atlas_geoambiental
101 pág.

atlas_geoambiental


DisciplinaGeologia7.522 materiais59.893 seguidores
Pré-visualização50 páginas
são expostos em taludes de corte. Onde são pouco evoluídos, em geral, exibem 
feições de que contêm argilominerais expansivos. Neste caso, erodem bastante e se desmoronam com facilidade 
se são expostos em taludes de corte e em obras terraplenadas; 
\uf03f	o potencial de movimentos de massas (escorregamentos e rolamentos de blocos e matacões) natural é baixo. 
Mesmo nas encostas com declives acentuados não se observaram movimentos de massas. Entretanto, há de se 
considerar que, no caso de se fazer escavações, é grande a possibilidade de se expor nos taludes de corte solos 
expansivos e blocos e matacões a situações propícias a rolamentos;
\uf03f	por serem rochas de baixa resistência ao intemperismo físico-químico e que se alteram de modo diferenciado, 
a profundidade do substrato rochoso costuma ser bastante irregular. Pode ocorrer a situação de que em poucos 
metros se passe de um local onde o solo é bem profundo para um que é bem raso;
\uf03f	as facilidades e dificuldades para se executar escavações, perfu-
rações e fazer obras subterrâneas variam bastante de local para lo-
cal, tanto na lateral como na vertical. Existem porções onde o manto 
de alteração é bastante profundo e de baixa resistência ao corte e à 
penetração até altas profundidades e existem porções onde desde 
muito próximo da superfície poder-se-á encontrar rochas duras que 
necessitam do uso de explosivos para desmontá-las. Destaca-se 
que pela forma com que se alteram diabásios, gabros e basaltos, 
mesmo nos locais onde os solos são profundos e bem evoluídos, 
de modo imprevisível, neles podem existir mergulhados blocos e 
matacões de rochas duras, que podem ser isolados ou então con-
centrados em grande número. Isso pode dificultar e encarecer bas-
tante a execução de escavações e perfurações e pode ser um pro-
blema sério se as fundações de uma construção ficarem parcialmente apoiadas sobre blocos e matacões. Em tal 
situação, eles podem se movimentar e as obras podem se desestabilizar (figura 134);
\uf03f	as rochas deste domínio são portadoras de alta densidade de fendas abertas e dispostas em várias direções 
(figura 127). Isso faz com que delas se desprendam blocos com facilidade em taludes de corte e que por elas fluidos 
se infiltrem e rápido, contribuindo para acelerar os processos intempéricos. Tais características indicam que nos 
locais onde o substrato rochoso aflora, ou está próximo da superfície, cuidados especiais devem ser tomados com 
a contenção de taludes de corte e com as obras das quais possam vazar substância poluentes, como gasodutos, 
oleodutos, tanques de combustíveis, cemitérios etc. A possibilidade de que os poluentes penetrem pelas fendas e 
cheguem até as águas subterrâneas é grande; 
\uf03f	os solos pouco evoluídos, por conterem argilominerais expansivos, são colapsíveis, característica que pode 
causar problemas de trincamentos e desestabilizar obras enterradas e faz com que neste caso sejam solos bastan-
te suscetíveis à erosão, se ficam expostos à concentração das 
águas pluviais;
\uf03f	os solos, por serem argilosos, tornam-se excessivamente 
aderentes e escorregadio quando molhados, portanto, não se 
deve iniciar demoradas obras que envolvem escavações duran-
te os períodos chuvosos. Maquinários e ferramentas emplas-
tam-se excessivamente e as vias de acesso às obras tornam-se 
bastante escorregadias;
\uf03f	a existência de rochas magmáticas na forma de diques, 
como é o caso das que sustentam este Domínio, indica que 
é grande a possibilidade de que no subsolo da sua região de 
definição existam muitas descontinuidades geomecânicas e hi-
dráulicas relacionadas a falhas, fraturas e a mudanças abrup-
tas de litologias de diferentes características geotécnicas. Este 
é um aspecto importante de ser levados em conta no caso de 
fazer grandes obras subterrâneas, como dutos enterrados, tú-
neis etc.
\uf03f	o manto de alteração, por ser argiloso, quando a pedogênese é avançada, apresenta baixa permeabilidade, é 
pouco erosivo e de boa capacidade de se compactar. Portanto, é bom para ser usado como material de empréstimo. 
Por outro lado, quando a pedogênese é pouco avançada, apresenta argilominerais expansivos. Neste caso, não é 
recomendável utilizá-lo como material de empréstimo em obras em que fica sujeito à alternância dos estados úmido 
e seco.
do ponto de vista agrícola - as implicações são tanto negativas como positivas.
Dentre as negativas, destacam-se que:
\uf03f	na maior parte da área de definição dos diques os declives acentuados impedem ou dificultam bastante o uso 
de implementos agrícolas motorizados. Sendo assim, são inadequados para o aproveitamento agrícola intensivo e 
mecanizado; 
\uf03f	as características topográficas não são favoráveis a que se incorpore matéria orgânica no solo, portanto, na 
maior parte do terreno a camada agrícola é pobre em matéria orgânica;
\uf03f	o potencial de erosão hídrica, tanto a laminar como a concentrada, é alto. Os solos erodem bastante e se depau-
peram rápido se são arados e ficam desprotegidos de cobertura vegetal;
\uf03f	por serem argilosos, os solos se compactam, impermeabili-
zam-se e se tornam bastante erosivos se forem continuamente 
mecanizados com equipamentos pesados ou pisoteados por 
gado. Cargas elevadas contínuas fazem com que se forme 
uma camada subsuperficial altamente endurecida e imperme-
ável \u2014 fenômeno conhecido como pé-de-grade. Esta camada 
funciona como uma superfície de deslize da camada mais su-
perficial, que, por ser menos compactada, mais friável e per-
meável, quando chove, encharca-se excessivamente e é facil-
mente removida por erosão laminar (figura 136). Assim, mesmo 
sendo argilosos, os solos deste Domínio, se forem manuseados 
de forma inadequada, podem se tornar tão erosivos quanto um 
solo arenoso;
\uf03f	solos argilosos são naturalmente pouco permeáveis, des-
sa forma, nas condições topográficas de declives acentuados, 
no caso de se fazer a irrigação, deve-se optar pelo método do 
gotejamento. Por outros métodos, a maior parte d´água não se 
infiltra, escorre e forma enxurradas altamente erosivas;
\uf03f	em razão da pedogênese não ser homogênea, em pouco metros os solos podem apresentar grandes diferencia-
ções de espessura e de características físicas e, certamente, químicas. Desta forma, a qualidade agrícola também 
deve variar bastante, razão pela qual as plantas podem se desenvolver de forma bastante diferenciada;
\uf03f	os solos quando são excessivamente evoluídos podem apresentar problemas de excesso de alumínio, ou seja, 
devem ser bastante ácidos;
Figura 133 - Matacões como o desta foto ocorrem 
com freqüência em meio aos solos transportados 
que existem no sopé das cristas sustentadas por 
rochas básicas.
Figura 134 - Mostra o que pode acontecer se fun-
dações de obras ficarem parcialmente apoiadas 
sobre matacões.
Figura 135 - Afloramento de rocha magmática bási-
ca, densamente fendilhada em várias direções, o que 
possibilita que seja desmontada com facilidade com 
maquinários em pequenos fragmentos, aproveitados 
para cascalhar estradas. 
Figura 136 - Erosão laminar, induzida pelo uso con-
tínuo de equipamentos pesados na mecanização de 
solos argilosos. 
Blocos de rocha fresca
Manto de alteração
Rochas básicas frescas
30
Dentre as implicações positivas, salientam-se que:
\uf03f	por serem argilosos, os solos são naturalmente pouco erosivos, são bastante porosos e apresentam boa capa-
cidade de reter, fixar nutrientes e de assimilar matéria orgânica. Conseqüentemente, devem manter boa disponibili-
dade hídrica para as plantas por longo tempo dos períodos mais secos e devem responder bem à adubação ;
\uf03f	por serem derivadas de rochas que liberam vários nutrientes, principalmente magnésio, cálcio, sódio e potássio, 
os solos apresentam fertilidade natural que varia de muito boa nos não-excessivamente evoluídos a boa nos mais 
evoluídos;
\uf03f	embora na maior parte dos diques o relevo seja inadequado para a