PSICOLOGIA DA PERSONALIDADE - Resumo das aulas 6 a 10
22 pág.

PSICOLOGIA DA PERSONALIDADE - Resumo das aulas 6 a 10


DisciplinaPsicologia da Personalidade I2.456 materiais120.320 seguidores
Pré-visualização8 páginas
da seguinte forma (Harré, 2009, p. 170):
Traços comuns: \u201cSão aqueles aspectos da personalidade aos quais a maioria das pessoas, em uma dada cultura, pode ser comparada. Traços comuns são generalizados em uma população\u201d.
\u201cOs traços comuns são mais nominais e menos verídicos do que traços pessoais. Traços comuns são revelados pela análise de dados de uma população e são artefatos do método\u201d.
Traços pessoais: \u201cSão aspectos da personalidade de um indivíduo e são generalizados nas situações em que a pessoa se encontra. Respostas semelhantes de um indivíduo (e de um animal também) a situações semelhantes são manifestações dos traços pessoais\u201d. 
\u201cTraços pessoais são revelados no comportamento verdadeiro de uma pessoa real. Eles refletem a consistência de uma pessoa no que tange o seu comportamento em situações mais ou menos semelhantes\u201d.
Dificuldades da origem dos traços
Allport identificou três dificuldades que encontrou com relação a sua ideia sobre a origem do traço da personalidade, na maneira como ela deveria ser comprovada pela análise estatística (Harré, 2009, p. 171):
\u201cNão existem evidências, no método estatístico, de que unidades fatoriais, que chegaram estatisticamente à situação como uma disposição de traços, correspondem à origem do traço de personalidade, isto é, às características dos seres humanos que poderiam explicar seu comportamento nessa ou naquela situação\u201d.
\u201cA própria denominação dos traços, com palavras que parecem psicologicamente pertinentes, é bastante arbitrária. Exemplos revelam uma mistura incoerente de diversos aspectos da personalidade (...). Correlações não estabelecem a existência de atributos semânticos comuns mais do que faz a causalidade comum\u201d.
\u201cNo final, Allport confessa estar indiferente aos modelos que submetem a personalidade a elaborações matemáticas e estatísticas. Ele ressalta a necessidade de uma abordagem idiográfica: quanto mais buscamos o que é homogêneo na natureza humana, mais urgente se torna a consideração de uma unicidade na forma e no padrão do todo\u201d.
Cattell nasceu na Inglaterra, em 1903. Teve muito destaque na escola, o que lhe garantiu uma bolsa de estudos em Londres, onde estudou Química.
Cattell se interessou pela pesquisa científica com o objetivo de reforma social. Ele aceitou realizar um treinamento acadêmico formal em Psicologia após participar de algumas experiências práticas na escola progressiva de Dartington Hall. Obteve seu PhD em Psicologia na University College, em Londres, no ano de 1929. 
O autor começou a lecionar antes do término do seu Doutorado na Exeter University, em 1926. Em 1932, dedicou-se ao aconselhamento infantil e, em 1937, deu início a uma longa carreira nos Estados Unidos, primeiramente como pesquisador na Columbia University e, em seguida, ingressou na Clark University, onde ficou até 1941.
A convite de Allport, ingressou no Departamento de Psicologia em Harvard no ano de 1944. Suas ideias contrastavam com a metodologia estatística de Allport, afastando-o de outros teóricos do traço como Eysenck, mas demonstrava a influência de Allport. Porém, acabou em discordância com este, com relação ao conceito da origem do traço de personalidade. 
Cattell fez várias publicações, dentre as quais podemos destacar seu trabalho mais ligado à Psicologia da Personalidade: The scientific analysis of personality (1965). Seus últimos anos de vida foram marcados pela amargura de uma controvérsia envolvendo implicações racistas, em função de sua insistência acerca de uma base genética para a personalidade. Cattell foi indicado ao prêmio da Gold Medal da American Psychological Association em 1997, mas esse problema veio à tona em virtude de um grupo que se opôs à premiação de Cattell, acusando-o de expressar pontos de vista racistas em seus escritos. Tal acontecimento levou ao adiamento da premiação e Cattell, em seguida, renunciou à premiação e morreu logo após, em 2 de fevereiro de 1998.
As contribuições de Cattell
Em sua teoria, Cattell fez uma distinção entre três tipos de traços: Habilidades; Atributos de temperamento, que envolvem a maior parte de respostas específicas e Traços dinâmicos, que envolvem os motivos.
Para ele, os traços dinâmicos tendem a reagir a situações e às pessoas, e vêm e vão de acordo com a modificação que elas fazem dos motivos. De acordo com ele, \u201cum tipo psicológico não passa de uma coleção de traços relativamente permanentes. Ele insistia que a clareza só poderia ser obtida ao se prestar atenção aos detalhes, ou seja, aos traços, às características que são resumidas quando se expressam sobre os tipos\u201d (Harré, 2009, p. 174).
Dimensões básicas da personalidade 
Para construir sua teoria sobre os traços da personalidade, Cattell (segundo Davidoff, 2001), junto com seus colaboradores, reuniu aproximadamente 18.000 palavras inglesas que eram utilizadas como forma de descrever as pessoas. Após omitir expressões raras e repetidas, eles conseguiram reduzir para 200 palavras. Para que a listra ficasse ainda mais compacta, os pesquisadores da equipe pediam para grupos variados de pessoas que usassem essas 200 palavras para descreverem a si mesmas e a seus amigos. Através de uma análise fatorial, as expressões foram analisadas, chegando a 16 grupos de traços, que foram então identificados e rotulados e chamados de dimensões básicas da personalidade. 
Testes objetivos de personalidade 
Além da identificação dessas características, Cattell desenvolveu vários testes objetivos de personalidade, com o intuito de medir esses traços originais e também os traços superficiais. 
Segue um trecho citado por Davidoff (2001, p. 524) com exemplo de perguntas feitas nesses testes para identificação dos traços de personalidade: 
Você se sente cansado quando não fez nada que justifique este cansaço? (a) Raramente (b) Frequentemente.
Se você pudesse voltar atrás e viver novamente, (a) gostaria de ser essencialmente o mesmo ou (b) planejaria sua vida de outra forma? 
Pesquisas em indivíduos e grupos 
Os traços originais de personalidade foram obtidos através de pesquisas feitas com amostras de pilotos, neuróticos e artistas. Os diferentes perfis de personalidade encontrados nos mostram que as pessoas com traços diversos de personalidade são atraídas por diferentes carreiras. Além disso, seus estudos permitiram a Cattell explicar e prever o comportamento. Além de explicar e fazer previsão sobre indivíduos, o teórico fez o mesmo com grupos, prevendo como um indivíduo responde a determinado ambiente. Para tal, ele usou uma equação de especificação. 
Os traços da pessoa são ponderados por sua importância na situação de interesse. Os traços relevantes são ponderados com sua devida ênfase; os menos relevantes recebem menor destaque. Uma agência de emprego, por exemplo, pode usar a equação de especificação para associar a personalidade de um indivíduo aos requisitos de um emprego. 
Tipos X Traços
A tipificação refere-se à classificação das pessoas em categorias de personalidade ou tipos de personalidade baseados em diversos traços relacionados. As abordagens de tipo diferem das abordagens de traços de duas maneiras (Davidoff, 2001, p. 525-526):
- Traços: referem-se a pequenas \u201cpartes\u201d da personalidade; os tipos respondem por toda a personalidade.
- Tipificação: supõe que traços específicos aglutinam-se, uma suposição sustentada pelas pesquisas. Conversar muito e ser ativo está associado a gostar de contato social, por exemplo.
Atividades proposta:
Todas as pessoas possuem características que as diferem umas das outras. Algumas são tímidas, outras mais expansivas, umas mais agressivas outras submissas. Como podemos explicar essas diferenças?
Resposta: Essas características são definidas por Allport como sendo traços. Para ele um traço de personalidade é considerado como \u201cuma estrutura neuropsicológica, com a capacidade de representar muitos estímulos com equivalentes funcionalidades e guiar formas (significativamente consistentes) equivalentes ao comportamento adaptativo e expressivo\u201d. Essa definição de traço