Relatório medida da ddp
5 pág.

Relatório medida da ddp


DisciplinaFísica Geral e Experimental III487 materiais3.471 seguidores
Pré-visualização5 páginas
UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ
Curso: ENGENHARIA
Disciplina: Física Experimental III
Turma: 3072
Titulo da experiência: A medida da ddp entre dois pontos de um circuito CC.
Autor do relatório:
Anthony Alan de Araujo Rosa
José Flavio Gomes
Marcos Paulo Siciliano Vidal
Equipe:
Anthony Alan de Araujo Rosa
José Flavio Gomes
Marcos Paulo Siciliano Vidal
Professor: Luiz Carlos de Lima
RESUMO
Nessa experiência faremos uso de um multímetro para determinar as tensões que
entram e saem dos resistores em estudo. Também vamos fazer a dedução das relações
existentes nas tensões em circuitos em paralelo e em série.
Tensão é a diferença de energia potencial elétrica entre dois pontos, sendo sua
unidade no MKS, Volts (V). Temos dois tipos de tensões: Tensão Co ntínua e Tensão Alternada,
que representamos, respectivamente, por VDC e VAC. Nesta experiência usaremos apenas a
continua, isto é, aquela que apresenta um pólo sempre positivo e outro sempre negativo.
INTRODUÇÃO
Resistência Elétrica
Um resistor (frequentemente chamado de resistência, que é na verdade a sua medida)
é um dispositivo elétrico muito utilizado em eletrônica, ora com a finalidade de transformar
energia elétrica em energia térmica por meio do efeito joule, ora com a finalida de de limitar a
corrente elétrica em um circuito. Resistores são componentes que têm por finalidade oferecer
oposição à passagem de corrente elétrica, através de seu material. A essa o posição damos o
nome de resistência elétrica ou impedância, que possui como unidade o ohm. Causam uma
queda de tensão em alguma parte de um circuito elétrico, porém jamais causam quedas de
corrente elét rica, apesar de limitar a corrente. Isso significa que a corrente elétrica que entra
em um terminal do resistor será exatamente a mesma que sai pelo outro terminal, porém
uma queda de tensão. Utilizando-se disso, é possível usar os resistores para co ntrolar a
corrente elétrica sobre os componentes desejados.
Um resistor ideal é um componente com uma resistência elétrica que permanece
constante independentemente da tensão ou corrente elétrica que circular pelo dispositivo,
assim como da temperatura ambiente e de seu corpo. Os resistores podem ser fixos ou
variáveis. Neste caso são chamados de potenciômetros ou reostatos.
Resistores fixos: Estes são o s tipos mais comuns que você vai encontrar no mercado.
Geralmente são baratos (resistores de carbono) e não são muito precisos. P ossuem uma
tolerância de 5% no seu valor. Então, um resistor com valor indicado de 100 ohms pode ter seu
valor real entre 95 e 105 ohms. A leitura dos valores dos resistores se faz através de um código
de cores, assim como a sua tolerância.
Resistores v ariáveis: O potenciômetro é exemplo de resistor variável que permite um
ajuste manual, girando o eixo até o ponto desejado. O potenciômetro é usado em situações
onde o usuário mexe constantemente no seu ajuste, como em um controle de volume por
exemplo.
Diferença de potencial elétrico (ddp)
Tensão elétrica é a diferença de potencial elétrico entre d ois pontos. Sua unidade de
medida é o volt, em homenagem ao físico italiano Alessandro Volta. Por analogia, a tensão
elétrica seria a "força" responsável pela movimentação de elétrons: o potencial elétrico mede
a fo rça que uma carga elétrica experimenta no seio de um campo elétrico, expressa pela lei de
Coulomb, portanto a tensão é a tendência que uma carga tem de ir de um ponto para o outro.
Normalmente toma-se um ponto que se considera de tensão zero e mede-se a tensão do resto
dos pontos relativos a este.
Para facilitar o entendimento da tensão elétrica pode-se fazer um paralelo desta com a
pressão hidráulica. Quanto maior a diferença de pressão hidráulica entre dois pontos, maior
será o fluxo, caso haja comunicação entre estes dois pontos. O fluxo (que em eletrodinâmica
seria a corrente elétrica) será assim uma função da pressão hidráulica (tensão elétrica) e da
oposição à passagem do fluido (resistência elétrica). Este é o fundamento da lei de Ohm, para
a corrente contínua:
U = R x I
Corrente contínua, corrente direta, corrente galvânica ou ainda corrente constante (CC
ou DC do inglês direct current) é o fluxo ordenado de elétrons sempre numa direção. Esse tipo
de corrente é gerado por baterias de automóveis o u de motos (6, 12 ou 24 V), pequenas
baterias (geralmente de 9V), pilhas (1,2V e 1,5V), dínamos, células solares e fontes de
alimentação de várias tecnologias, que retificam a corrente alternada para produzir co rrente
contínua. Normalmente é utilizada para alimentar aparelhos eletrônicos (ent re 1,2V e 24V) e
os circuitos digitais de equipamento de informática (computadores, modems, hubs, et c.).
Este tipo de circuito possui um pólo negativo e o utro positivo polarizado),
cuja intensidade é mantida. Mais corretamente, a intensidade cresce no início até um ponto
máximo, mantendo-se contínua, ou seja, sem se alterar. Quando desligada, diminui até zero e
extingue-se.
1ª Lei de Ohm
O estudo da resistência é de grande valia na determinação da potência dos diversos
equipamentos elétricos.
A expressão, matemática que permite a obtenção da grandeza resistência é a seguinte:
V = R. I (1) ou seja, R= V / I, onde
R - é a resistência elétrica, dada em ohms, cujo símbolo é Ω (letra ômega).
V - é a tensão elétrica nos terminais do di spositivo, dada em volt, cujo sím bolo é V (letra V).
I - é a intensidade de corrente que circula pelo dispositivo, dada em ampères (letra A)