 45:2006 - Agregados - Determinação da 
massa unitária e do volume de vazios, válida a partir de 30/04/2006. 
Definições do ensaio por método de Chapman
Materiais:
3.1 Agregado miúdo
 Definido na NBR 7211.
3.2 Aparelhagem
-Balança
Deve ter capacidade mínima de 1 kg e sensibilidade de 1 g ou menos.
-Frasco
Deve ser de vidro e composto de dois bulbos e de um gargalo graduado. No estrangulamento existente entre os dois bulbos deve haver um traço que corresponde a 200 cm3, e acima dos bulbos situa-se o tubo graduado de 375 cm3 a 450 cm3, conforme Figura. O frasco deve ser inicialmente aferido, verificando-se os devidos volumes correspondentes às graduações.
3.3 Amostra
-A amostra de material destinada ao ensaio deve ser colhida de acordo com o critério estabelecido na NBR 7216.
-A amostra deve ser seca em estufa (105°C - 110°C), até constância de massa.
3.4 Massa específica
Relação entre a massa do agregado seco em estufa (100°C a 110°C) até constância de massa e o volume igual do sólido, incluídos os poros impermeáveis.
Origem: ABNT - 18:002.15-002/1986 CB-18 - Comitê Brasileiro de Cimento, Concreto e Agregados CE-18:002.15 - Comissão de Estudo de Agregados Miúdos para Concreto NBR 9776 - Aggregate - Determination of fine aggregate specific gravity by Chapman vessel - Method of test Descriptor: Aggregate Incorpora Errata de ABR 1988.
Método de ensaio
NBR 9776/19872
3.5 Execução do ensaio
Colocar água no frasco até marca de 200 cm3, deixando-o em repouso, para que a água aderida às faces internas escorram totalmente; em seguida introduzir, cuidadosamente, 500 g de agregado miúdo seco no frasco o qual deve ser devidamente agitado para eliminação das bolhas de ar. A leitura do nível atingido pela água no gargalo do frasco indica o volume, em cm3, ocupado pelo conjunto água-agregado miúdo, alertando-se para que as faces internas devam estar completamente secas e sem grãos aderentes.
3.6 Cálculos 
3.7 Resultados 
PROCEDIMENTO DE ENSAIO DE DETERMINAÇÃO DA MASSA UNITÁRIA 
Materiais:
-Recipiente paralelepipédico de material metálico com 15dm³ de volume.
-Concha
-Haste para regularizar o agregado
5.1 Metodologia 
Deve-se selecionar, no mínimo, 90 kg da amostra. Feito isso o agregado deve ser lançado no centro a uma altura de aproximadamente 10 a 12cm do topo do recipiente, evitando a segregação das amostras. Quando o recipiente es tiver cheio, deve-se regularizar a superfície do recipiente com a haste metálica. Com o recipiente completo e regularizado, deve -se pesar na balança (previamente zerada com o peso da padiola vazia) para determinar a massa do agregado e anota-la. Por fim, repete-se o procedimento mais 2 vezes.
Cálculos
Resultados 
Conclusão
PEDRO HENRIQUE MARINHO DELGADO
VINICIUS FELIPE
1° ENSAIO DETERMINAÇÃO DE COMPOSIÇÃO GRANULOMÉTRICA DE
AGREGADO MIÚDO
2° ENSAIO DETERMINAÇÃO DE COMPOSIÇÃO GRANULOMÉTRICA DE
AGREGADO GRAÚDO
Palmas - TO
Abril - 2018
PEDRO HENRIQUE MARINHO DELGADO
VINICIUS FELIPE
Turma: 3309 Tecnologia do Concreto - 2018/1 4M
 
 
 
 
2º RELATÓRIO AVALIATIVO REFERENTE À TECNOLOGIA DO
CONCRETO
Relatório apresentado como requisito parcial da disciplina Tecnologia do Concreto do curso de Engenharia Civil, do Professor FÁBIO RIBEIRO.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Palmas – TO
Abril - 2018