Atividade Estruturada Completa - 2014
43 pág.

Atividade Estruturada Completa - 2014


DisciplinaAdministração101.872 materiais760.575 seguidores
Pré-visualização10 páginas
e percepção de qualidade.
Finalizados os contatos, os Clientes Misteriosos preenchem formulários e registram todas as informações definidas na fase de planejamento.
Todo material levantado pelos Clientes Misteriosos é rigorosamente checado e analisado para garantir a veracidade e precisão das informações apuradas.
O perfil dos Compradores Misteriosos (Consumidores Empresariais) ou dos Clientes Misteriosos (consumidores pessoa física) será definido de modo a garantir a adequação de seu público-alvo, aproximando ao máximo das situações simuladas à realidade do mercado.
- Pesquisa de Mercado para o desenvolvimento de novos produtos
Na área do composto de marketing de produto, temos uma necessidade que hoje tem se tornado também muito importante para a evolução das empresas em novos mercados, que é a pesquisa e desenvolvimento.
A área de P&D é responsável pela realização da pesquisa de marketing como principal ferramenta para levantar informações a respeito das necessidades dos clientes. Além disso, é responsável pelo desenvolvimento dos novos produtos, que permitem com que a empresa crie novas fontes de receita ao adentrar novos mercados ou crescer dentro dos mesmos mercados em que já atua.
As pequenas empresas quase nunca têm um departamento específico para P&D, mas isto não tira a necessidade de que estas atividades sejam executadas, o que normalmente acaba ficando restrito ao departamento de marketing.
Vamos agora discutir alguns temas relevantes para a estruturação do trabalho de P&D para empresas de qualquer porte, discutindo tópicos como: os tipos de novos produtos, etapas do processo de P&D e lembretes importantes.
Tipos de Novos Produtos
No marketing, além de classificarmos os produtos os quais a empresa trabalha, também existe uma classificação para os novos 
produtos a serem lançados.
Churchill (2000) afirma que existem várias maneiras de se categorizar novos produtos, iremos então apresentar os principais tipos de novos produtos de acordo com o ponto de vista da empresa.
Produtos Novos para o mundo
Estes são os produtos-invenções, aqueles que não existiam anteriormente ao processo de pesquisa e desenvolvimento. Historicamente incluem produtos como: televisores, computadores ou impressores a laser. Em diversos casos são revolucionários e podem mudar o modo como as pessoas vivem e trabalham. (CHURCHILL, 2000)
Novas categorias da marca
Para Churchill (2000) estes são produtos novos para a empresa em questão, mas não novas invenções. Incluem como exemplo o primeiro shampoo da Procter & Gamble, ou a linha de produtos de peru da Sadia.
Adições à linha de produtos
Estes produtos são definidos como extensões de de linha de produtos já trabalhadas, como por exemplo: o sabão Omo Máquina, a Kaiser Light ou o Gol 4 portas (CHURCHILL, 2000)
Melhoria em produtos
\u201cSão produtos novos no sentido que representam versões alteradas de produtos já existentes\u201d (CHURCHILL, 2000). Alguns exemplos podem ser: Carros com GPS, ou mesmo shampoos 2 em 1.
Reposicionamento
Produtos reposicionados são aqueles que passam a ser vendidos em novos mercados, ou ainda novos usos em um mesmo mercado. Churchill (2000) cita como exemplo o uso do bicarbonato de sódio como desodorizador de geladeiras, e também o desenvolvimento de lâminas de barbear Gillete Sensor também para mulheres, e não só homens.
- Mensuração da Satisfação do Consumidor e suas implicações gerenciais.
Quando o cliente está satisfeito a empresa cresce, como resultado do bom trabalho que ela desenvolve junto ao cliente. Esse movimento é chamado crescimento orgânico. É possível também crescer artificialmente, despendendo recursos com propaganda, descontos, prazos e aquisições. Porém, o crescimento natural é o que faz a empresa se manter no mercado.
Todo gestor de empresa sabe que quando cada colaborador cria responsabilidade sobre os objetivos, às coisas acontecem. Responsabilidade é uma palavra chave para o sucesso. 
Reichheld vai além, e diz que métrica é outra palavra chave. Isso por que métrica cria responsabilidade. Ou seja, onde o objetivo é medido, as pessoas se responsabilizam por esse objetivo (ao menos as que desejam continuar trabalhando da empresa).
Daí vem a importância de se medir Satisfação do Cliente com igual eficiência que se medem a Lucratividade e Faturamento da empresa.
Mas medir satisfação de clientes não é uma tarefa simples. Pouca empresa tem seu sistema de trabalho preparado para medir satisfação. Implantar essa métrica envolve muito trabalho e recursos, talvez havendo até uma mudança na cultura. Os dados precisam ser atualizados periodicamente e precisam ser confiáveis acima de tudo.
Então, como fazer para mensurar a satisfação do cliente?
Para que obtenhamos uma resposta confiável do cliente, precisamos atrelar a pesquisa não a um pensamento, mas a um comportamento do cliente sobre a empresa e a empresa sobre o cliente, ou seja se o cliente se sente especial sempre vai voltar no local de comercio.
6.6 - Erros não amostrais em pesquisa de mercado. O que são e como podem ser evitados.
Existem erros que não podem ser calculados, embora possam ser controlados e minimizados. São os chamados erros não-amostrais, resultantes de situações como:
\u2022 dados demográficos ou eleitorais desatualizados usados na elaboração das amostras; 
\u2022 questionários mal elaborados (perguntas que induzem a determinadas respostas, falta de objetividade, ordem inadequada, vocabulário inacessível etc.); 
\u2022 entrevistadores mal treinados;
\u2022 ocorrências inesperadas ligadas ao tema da pesquisa. 
Os erros não-amostrais quando não controlados podem alterar radicalmente os resultados e, conseqüentemente, a interpretação e análise de uma pesquisa.
6.7 - Pesquisa de mercado de dados secundários publicados e serviços por assinatura.
	A aplicação correta de métodos de coleta de dados já existentes, ou Dados Secundários, torna possível visualizar rapidamente os diversos meios em que estão inseridos os objetos de estudo, sejam estes internos ou externos à Empresa. Tais técnicas permitem obter, com baixo custo, internamente ou fora da Empresa, uma grande variedade de dados para investigação. Também é conhecida como desk research.
As fontes da Pesquisa de Dados Secundários são:
		
	Dados internos às vendas, marketing, área de custos, distribuidor-revendedores, central de atendimento ao cliente, etc,
	
	Dados externos às publicações diversas (governamentais associações \u2013 sindicatos, revistas, jornais, etc) e fontes padrões (estudos de mercado, painéis de consumo, etc)
	 Alguns exemplos de aplicação da Pesquisa são:
	
	Levantar perfis demográficos objetivos de uma população,
	
	Fonte de inspiração para conceitos de novos usos e produtos,
	
	Determinar prováveis tendências, formular hipóteses de trabalho,
	
	Definir amostragem para pesquisas ad hoc e validar dados das mesmas.
	
	Entre outros.
6.8 - Pesquisa de Mercado no Espírito Santo \u2013 As experiências dos Institutos ou Empresas de pesquisa. 
Instituto de Pesquisa Brand teve sua  na participação do publicitário Lucas Margotto em duas agências de marketing e pesquisas: a Imagem Consultoria (1997/2002) e a Direta Marketing (2003/2006), somando-se a isso sua experiência em diversas campanhas eleitorais desde a década de 90. Após as eleições de 2006 o empresário decidiu iniciar um novo projeto e associou-se à pedagoga Maristela Gasperazzo para fundar a Brand no Espírito Santo.
Beneficiando-se dessa expertise a empresa investiu na qualificação de seus gestores, parceiros e colaboradores, com a proposta de oferecer soluções estratégicas aos ambientes político-eleitoral, corporativo e institucional.
Atualmente o Instituto experimenta um estágio evolutivo e, por isso, define-se como uma organização dinâmica que agrega tecnologia, talentos e profissionais de reconhecida capacidade para o desenvolvimento, planejamento, execução, processamento e análise de estudos sob diferentes cenários - buscando sempre a máxima eficiência no atendimento das necessidades