Fontes, Lineatura
7 pág.

Fontes, Lineatura


DisciplinaProdução Gráfica741 materiais60.484 seguidores
Pré-visualização3 páginas
cores  que  os  preenchem.  Na  foto,  dizemos  que  há  uma  imagem  em  meio-­\u2010tom;  no  desenho,  temos  a  imagem  a  traço.    No  entanto,  não  é   tão  simples  reproduzir  estes  meios-­\u2010tons  num  impresso.  Para  que  isso  seja  possível,  é  preciso  decompor  estes  meios-­\u2010tons  em  pequenos  pontos  que,   variando   de   tamanho   e   de   cor,   misturam-­\u2010se   em   nossa   visão   (porque   são  minúsculos).  Por  conta  desta  mistura  ótica,  estes  pequenos  pontos  simulam  uma  variação  natural  da  cor  e,  assim,  também  simulam  o  aspecto  \u201cnatural\u201d  das  formas  que   estão   sendo   reproduzidas.   Estes   pontos   são   organizados   numa   rede,  denominada   retícula   (ou   seja,   uma   pequena   rede).   Assim,   os   meios-­\u2010tons   são  obtidos  na  impressão  através  do  uso  de  retículas.    Muitos  processos   gráficos  utilizam   retículas   \u2013   como  o   offset,   a   rotogravura   e   a  impressão   digital   \u2013   e,   assim,   têm   como   reproduzir   imagens   fotográficas   com  bastante  realismo.  Se  utilizarmos  uma  lente  de  aumento  (ou  um  conta-­\u2010fios,  que  é  o  instrumento  que  os  profissionais  usam  para  isso),  veremos  que  trata-­\u2010se  de  uma  simples  simulação,  obtida  através  dos  pontos  de  retícula.    Outros   processos,   por   questões   tecnológicas,   não   têm   como   reproduzir   pontos  tão   pequenos   e,   por   isso,   não   têm   como   simular   os   meios-­\u2010tons.   É   o   caso   da  serigrafia   (na   maior   parte   das   vezes),   da   flexografia   e   do   cote   eletrônico.   A  plotter  de   jato  de  tinta  é  um  caso  a  parte:  embora  utilize  pontos  pequenos,  seu  meio-­\u2010tom   só   é   satisfatório   quando   observado   a   uma   certa   distância,   devido   a  baixa  resolução  do  processo  eletrônico  utilizado.    Quando   não   utilizamos   meio-­\u2010tom,   temos   uma   impressão   a   traço.   O   traço   é   a  propriedade  de   todo   elemento   impresso  que   é   formado  por  uma  única   tinta   e,  portanto,   por   uma   única   cor   física:   não   há   meio-­\u2010tom   algum.   Por   exemplo:   os  grandes   jornais,   que   são   impressos   no   processo   offset,   utilizam   traço   para   a  impressão  dos  textos  (com  tinta  preta)  e  meios-­\u2010tons  para  as  fotos.  
  
    Nas  fotos  em  preto-­\u2010e-­\u2010branco,  estes  meios  tons  são  formados  apenas  com  a  tinta  preta.  Nas  fotos  coloridas,  são  usadas  outras  tintas  que,  na  nossa  visão,  parecem  se   misturar   através   de   retículas.   Cada   uma   destas   tintas   é   impressa  separadamente   (ainda   que   uma   logo   após   a   outra,   na   mesma   máquina).   Isto  significa   que   um   impresso   que   possui   mais   de   uma   cor   foi,   em   realidade,  impresso  mais  de  uma  vez.  
  
LINEATURA  Ao   transformar   fotos   em   originais   reticulados,   o   operador   precisa   definir   a  quantidade   de   pontos   que   serão   gerados   para   cada   área   da   imagem.   Como   as  retículas  podem  ser  visualizadas  na  forma  de  todas  as  paralelas  de  pontos,  usa-­\u2010se  a  denominação  lineatura  ou  freqü.ncia  para  definir  este  valor.    Gráficas  e   fotolitos   convencionais   costumavam  utilizar   a  medida  em   linhas  por  centímetro  (lpc).  Os  programas  de  editoração  eletrônica  adotam  normalmente  o  padrão  norte  americano  de  linhas  por  polegadas  (lpi  \u2013  lines  per  inch)  que  está  se  tornando   dominante   no   mercado.   De   qualquer   modo,   as   medidas   são  conversíveis,  bastando  multiplicar  o  número  de   lpc  por  2,54  para  obter  o  valor  em  lpi  (60  lpc  é  aproximadamente  150  lpi).    Em  teoria  quanto  maior  o  número  de  lpi,  menores  são  os  pontos,  mais  definida  fica  a  imagem  impressa  e  mais  perfeita  é  a  ilusão  ótica  de  tom  contínuo.    
    
Nas   condições   reais   de   trabalho,   a   definição   da   lineatura   está   atrelada   às  limitações   dos   processos   de   impressão   e   às   características   dos   papéis,   que  apresentam  graus  variáveis  de  dificuldade  em  lidar  com  pontos  muito  pequenos  ou  muito  próximos  entre  si.    Pode-­\u2010se   dizer   que   processos   baseados   em   tipografia   e   flexografia   pedem  lineaturas  mais   baixas,   entre   60   e   100   lpi.   Impressoras   offset   rotativas,   assim  como  as  de  rotogravura,  aceitam  valores  maiores,  entre  100  e  150  lpi.    Máquinas   offset   planas   de   boa   qualidade   podem   manusear   sem   problemas  lineaturas  entre  133  e  200  lpi.    Impressoras   dry   off-­\u2010set   podem   trabalhar   com   retículas   ainda   mais   finas.   Do  mesmo  modo,  papéis  lisos  e  revestidos  (como  o  couchê)  aceitam  lineaturas  mais  altas   enquanto   que   papéis   não   revestidos   e   do   tipo   jornal   exigem   valores  menores  para  a  obtenção  de  um  bom  resultado.    
ANGULAÇÃO  A   segunda   característica   que   nos   interessa   nas   retículas   é   a   sua   angulação   ou  inclinação.  As  linhas  de  pontos  podem  ser  vistas  como  um  conjunto  de  paralelas  dispostas  em  um  determinado  ângulo  em  relação  ao  papel  onde  estão  impressas.  Para   fins  de  padronização,   considera-­\u2010se   como   referência  uma   reta   vertical   que  atravesse   o   impresso   de   alto   a   baixo.   Uma   retícula   cujas   linhas   estejam  perfeitamente  alinhadas  com  esta  reta  ocupa  o  Ângulo  0º  e,  em  função  de  poder  ser  vista  nas  duas  direções,  também  o  ângulo  perpendicular  90º.  Ao  girarmos  a  retícula   no   sentido   horário   o   valor   do   ângulo   aumenta   para   30º/120º   e  45º/135º.    
    A  prática  demonstra  que  a  ilusão  do  tom  contínuo  é  ligeiramente  mais  eficiente  quando   a   reticula   está   inclinada   em   relação   à   vertical   do   papel,   porque   a  angulação  dificulta  que  o  observador  perceba  isoladamente  os  pontos.  Por  isso,  a  maioria   das   fotos   preto   e   branco   são   impressos   com   retículas   45º.   Fotos  coloridas  empregam  uma  combinação  de  ângulos.    Quando  mais  de  uma  cor  é  utilizada  para  a  reprodução,  os  meios  tons  reticulados  de   cada   uma   delas   precisam   estar   dispostos   em   diferentes   ângulos,   formando  
figuras   semelhantes   a   rosáceas.   A   orientação   de   um  meio   tom  para   o   outro   se  chama   inclinação  de   retícula.  No  método   tradicional,   as   retículas   são  colocadas  em   ângulos   diferentes   e   então   fotografadas.   No   sistema   digital,   estes   ângulos  podem  ser  determinados  pelo  editor  ou  então  na  saída   final  do   fotolito  na  pré-­\u2010impressão.    Se   as   retículas   são   uma   engenhosa   solução   para   os   problemas   dos   tons  contínuos,   são   também   as   grandes   responsáveis   pelas   dores   de   cabeça   que  enfrentamos  ao  reproduzir  fotos  impressas.  Se  o  olho  humano  não  individualiza  os  pontos  e  os  enxerga  como  tons  de  cinza  ou  cor,  o  mesmo  não  acontece  com  os  scanners  de  alta  resolução.  Na  captura  e  reimpressão  das  imagens,  os  pontos  da  retícula  previamente  impressa  entra  em  conflito  com  as  células  óticas  do  scanner  e  também  com  as  retículas  do  novo  fotolito.  Surge  o  moiré,  que  também  pode  ser  gerado  quando  retículas  de  cores  diferentes  estão  com  a  mesma  inclinação.  Para  evitá-­\u2010lo   basta   manter   as   inclinações   convencionais   das   quatro   cores   com   os  seguintes  ângulos:    Preto  -­\u2010  45°  Magenta  -­\u2010  75°  Amarelo  -­\u2010  90°  ou  0º  Cian  -­\u2010  15°    
O  MOIRÉ  Em   artes   gráficas,   basicamente   dois   tipos   de   moiré   são   comuns   com   os   que  trabalham   com   imagens:   o   moiré   de   scanner   e   o   moiré   de   sobreposição   de  retículas.  O  moiré  de  sobreposição  surge  quando  dois  padrões  de